segunda-feira, 19 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Governo Lula

de 27/1/2008 a 2/2/2008

"É, colega migalheiro Alexandre de Macedo Marques (Migalhas dos leitores – "Governo Lula" – clique aqui), depois que tudo, rigorosamente tudo, voltou a ser como dantes em Congonhas, e nada, rigorosamente nada, que o tonitruante e palavroso Nelson Jobim, com ou sem uniforme de campanha, com ou sem macacos no ombro, prometeu, anunciou, asseverou e, alto e bom som noticiou, considerando aquela história do 'Aja ou saia, faça ou vá embora', como é que vai ficar? Ainda me lembro que, na sua posse, naquele discurso que citou Benjamin Disraeli (sem mencionar a origem), humilhando o ministro que saia, afirmou, sempre tonitruante e verboso, que a 'A história não registra e não grava boas intenções, a história registra o que fazemos e o que deixamos de fazer. Ela não aceita explicações'. Talvez por isso, a essa altura, o ministro Jobim não mais se lembre do início da conhecida frase de Disraeli – Nunca se queixe, nunca se explique, nunca se desculpe – mas, já que não agiu, bem que podia sair, de fininho, como seu antecessor."

Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL - 28/1/2008

"Cartão de crédito de idosos. Na última quinta-feira, 24/1, o Presidente Lula advertiu aos aposentados para que tenham cuidado na hora de utilizar os cartões de crédito consignado. Lula lembrou que quando não há dinheiro em espécie, mas existe o cartão, 'a pessoa acaba ficando estimulada a gastar mais'. Sábio conselho o do presidente, na defesa dos aposentados, na cerimônia dos 85 anos da Previdência Social no Brasil, esse conjunto de normas de proteção dos brasileiros, inclusive dos idosos. Mas, por outro lado, típico conselho daqueles do tipo 'faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço', até porque, nascido em 1945, o presidente não é exatamente um idoso, ainda, e talvez por isso o cartão corporativo da Presidência pague de tudo, tudo mesmo, aos milhões. O mesmo acontece com Ministra da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro, flagrada no uso do cartão de seu ministério, pagando contas de restaurante e até de freeshop em suas viagens internacionais. Quanto aos restaurantes há uma justificativa, já que as contas pagas se referem a restaurantes italianos, japoneses, árabes, etc., o que pode estar ligado à promoção necessária à política de seu ministério. Mas, compras em Freeshop... tenha a santa paciência... Mas, a verdade é que a ministra nasceu em 1960 e está longe de poder ser considerada idosa, pelo que também para ela não valem os valiosos conselhos presidenciais. E, afinal, quanto menos gastarem os idosos - e os brasileiros de uma maneira geral – mais sobrará para que se gaste nos cartões corporativos governamentais."

Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL - 28/1/2008

"Um dos aspectos que mais impressionam no atual Governo é a Incoerência entre suas declarações e suas atitudes; assim é que, alegando as maiores dificuldades em cortar gastos, continua a transferir milhões às ONG, os quais, algumas vezes, retornam parcialmente para campanhas de alguns Partidos Políticos."

Fernando Carlos Chagas Diniz - 29/1/2008

"Nunca tive dúvidas que a morfologia pícnica do sr. Lula da Silva explicava os recorrentes rompantes verbais, delirantes e triunfalistas, caracterizados por completa ausência de auto-crítica, senso de realidade ou de ridículo. A última da excelência é de lascar o cano. Ao se ver rodeado, na cabeceira de uma imensa mesa de reunião por meia centena de áulicos, 'nelsonrodrigueanamente' babando e de olhar rútilo, lascou a excelência que 'até parecia a Santa Ceia' (Migalhas 1.825 – 24/1/08). Francamente, seu Luís! Peça a um dos centenas de 'intelectuais' que o rodeiam e que usufruem uma boquinha na república sindicalista petista, para ler-lhe e explicar-lhe o clássico de George Orwell 'A revolução dos bichos'. Lá poderá encontrar uma imagem melhor para a sua reunião e, talvez, meditar na transformação do bicho escolhido para líder. Não cito o bicho para não parecer desrespeitoso. Mas aproveito para lembrar-se que lá, entre a bicharada, a esperança também venceu o medo. E a que preço! E, aqui entre nós, o bicho líder assumiu valores e atitudes que Sua Alteza, o Imperador Lula I, quiçás um novo Messias anunciado pela precursora Marilena Chauí, reconhecerá como muito familiares. Em favor dos bichos informo-o que lá, na república deles, não havia 'Botox' nem cirurgiões plásticos. E não havia nenhum 'bicho-Renan' ou 'bicho-Sarney' dirigindo assembléia. Menos mal. E, para mostrar a minha boa vontade, ia sugerir alguns nomes para lhe fazerem a leitura. No momento fico com o Nelson Jobim, o homem do 'Kaos Aéreo'."

Alexandre de Macedo Marques - 29/1/2008

"Tudo, no Brasil, como se diz, começa 'depois do Carnaval'. Notícias dos jornais dão conta de que o Presidente Lula tirará férias, e que voltará depois do Carnaval. O congresso nacional debanda, para voltar ao 'normal', depois do Carnaval, já que muitos congressistas 'sairão' nas escolas, engrandecendo as festas de Momo, já que ninguém é de ferro. Mas, para onde vai, afinal, toda essa gente, quando está em recesso e quando delas não se houve falar? Recesso, como se sabe, tem também o significado de retiro, descanso e esconso (que, por sua vez, significa oculto, escondido). O que se sabe é que toda vez que o governo, ou o Congresso (que para o povo é a mesma coisa) entra em recesso, todo mundo some, tudo para, não se acha mais ninguém. E fica a dúvida: para onde vai todo mundo? Pois bem, o mistério está resolvido. Nem tenho certeza se a informação era para ser secreta. Mas, se era sigilosa, a Abin comeu bola, pois na BR 418, que é uma rodovia federal que liga o leste de Minas Gerais ao litoral sul da Bahia, quem segue por ela e passa por Nanuque, pouco antes de chegar a Teófilo Otoni, talvez não perceba, mas lá está a placa indicativa (clique aqui) do estranho destino do pessoal do governo: o Pasto do Governo. Quem por lá passou, e me mandou a foto, não se aventurou a seguir pelos 5 km adiante, temendo encontrar um campo cercado, como a área 51, no deserto de Nevada, nos EUA, ou acabar envolvido em um novo caso Roswell, desmentido. Mas a placa é clara: Pasto do Governo, ou seja, é lá que o Governo, ou melhor, os membros do governo pastam, deliciam-se, comprazem-se (todos sinônimos do Aurélio), já que por certo não estão a comer a erva não ceifada. Ao menos quanto ao gado, qualquer criador sabe que entre a pastar e confinar, pastar dá mais despesa e menos lucro. Talvez por isso fiquemos nós, os brasileiros, confinados entre CPMF’s várias, recebendo menos ração e produzindo mais, representando mais lucro."

Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL - 29/1/2008

"'Banqueiro tem que ter medo do PT. Não é normal num país os banqueiros ganharem o que estão ganhando aqui' (Clovis Rossi, 'Quem te viu, quem te vê', frases do presidente Lula da Silva proferidas em 2000, Folha de São Paulo, 11.6.2005). Notícia de hoje: 'Lucro do Bradesco sobe 58%, para R$ 8 bi, na comparação com 2006.  Trata-se do maior resultado de empresas do setor bancário em 20 anos' (Estadão). Lula, seu governo está dando SERTO; ou $ERTO?"

Aderbal Bacchi Bergo - magistrado aposentado - 29/1/2008

"Delúbio Soares foi depor, na última terça-feira, na Justiça Federal, e se disse grato a Marcos Valério pelos empréstimos feitos ao PT. Disse mesmo que, no futuro, o partido pretende quitar os tais empréstimos que, segundo ele, agiu sozinho para obtê-los: 'Eu solicitei ao Marcos Valério esses empréstimos, ele fez, na época era um problema enorme, sou muito grato a isso'. Mas o bom Marcos Valério buscou, na justiça, cobrar esses mesmos empréstimos no valor de R$ 55 milhões, que Delúbio não nega dever, mas diz que paga quando puder, tendo obtido decisão que considerou os empréstimos inexistentes e condenou Marcos Valério à sucumbência de 10% sobre aquele valor. Então fica assim: Marcos Valério diz que emprestou, o dinheiro (fisicamente) existiu, estava no Banco Rural e foi generosamente distribuído a uma porção de políticos que faziam fila nos guichês para retirar suas polpudas mesadas. Há documentação sobre os empréstimos: Delúbio os assinou, juntamente com Genoíno, sendo que nenhum dos dois nega o fato. Aliás, ambos confirmam. E, repita-se, o dinheiro jorrou grosso para todo mundo. Mas a justiça disse que não, que não aconteceram os empréstimos, que tudo não passou de uma simulação e que, agora, Marcos Valério é quem deve, aos advogados do PT, R$ 5 milhões pela ousadia de tentar cobrar dinheiro que todo mundo recebeu dele mas que, de fato, não existia, apesar de todos terem recebido e gostosamente gasto. Poderia Valério, agora, pagar na justiça a sucumbência com outra parcela desse tipo de dinheiro também inexistente, com cheque do Banco Rural? Se tudo não passou de faz-de-conta, que tal ficar o dito pelo não dito e todos viverem felizes para sempre? Até porque, afinal, essa história já deu o que tinha que dar e já chega de ver esses personagens nas televisões e jornais a caçoarem do povo brasileiro."

Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL - 29/1/2008

"Antártida ou Antártica, pouco importa. O que acontece é que uma comitiva de 13 deputados e um senador estão presos lá, sem poderem voltar, ocupando seu tempo fazendo caminhadas, jogando cartas, cozinhando e, segundo o deputado Paulo Teixeira, um dos integrantes da comitiva, tudo com 'muita cantoria'. Em outras palavras, o dia-a-dia dos parlamentares não tem mudado grande coisa com relação ao que fazem com seu tempo, quando estão em Brasília. Quem, dentre eles, não foi escoteiro, ou não freqüentou acampamentos, está agora tendo uma nova experiência. Enquanto o tempo não melhora, e o avião não pode ir buscá-los, tudo é novidade: dividem tarefas, uns cozinham e outros lavam a louça, tudo – como se disse – com muita cantoria. Ricardo Berzoini sugeriu que, do alto, os aviões jogassem whisky para os parlamentares, porque 'gelo é o que não falta na região'. Enquanto isso, nossos nobres deputados já chegaram à conclusão de que a temperatura tem aumentado nos últimos anos lá onde estão, o que comprova o fenômeno do aquecimento global o que, aliás, é notório. Não obstante, os congressistas têm mostrado ansiedade e nervosismo, não só porque estão tendo que lavar roupas, mas também porque o Carnaval se avizinha, e ninguém vai querer passá-lo em uma base chilena naquele frio. Ao que parece, eles entraram, literalmente, em uma fria."

Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL - 30/1/2008

"E agora Joaquim? E agora Ministro Joaquim Barbosa (STF), relator do processo do 'mensalão', como vai decidir: o Presidente Lula vai, ou não vai, depor sobre o maior escândalo de governo nunca antes visto na história desse país? O ex-deputado (cassado) Roberto Jefferson (PTB-RJ) decidiu arrolar Lula como sua testemunha, pois esse último argumenta que Lula foi avisado duas vezes e se omitiu, já que como Chefe de Estado e Chefe de Governo do Brasil deveria ter remetido as informações à Polícia Federal (mesmo que haja uma parte dessa Polícia sob seu controle ideológico – como se diz – mas faz parte do governo, portanto, não é totalmente isenta, nesse caso, segundo alguns especialistas) ou, seria mais isento, ético e imparcial, remeter à Procuradoria Geral da República. Ou seja, o Presidente do Brasil sabia e se omitiu, fazendo vista grossa, ou ele apenas falando, sobre as denúncias de Jefferson, com alguns parlamentares da base aliada cumpriu seu dever institucional? Ministro Joaquim, por favor, não se amedronte agora, não se utilize do 'jeitinho brasileiro' do qual vossa excelência reclamou do Ministro Gilmar Mendes em julgado do STF. Mostre sua coragem e pergunte da maneira formal e respeitosa em um processo penal, pelo menos duas coisas: Presidente Lula – Vossa Excelência sabia ou não sabia do 'mensalão'? Quais as providências que adotou quando informado sobre a existência do mesmo? Saudações humanísticas e democráticas,"

Paulo R. Duarte Lima – advogado, OAB/RN 6.175, Natal/RN - 31/1/2008

"Com relação à nota 'Viúva' (Migalhas 1.829 - 30/1/08) , diz lá que 'é bom também pegar os (cartões de crédito) dos assessores diretos da primeira-dama.' E aí eu fiquei cá a refletir. Assessores da Primeira-Dama...Poxa, até pra fazer nada eles precisam de assessores? E não basta um? No plural, denota que são vários. Isso sim é empregar bem o dinheiro público..."

Marcelo Witt - São Bento do Sul/SC - 31/1/2008

"Após a época do mensalão, as denúncias que lhe seguiram, e agora essa do cartão corporativo (Migalhas 1.829 - 30/1/08), o povo brasileiro se pergunta mais uma vez: para onde vai o meu dinheiro? E depois tem ministro com 'm' minúsculo, culpando a oposição pelo fim da CPMF, e dizendo que a Saúde não terá mais recursos. O problema do Brasil é moral, ético, de princípios e valores, inclusive religiosos. Mas, como gostam de atacar a religião, base desses valores, o país permanece na estagnação política e social. Atacar a religião genericamente é ser amigo do mal jurídico, que é a proliferação de leis injustas e amorais, e de um sistema que protege os corruptos. Assim, o tempo vai passando. Mas quem pensa que Deus não vê nada desses males, está bem enganado. E para esses corruptos, se não se arrependerem, o futuro lhes reservará uma bela surpresa."

Dávio Antonio Prado Zarzana Júnior - 31/1/2008


"Sr.Diretor, quanto à pergunta abaixo:

'Mostre sua coragem e pergunte da maneira formal e respeitosa em um processo penal, pelo menos duas coisas: Presidente Lula – Vossa Excelência sabia ou não sabia do 'mensalão'? Quais as providências que adotou quando informado sobre a existência do mesmo? Saudações humanísticas e democráticas" - Paulo R. Duarte Lima – advogado, OAB/RN 6.175, Natal/RN'

Lembro ao migalheiro Paulo R. Duarte Lima que o ex-Deputado Jeferson já respondeu, e eu vi quando ele disse, que o José Dirceu estaria colocando em sério problema o inocente Presidente Lula, logo ele mesmo respondeu que Lula não sabia. Agora,visando prejudicar politicamente o Presidente vem com essa: 'não merece fé e ademais levou vantagem, logo'... Basta Lula mandar reproduzir o momento da denúncia que ainda deve estar gravada. Falo como advogado, diante do fato incontestável, não como defensor de Lula. Atenciosamente."

Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP - 31/1/2008

'Tenho Migalhas em grande conceito e confiança, mas, pontualmente, conflitamos aqui e ali. Foi o caso da nota 'Fio de cabelo' (Migalhas 1.830 - 31/1/08 - clique aqui). Primeiro, essa revistona pratica antijornalismo, muito mais próximo de um pasquim, usando ataques desqualificadores como argumentos incontestáveis. Segundo, participa de guerras comerciais estranhas (para ser elegante). Lembram-se do episódio 'COC? Pois é, procurem saber o porquê a revistona se meteu nessa encrenca armada. Terceiro, essa revistona adotou como última moda a mania americana do neoconservadorismo. Nessa moda, espirra preconceito de classe e antipatia pelo governo Lula. Quarto e finalmente, no que diz respeito à sentença, ainda passível de reforma, faltou informar esse detalhe, a juíza classifica esse esgoto de artigo, de 'direito à informação' (sic). Excelência, aí não reside a tal da 'tensão dialética', mas puro denuncismo que, diga-se de passagem ainda está sub judice, sem definição de mérito. Queria saber se sua excelência ficaria inerte, se sofresse ataques com esse nível de 'acidez', 'malícia' e 'expressões contundentes'. Por menos, tem juiz recebendo indenizações (altas) por dano moral. Nos operadores do direito o dano existe e vale mais?"

Armando Silva do Prado - 31/1/2008

"A r. sentença da ilustre Juíza julgando improcedente a denúncia apresentada pelo 'Quadrileiro do Banco Suiço', foi uma verdadeira aula de justiça (Migalhas 1.830 - 31/1/08 - "Fio de cabelo" - clique aqui). Como eu digo sempre: O poder Judiciário é o único que presta serviços relevantes ao país, fazendo justiça e mostrando que é o único que verdadeiramente trabalha. Parabéns Juíza Sirley Claus Prado Tonelli."

João Bittar Filho - 1/2/2008

"Migalhas é um jornal delicioso, de cuja leitura desfruto mesmo não sendo operador do Direito. Hoje, por exemplo, após ler a nota 'Fio de cabelo' (Migalhas 1.830 - 31/1/08 - clique aqui), sobre ação movida por José Dirceu contra um jornalista, pude ler a reportagem de Veja, o 'Quadrilheiro do banco suíço', que motivou a infundada ação, generosa e oportunamente reproduzida por Migalhas. Gostei tanto que copiei e arquivei."

Luiz Leitão - São Paulo/SP - 1/2/2008

"Só tenho a lamentar que o Migalhas tente imitar a revista Veja 'Fio de cabelo' (Migalhas 1.830 - 31/1/08 - clique aqui), a pior coisa que existe no Brasil quando se fala de jornalismo. Foi pelas ações de "guerrilheiros" como Zé Dirceu e outros da Resistência que nós ainda não estamos no tempo dos generais de óculos escuros que tiraram do poder um governante eleito pelo povo e ainda mandaram matá-lo no exílio. Obrigado, Zé Dirceu."

Abílio Neto - 1/2/2008

"(Migalhas de peso – Governo Lula - João Bittar Filho)E retruco.Pena que não se possa julgar assim todo o Judiciário .Embora uns e outros juízes prestem o serviço; muitos outros, 'data venia' prestam um desserviço quando se afastam das leis, com interpretações dúbias, movidas por motivações cerebrinas,por incapacidade etc. É só o Migalheiro ler o meu livro 'A Justiça Não Só Tarda'. Mas também falha. Não precisa comprá-lo,se quiser mande-me o endereço e o mandarei gratuitamente. Por ele, verá que muito há de se fazer se quiser termos Justiça na acepção da palavra.Cabe a OAB formar grupos de juristas- para examinar sentenças discordantes,muitas que põem inocentes na cadeia;ou tomam-lhes o único bem que possuem:o imóvel da família. Atenciosamente."

Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP - 1/2/2008

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram