Verbas

11/1/2008
Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP

"Li em Migalhas (1.815 – 10/1/08): 'Tirar de quem não tem'. Mas pergunto. Não estarão ganhando demais? Não será esse um dos fatores de redução das Varas? Em São Paulo, idem. Se fizermos comparações com que ganhavam há duas ou mais décadas, veríamos que ganhavam um pouco mais do que os professores de segundo grau, pelo menos em São Paulo. Agora pretendem nada mais nada menos que R$ 16.000,00 para iniciarem. Já ganham mais de R$ 10.000,00; e os professores ganham na inicial R$ 800,00: pode? O projeto foi aprovado na Assembléia legislativa, inconstitucionalmente, mesmo porque só o Governador poderia enviar a mensagem, agora pode e deve vetar, mesmo porque, constitucionalmente nenhum deles, nem Desembargadores poderiam ganhar mais de R$ 14.800,00 mensais. É preciso reduzir esses ganhos absurdos, eliminando, outrossim, a cláusula de irredutibilidade de salários, outra excrescência imposta por eles, politicamente. Pergunto: nas esferas comuns quantos conseguem ganhar até o fim da vida o que eles ganham, mesmo com inúmeros títulos universitários, e mostrando competência, que, infelizmente não vemos tanta assim, data venia pela Justiça que temos? Atenciosamente."

Envie sua Migalha