terça-feira, 20 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Migalheiros

de 4/2/2007 a 10/2/2007

"OH! MAMINHA

D'aprês Camões

Oh! maminha, senti que te partiste,

Com sebo na panela sempre quente,

Refoga nesta língua que te sente

o alho em que com sal te imiscuíste

Se, após a consumpção a que serviste,

Fizeres mal ao povo de repente,

Liberta-te, é favor, discretamente,

Sem provocar ruído onde saíste.

Se vires que és capaz de derreter-te

Por onde o teu volume se livrou

E, ingrata como és, eu merecer-te,

Não digas que fui eu, nem quem eu sou,

Deixando que eu contigo me liberte

Com o cheiro que bem longe nos levou.

MMVII, 3febr. Scripsit"

Ontõe Gago - Ipu/CE - 5/2/2007

"DA PEQUENA CASCATA DE CARAZINHO (Migalhas doa leitores – "Migalheiros" – clique aqui)

Da Bica do Ipu vejo mil léguas,

diversas da visão de Carazinho,

onde o gaúcho mal e arfando chega

depois de se arrastar pelo caminho

E o córrego que cai é bem fraquinho,

um choro de água rala após a chuva,

lavada pelas fezes de mil uvas

e urina merencória de algum pingo.

Dá pena de se ver quando aos domingos

se banha um melenudo e algu'a viúva."

Ontõe Gago - Ipu/CE - 6/2/2007

Cleanto, eu já tô ficando um matuto aperreado, pois fiz a postagem do tal Tacacá em 24/1, às 11h42, e até agora não me avisaste que o danado chegou. Disseram-me que eram só quatro dias úteis...

Eu já tô ficando arisco

pois teu silêncio é profundo:

Tu recebeste o tal disco

ou Carazim é o fim do mundo?"

Zé Preá - 7/2/2007

"CHASQUE PRA UM ÍNDIO AFLITO

(Pro Zé Preá. Calma, o Tacacá tá por aí)

! Daqui desse fundo,

pra muito além do olvido...

venho dar conta pro amigo,

que Cleanto anda pior que cigano,

o índio velho anda haragano,

não tem mais parada no ninho,

arisco do nosso Carazinho,

cruza rumos pra lá e pra cá,

mas creio que o tal de Tacacá

não se perdeu pelo caminho!"

Mano Meira - Carazinho/RS - 8/2/2007

Cleanto, não se apoquente, eu já sei que você recebeu o Tacacá. Essa migalha que apareceu aqui é antiquíssima em outrora, acreditando eu que tenha ficado agasalhada em recônditas reentrâncias, ou então lá onde é guardado o vinho francês do amado Diretor: a possante geladeira do Migalhas. Abraços do"

Abílio Neto - 8/2/2007

"FALA CLEANTO!

Perdido não era, já lo sei,

Amigo Zé Preá,

Este tal de Tacacá,

Mas nas voltas que dei,

Nem eu mesmo não sei,

Sumiu-se como por encanto,

Chega a até a causar espanto,

Não escreve nem responde,

Perdido lá não sei onde,

O nosso amigo Cleanto!"

Mano Meira - Carazinho/RS - 9/2/2007

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram