Honorários

11/1/2008
André C. S. Abrão - escritório Colombo, Abrão, Marques Ferreira Advogados

"Sobre a Nota, outra fria, divulgada pela OAB/SP, da lavra de nosso Presidente D'Urso, repudiando o arbitramento de honorários irrisórios (Migalhas 1.815 – 10/1/08 – "Migas – 3"clique aqui), cumpre rememorar uma dúvida: onde estava a OAB quando da instituição da Lei 9.099? Repudio, como sempre repudiei, a ceifadeira da magistratura em nossos sagrados honorários, muitas vezes única fonte de renda daqueles que militam em favor dos menos favorecidos nas searas dos JECs/JEFs e nas demais instâncias ordinárias do Poder Judiciário. Eu mesmo catei migalhas, anos atrás, em apoio à tal lista negra da magistratura. Também repudio a prática da advocacia, muitas vezes administrativa, em que membros da magistratura aposentados ingressam para militar em causas que antes julgavam. Apóio, outrossim, singela migalha de um colega que recentemente escreveu acerca da deturpação dos JECs, um sistema judicial falido. Outro dia li estapafúrdia intimação em causa patrocinada por minha sócia, na qual o juiz determinou a conversão da causa originalmente proposta sob o rito sumário para o rito ordinário, ao argumento de ‘maior celeridade’ (?). Tudo isso enquadra-se com precisão no grito do colega Cerdeira (Migalhas 1.814 – 9/1/08 - Nervos a "flor da pele" – clique aqui)."

Envie sua Migalha