sábado, 24 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Migafalhas, as falhas do Migalhas

de 4/2/2007 a 10/2/2007

"Caro Diretor, No corolário de seu texto de hoje me chamou a atenção a palavra 'afim de' que quero supor tratar-se da locução 'a fim de' (Migalhas 1.590 – 6/2/07)."

Glauco Michelotti - 7/2/2007

"Migalhas... Este poderoso rotativo sempre suscitando dúvidas... No intróito (Migalhas 1.590 – 6/2/07):

'Nenhum jurista pode dispensar o contingente do passado afim de bem compreender as instituições jurídicas dos dias atuais. Ninguém é capaz de dar passo à vanguarda, adiantando um sem deixar o outro pé na retaguarda.' Waldemar Ferreira in "História do Direito Brasileiro", 1951

a palavra sublinhada não estaria grafada de maneira incorreta? O certo não seria ‘a fim’ ou seja, com a finalidade de? Em que pese o tempo de sua inserção no mundo jurídico (1951), seria conveniente, ao menos, uma correção... Ou não? Abraços! Parabéns pelo trabalho maravilhoso!"

Norberto Luiz de França Paul - OAB/SP 219.398 - 7/2/2007

"A citação do Migalhas 1.590 (6/2/07) possui um erro crasso da língua portuguesa, qual seja: 'afim', é a todos sabido que se escreve separadamente, ou seja, a fim... Atenciosamente."

André Otaviano Gatinho - 7/2/2007

"Saudações. No texto inicial do Migalhas de hoje (6/2/07), nº 1590, acredito que a grafia correta onde se lê 'afim' seria 'a fim', não? Grato,"

Paulo Roberto de Carvalho – Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais - 7/2/2007

"Senhores, há um erro digno de chibatadas logo na citação do informativo de hoje (Migalhas 1.590 – 6/2/07): a locução 'a fim de' foi grafada 'afim de'! O douto Prof. José Maria da Costa deve estar sentido! Saudações,"

Marcelo Prates - Banco Central do Brasil - 7/2/2007

"Sr. Redator, Quando leio, como no Migalhas de ontem (1.591 – 7/2/07 – "Fim em si"), que 'o erro deve ser creditado ao redator...', sempre penso que está errado, pois entendo que erro se debita e acerto se credita. Talvez pense assim pelo fato de que, tendo sido contabilista antes de ser advogado, tenho percepção muito clara do que é débito e crédito. Se o assunto não for desimportante demais, gostaria que os mais doutos se manifestassem a respeito. Abraços."

José Fernandes da Silva - OAB/SP 62.327 - 8/2/2007

"Prezados amigos migalheiros, logo no início do informativo de ontem (1.590 – 6/2/07) há uma citação na qual se lê, sem destaques:

"Nenhum jurista pode dispensar o contingente do passado afim de bem compreender as instituições jurídicas dos dias atuais. Ninguém é capaz de dar passo à vanguarda, adiantando um sem deixar o outro pé na retaguarda." Waldemar Ferreira - in "História do Direito Brasileiro", 1951

Não seria caso de finalidade e, daí, utilizar-se 'a fim' ('separado')? Seria um equívoco meu, de Migalhas ou do próprio autor do texto citado? Nessa última hipótese, não deveria este poderoso rotativo fazer uso da expressão sic? Com a palavra, a fim (ou afim) de solucionar a dúvida, o nosso grande mestre da 'inculta e bela'. Um abraço e parabéns, novamente (vocês merecem encômios todos os dias) pelo informativo."

Márcio Carvalho Faria - OAB/MG 99.515, OAB/SP 244.733, escritório Nunes Amaral Advogados, Prof. Proc. Civil e Direito do Consumidor – UFJF e Faculdade Granbery - 8/2/2007

"Ilustre Senhor Diretor do Migalhas. 'A fim' de defender saudoso e insigne 'funcionário', nobre colaborador remunerado de Migalhas, injustamente apelidado de 'o infeliz', quero pedir vênia à alta direção deste poderoso rotativo, com fundamento em princípios constitucionais, em especial o da ampla defesa e contraditório, para esclarecer que não há evidências que levem a imputação do fato aludido ao obreiro (Migalhas 1.591 – 7/2/07 – "Fim em si"). Estamos vivendo a era da informação, motivada pela evolução dos computadores e dos recursos de TI, assim a ferramenta que o colaborador utiliza diuturnamente apresenta defeito grave e evidente no recurso de correção ortográfica. Vale dizer que o produtor do software muito fez propaganda deste recurso, desta forma, confiando na ferramenta, o obreiro foi induzido ao erro quando o recurso tecnológico falhou. Assim, por justiça clara e célere, há de se admitir a imediata reintegração do obreiro no quadro de funcionários de Migalhas, inclusive com premiação de gratificação, visto ter levado 'chibatadas didáticas' injustificadas. Por fim, considerando que os prepostos de Migalhas - ao instalar o software de edição – concordaram integralmente o EULA (End User License Agreement), contrato de utilização eletrônico do software, não haverá possibilidade de ressarcimento do dano causado pela 'falha' na ferramenta, uma vez que a desenvolvedora se exime de indenizar, em clausulas pactuadas. Certo de vosso entendimento, visto possuir superior capacidade de raciocínio, despeço-me no aguardo do deferimento do pedido de reintegração e gratificação. Com muitas estimas,"

Fabiano Rabaneda - Ruhling Consultoria Corporativa - 8/2/2007

"Tanta celeuma só porque alguém esqueceu de dar um toque na barrinha de espaço! Pior foi o que aconteceu (já faz muito tempo) com o Diário Oficial do Estado de Pernambuco: nas páginas destinadas à Secretaria de Administração foi publicada a exoneração, a pedido, de um ocupante de relevante cargo do Governo. Só que alguém esqueceu a letrinha 'd' na palavra pedido e o figurão foi exonerado 'a peido', conforme a publicação que guardei até há pouco tempo. Abraços,"

Abílio Neto - 8/2/2007

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram