segunda-feira, 26 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Contrariedade do libelo

de 8/8/2004 a 14/8/2004

"Magnifico Editor, Mantenha firme a sua opinião! Não se deixe intimidar! Um jornal sem opinião não é coisa alguma. Data vênia o nobre e ilustre Promotor de Justiça de Minas Gerais, Artur Foster Joanini, quer que Vossa Magnificência fique em cima do muro (Migalhas 982 - 6/8/04 - Migalhas dos leitores - Crítica). Este hebdomadário tem que expressar a sua opinião, e quem discordar que se alevante. Com as minhas cordiais saudações,"

Fernando B. Pinheiro - escritório Fernando Pinheiro - Consultoria Legal - 9/8/2004

"Respeitosamente discordo integralmente da sugestão do Promotor Artur Foster Joanini (Migalhas 982 - 6/8/04 - Migalhas dos leitores - Crítica) que deseja censurar o informativo "Migalhas", ao sustentar que os textos editoriais deveriam ser isentos e imparciais e que somente poderiam ser publicados quando refletissem a opinião de 100% dos participantes. Toda a unanimidade é burra, como dizia Nélson Rodrigues, e, no caso dos leitores de Migalhas, absolutamente impossível, tendo em vista o merecido e estrondoso sucesso deste informativo, que possui milhares de leitores diários. Tal sucesso, obviamente, é fruto, entre outros elementos, da vivacidade dos editoriais, sempre instigantes, ainda que eu mesmo deles por vezes discorde. O ilustre Sr. Promotor propõe a "lei da mordaça" em Migalhas, quando provavelmente dela discorda quando exerce suas nobres atividades profissionais. Apelo aqui ao Editor de Migalhas que ignore o pleito do Sr. Promotor e continue a escrever com o destemor que o caracteriza e que encanta a 99,9% de seus leitores. Cordialmente,"

Gabriel F. Leonardos - 9/8/2004

"Ínclito Amado Diretor de Migalhas e ilustre presidente da Excelsa Corte Migalheira, peço que indefira a cota do ilustre representante do Parquet, Artur Foster Joanini (Migalhas 982 - 6/8/04 - Migalhas dos leitores - Crítica), que às escâncaras busca num atrabiliário tentâmen açaimá-lo."

Ramalho Ortigão - 9/8/2004

"Prezada " Cúpula Oficial" do site: Sobre a crítica do Promotor de Justiça Artur Foster Joanini (Migalhas 982 - 6/8/04 - Migalhas dos leitores - Crítica): - Viu como a verdade dói! Abraços"

Sérgio Ricardo Salvador - 10/8/2004

"Caros migalheiros: passo a responder a cada migalheiro as críticas recebidas, justamente porquanto é esta a essência da democracia, no qual se vê implícito o respeito às opiniões alheias e a necessidade de resposta aos argumentos ora apresentados para que a discussão avance e seja profícua: 1°) Ilmo. Dr. Fernando B. Pinheiro: reforço minha opinião que o editor deve publicar as notícias com imparcialidade, relatando fatos e não exprimindo sua própria opinião, pois este deve coordenar os debates, e não colocar a opinião própria como se fosse a opinião do Migalhas. Acredito, sim, que a pessoa física, mesmo do edito, em seu nome, deve externar suas opiniões como qualquer outra pessoa, possibilitando, inclusive, paridade de armas aos debatedores, como disse o Min. Marco Aurélio em seu voto contra as investigações do MP. É preciso que o comentador, que exprime suas opiniões, se identifique, e não se oculte por detrás do anonimato do editorial. Caso contrário, este não é um espaço democrático de debates, e não merece mais atenção e respeitabilidade. Aliás, exatamente como disse o ilustríssimo Advogado, em outras palavras, "quem discordar que se alevante", mas eu completo: que se levante e se identifique. 2°) Ao respeitável Gabriel F. Leonardos: não obstante o que eu escrevi no artigo, sou acoimado de querer "censurar o informativo Migalhas" e  propor a odiosa "Lei da Mordaça", suplicando, ainda, que "ignore o pleito do Sr. Promotor". Pois bem: em primeiro lugar, reitero que o site Migalhas, como todos, deve propiciar indiscriminadamente a todos que externem suas opiniões com responsabilidade e fundamentadamente. A Instituição do Ministério Público é a primeira a desejar o regime democrático e a total ausência de censura em qualquer dos âmbitos dos poderes e na imprensa. Acredito que migalheiro, desafortunadamente, não percebeu que o editorial, este sim, deve dar notícias calcadas na realidade dos fatos, e não opiniões como se fossem próprias. Como disse acima, que o comentador de textos se identifique e permita o debate. Acusar-me de "censura" é, no mínimo, irresponsabilidade e é, praticamente, inverter o "pedido", pois é V. Sa. que pede para me censurar com seu apelo. 3°) Ao Ilmo. Sr. Ramalho Ortigão: lamento que V. Sa. tenha compreendido tão pouco o texto e proponha ao editor, como o migalheiro Gabriel, "que indefira a cota do ilustre representante do Parquet", pois isto nada é mais que calar o oponente através da direção do Migalhas. Lastimável, pois, seu pedido de retorno à censura. Cordialmente."

Artur Foster Joanini, Promotor de Justiça de Minas Gerais - 12/8/2004

"Parece-me que o DD. Promotor Dr. Artur Foster Joanini confunde "editorial" com reportagens. Estas devem ser imparciais e isentas. Já os primeiros servem, exatamente, para externar a posição do periódico."

Ana Paula Caodaglio - Caodaglio & Associados - 12/8/2004

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram