segunda-feira, 26 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Falecimento Ricardo Carrara Neto

de 14/1/2007 a 20/1/2007

"Ricardo Carrara Neto foi um estudante de Direito boêmio, alegre e inteligente. Caparaó o apresentava como 'o neto do Francesco', brincando com o fato de ser ele homônimo do fundador da Escola Clássica. Como o 'avô' abraçou o Direito Penal e veio para esta que se é seguramente a mais bela das profissões é talvez uma das mais injustas. Seu caminho foi de pedra, mas ele soube enfrentá-lo com a galhardia de sempre. Batalhou, adoeceu e definhou sem perder o bom humor que era fruto de sua inteligência. Deixará uma enorme saudade."

Arnaldo Malheiros Filho - escritório Malheiros Filho, Camargo Lima e Rahal - Advogados - 15/1/2007

"Com pesar, fui informado por estas 'migalhas' do falecimento de Ricardo Carrara Neto (Migalhas 1.570 – 9/1/07 – "Falecimento"). Fomos contemporâneos nas Arcadas e nas lutas estudantis, embora nem sempre estivéssemos do mesmo lado político. Carrara, que alguns preferem ressaltar que pertenceu à 'canalha acadêmica', foi protagonista de um episódio de grande coragem, quando, em outubro de 1975, juntamente com Luiz Baptista Pereira de Almeida Filho, cobriu a 'Tribuna Livre do Largo de São Francisco' com uma tarja negra para protestar contra o assassinato de Vladimir Herzog, episódio que relatei, gravando seu nome no livro 'Arcadas no tempo da Ditadura'. Somente quem viveu 'os anos de chumbo' pode imaginar o significado deste gesto de coragem, pois o Largo estava repleto de policiais, agentes provocadores (inclusive da própria Faculdade) e informantes do Dops - a famigerada polícia política da época. Que o velho colega descanse em paz."

José Manoel de Aguiar Barros - Presidente do C. A. XI de Agosto, gestão 1975 - 16/1/2007

"Quem esteve ontem no Colégio Sion soube porque Arnaldo Malheiros Filho afirmou, em Migalhas nº 1.574, que Ricardo Carrara Neto nunca perdeu o humor que era fruto de sua inteligência. Estávamos todos lá. De pé, sentados ou de joelhos, estávamos lá, revivendo o amigo nas palavras e Aloisio Lacerda Medeiros, Roberto Mello, Paulo Ferrari.... e Paulo Eiró. Com muita sensibilidade, os quatro souberam, cada um a seu modo, passar em julgado nossa enorme alegria de ter podido viver o Colega Carrara. Abraço, mais uma vez, minha saudade!"

Alexandre Thiollier - escritório Thiollier e Advogados - 16/1/2007

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram