quinta-feira, 22 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Brizola

de 20/6/2004 a 26/6/2004

"Muitas histórias vão contar, mas essa tenho gravada, em homenagem ao nosso bom brasileiro e conterrâneo mais ilustre, envio: Conta o historiador, que o nosso carazinhense, nascido na localidade de Cruzinha, então pertencente ao povoado de São Bento, hoje 1º Distrito de Carazinho, conhecido no Brasil e no mundo por Brizola, enquanto Secretário de Viação e Obras Públicas, no Governo de Ernesto Dornelles, no Rio Grande do Sul, projetou a ponte sobre o Rio Guaíba, e batendo às portas do Governo do Rio Grande, foi logo desestimulado, por não haverem recursos. Inconformado, foi ao Rio de Janeiro, para pedir o auxílio da União, falando com Getúlio Vargas, a resposta foi a mesma "nada podemos fazer", não temos dinheiro. Duplamente inconformado, visualizou falar com o Presidente Charles De Gaulle, na França, e, a bordo de um avião "super-costelation", atravessou o Atlântico, e convenceu o nobre representante da nação que foi berço da bandeira do imortal símbolo triangular nascida no Iluminismo, a financiar a obra, com resgate da dívida pelo nosso estado, a longo prazo, diz o nosso historiador, que foram 40 ou 50 anos. E acrescenta, essa obra foi um marco na história do nosso estado, pois a nossa topografia, era como um queijo dividido ao meio, não havendo ligação possível por terra do norte (da região dos grandes lagos da bacia do rio Guaíba) com o sul, e essa ponte, aposentou as barcaças (que eram balsas de guerra de desembarque na França, sendo que o embarque era feito pela popa e o desembarque na proa), que na época emperravam a unificação do estado, o seu desenvolvimento e progresso."

Cleanto Farina Weidlich, advogado Carazinho/RS - 23/6/2004

"Vai-se Leonel de Moura Brizola, um engenheiro ferrenho defensor da Lei e do Direito das gentes: mais jurista do que muitos juristas. Que seu profundo respeito à Legalidade e ao Direito sirva de farol às novas gerações dirigentes de nosso Brasil - e de serena reflexão à atual."

Paulo Roberto Dornelles Junior - acadêmico de Direito / UFRGS - 23/6/2004

"Somo aos que consideram Brizola um dos últimos homens públicos que soube bem dignificar a função pública, independente das suas idéias. Corajoso, quando sempre foi mais fácil a composição; crítico, quando mais lucrativo a submissão oportunista; enfim, idealista, num país, onde, geralmente, os ideais se resumem a uma conta corrente recheada. Rendo homenagem ao grande republicano que já é uma grande saudade."

Armando Rodrigues S.do Prado - 23/6/2004

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram