segunda-feira, 26 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

MPF/SE entra na Justiça contra o jornalista Diogo Mainardi

de 11/3/2007 a 17/3/2007

"Minha noooooossa! Será que sou merecedor disso tudo? Primeiro, um leitor escreveu que quem se 'auto-atribui' a condição de advogado deveria 'emitir juízos coerentes com o que se espera de um operador do Direito' (Migalhas dos leitores – "MPF/SE entra na Justiça contra o jornalista Diogo Mainardi" – clique aqui). Como, até então, o único que se apresentara como advogado houvera sido eu (e assim o fizera porque essa é minha profissão, não tenho outra; sou inscrito na OAB/SP sob nº 92.435 e meu título de advogado foi conquistado, ninguém me atribuiu nada não, muito menos eu me 'auto-atribuí' coisa alguma), o recado, evidentemente, foi para este desprezível ser. Depois, veio outro, oculto sob o manto de uma abreviatura, que 'acompanhou' o 'relator' do julgamento sumário e à revelia a que fui submetido. Ainda não contente, o mesmo sujeito oculto voltou para referir-se ao que chamou de 'o produto final de certas faculdades de Direito que se limitam a admitir candidatos em suspeitíssimos 'processos seletivos' e depois dos anos regulamentares os atiram na rua sem capacidade de raciocinar a partir de elementos abstratos'. Eeeeepa! Essa foi para mim, também? Bem, se não me falha a capacidade de raciocínio lógico (se é que ainda a tenho, respeitado o princípio da eventualidade! De resto, dispenso a estrambótica lição de silogismo do infeliz), claro que foi. Uaaaau! Gente, não sou digno de tanto, não! E o que é que significa, afinal, ‘emitir juízos coerentes com o que se espera de um operador do Direito’? Ah, claro, claro! Como pude me esquecer que o Direito é o principal instrumento de legitimação dos detentores do Poder? Sim, sim. Por esse prisma, é evidente que minha opinião, que em meia dúzia de palavras tanto descontentou meus detratores, foi deveras 'incoerente com o que se espera' e, por essa razão, foi mesmo digna da repulsa contundente dos citados leitores e outros que os acompanharam... Para tudo há sempre uma explicação 'coerente'! P.S.: Que bêbados nos botequins vomitem opiniões fedendo a preconceito, compreendo; mas não posso compreender que o façam 'migalheiros', pessoas supostamente cultas, inteligentes, equilibradas (causídicos ou não)... Alivia-me a certeza de que, advogado tão ruim como me consideram (e devo ser, mesmo; decerto, conhecem profundamente o meu trabalho, muito além da meia dúzia de palavras!), jamais contratarão meus préstimos. Deus me livre de defender interesses dessa freguesia botequinesca! Advogado de porta de boteco? Eu, não! Do advogado muito ruinzinho, mas cheio de orgulho,"

Luís Antônio Albiero - advogado de Capivari/SP - 12/3/2007

"'Valei-memeupadinpadiciso', disse um migalheiro (Migalhas dos leitores – "MPF/SE entra na Justiça contra o jornalista Diogo Mainardi" – clique aqui)! Com efeito, como perdemos tempo discutindo as asneiras do Sr. Diogo Mainardi e as besteiras de um Procurador (de holofotes)! Ops! Serei processado? Nosso Brasil possui temas muito mais interessantes e inteligentes para discutirmos (por exemplo, as incríveis modificações introduzidas no CPC e na Legislação Penal) do que a disputa de egos entre um Procurador sem serviço (Ops! Outro processo?) e um jornalista sem outro assunto. Vamos em frente Migalhas!"

Castor Amaral Filho - 12/3/2007

"Alguém com suas faculdades mentais perfeitas ainda se dá ao trabalho de ler o Diogo Mainardi? Ou de escutar suas bobagens, seus comentários medíocres e suas idéias preconceituosas na televisão?"

Alexandre de Salles Gonçalves - 13/3/2007

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram