terça-feira, 20 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Limite máximo de consumo

de 18/4/2004 a 24/4/2004

"Registro meu convite a todos os migalheiros de plantão, para que verifiquem o teor do Projeto de Lei Complementar 137/2004, de autoria do Deputado Federal Nazareno Fontelles (PT - PI). Mais uma vez, vemos nos representantes do povo o total desconhecimento dos preceitos instituídos pela nossa Constituição. Sob o (ridículo) argumento de que a "proposta é para que se inverta [a atual realidade sócio-econômica brasileira], definindo-se um Limite Máximo de Consumo que facilite e possibilite a todos os brasileiros o acesso, no mínimo, aos bens essenciais, um Limite Máximo de Consumo que promova a inclusão social e econômica", o ilustre Deputado defende que a possibilidade de consumir dos ricos (aqueles que, com seu trabalho, recebem mais de R$7.500,00!!!!!! Ricos!!!) deve ser freada, em detrimento de quem não consume. Oras, como está nossa economia? Como estão nossas indústrias? A produção brasileira, na maior parte dos setores, vem encolhendo e causando ainda mais desempregos. As conseqüências inevitáveis, além da enxurrada de ADIn's que abarrotará ainda mais o STF, serão maior retração na indústria e mais desemprego. Uma pitada de conhecimento jurídico não fará mal a ninguém... Muito menos àqueles que usam de suas atribuições legais para enviar à discussão essa saraivada de besteiras. Talvez um estágio em Cuba (e não ao lado do "Glutão Castro") seja o bastante para que "nossos" representantes abram os olhos e evitem se expor ao ridículo."

Samir Pires - 19/4/2004

"Leitor antigo e assíduo de Migalhas, muitas vezes tenho contido, com dificuldade, o desejo de comentar certas matérias que, pelo inusitado ou mesmo absurdo, merecem reflexão mais demorada. Às vezes, fico a pensar que o Brasil atual estaria a merecer a pena de Eça de Queiroz e de Ramalho Ortigão, em novas Farpas. Agora, depois de ler a migalha do Samir Pires, a propósito do projeto de lei complementar estabelecendo um limite de consumo, não posso mais me conter. Gostaria de "aplaudir" o douto autor do projeto e até lhe sugerir um adendo. Vamos estabelecer um também um limite (ou será uma cota?) de besteirol para os nossos parlamentares: cada um deles terá direito a tantos beisteiróis por ano. Ultrapassado esse limite, fica sujeito a um teste de QI, que, conforme o resultado, poderá resultar na suspensão do mandato... Fica a idéia que, se outro mérito não tiver, pode, ao menos, levar a pensar sobre a responsabilidade do eleitor."

Guido Pinheiro Côrtes - 22/4/2004

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram