domingo, 25 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

MP investigando

de 25/7/2004 a 31/7/2004

"Se ao Delegado de Polícia no procedimento administrativo incumbe com exclusividade decidir sobre o cerceamento da liberdade, não se entende porque não lhe competir a incumbência da investigação. A iniciativa do Ministério Público é subversiva ao princípio da autoridade."

José Salmazo Filho - Delegado de Polícia - Amparo/SP - 26/7/2004

"Espetacular este artigo sobre o Ministério Público e seu poder de investigação criminal (clique aqui). É de impressionante exatidão as colocações ora expostas! Meus sinceros parabéns!"

Kariny Fonseca - 26/7/2004

"Essa propaganda do Ministério Público que afirma inexistir mistério quando o "parquet" investiga com liberdade é uma afronta a conhecidos fatos, em que alguns representantes do órgão pintaram e bordaram com a honra alheia. Informações, até mesmo "anônimas", foram passadas a jornalistas, ditos denunciativos, para dificultar a defesa, mediante subseqüentes requerimentos de seqüestros ou arrestos de bens etc., quando não requerida a prisão preventiva, fundamentados nas próprias reportagens. Chegou-se a presenciar promotores passeando com microcâmeras dentro de cadeias e essas imagens foram parar na TV Promotoria, mais conhecida como Rede Globo! Está escrito, e não é nas estrelas, que cabe à polícia investigar e ao MP denunciar, e fim de papo. Onde está a OAB para mostrar ao público em geral que esse lero-lero da promotoria não passa de propaganda enganosa? Onde estão os jornalistas de bem que deveriam, neste instante, mostrar a rodo o que foi feito com pessoas honestas e que tiveram a honra irremediavelmente destruída por promotores mais preocupados com a autopromoção do que com a investigação? E, para finalizar, essa notícia em Migalhas 973 de que a reportagem denunciativa (será?) da revista IstoÉ contra o Presidente do BC, Henrique Meirelles, e o Diretor de Política Monetária do BC, Luiz Augusto Candiota, estaria pronta desde maio e só publicada nesta semana tem o odor típico de investigação, digo, reportagem plantada... Por quem será? E a mando de quem?"

Alexandre Thiollier - escritório Thiollier Advogados - 27/7/2004

"No geral procuro sempre participar dos debates do Migalhas tentando dar minha humilde contribuição, mas, quanto à questão do MP e seu eventual poder de investigação, faço minhas as palavras do colega Alexandre Thiollier. O MP presta um desserviço ao se pretender como um (mau) político em campanha, lançando frases de efeito e ocultando a verdade dos fatos. Pretender que o órgão que acusa seja também o titular da investigação que, ao depois, irá municiar a peça acusatória é pecar até mesmo contra o bom senso geral, leigo."

Antonio Celso Baeta Minhoto - 28/7/2004

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram