segunda-feira, 26 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Circus

de 8/6/2008 a 14/6/2008

"Excelente crítica literária (Circus 89 - 6/5/08 - "Litteraratura" - clique aqui). Mas, quando o autor faz referência, no quarto parágrafo, ao 'romance dos dois jagunços que se amavam e que o Tarcísio mais a Bruna eternizaram na TV', não teria esse par romântico, sido protagonizado por Bruna Lombardi (Diadorim) e Tony Ramos (Riobaldo) ao invés de Tarcísio, na mini-série 'Grande Sertões: Veredas'? Um abraço migalheiro a todos."

Raphael Melazzo de Faria Costa - 9/6/2008

"I num é que o Melazzo tá certo (Circus 89 - 6/5/08 - "Litteraratura" - clique aqui)? O Tarcísio era o vilão. Ói a farta qui faiz o DVD!"

A. Cerviño - SP - 9/6/2008

"Adauto, o seu Circus semanal é um refresco para os meus olhos, habituados (mas cansados) de ler somente 'juridiquês', o que já faço há mais de 50 anos nesta profissão por vezes linda e por vezes frustrante (89 - 6/5/08 - "Litteraratura" - clique aqui). Mas ainda é uma 'cachaça' que me tornou dependente dos agravos, apelações, iniciais e outras expressões que, para os leigos, soam como palavrões. Mas creia, Adauto, está cada vez mais difícil advogar. Em uma 'Migalha' (Migalhas dos leitores - "Theotonio Negrão" - clique aqui) recente você me tirou do anonimato ao lembrar a nossa convivência na Distrital Ipiranga, fazendo referência ao meu (e seu) constrangimento quando eu levava uma petição a despacho. Tenho muitas saudades daquela fase da minha vida (pessoal e profissional) e dos longos papos que batíamos na ocasião. E, principalmente, do relacionamento amigo e gostoso que você mantinha com os advogados do bairro, participando dos jantares e do futebol que tentávamos jogar e do qual você participava como um goleiro até mesmo razoável. Atualmente, meninos e meninas, recém admitidos na magistratura, mantêm os advogados à distância e, por vezes, negam-se a despachar uma petição com um simples comunicado na porta: dirijam-se ao Protocolo. Enfim, como é difícil deixar a 'cachaça' vamos continuar a luta, ora felizes, ora decepcionados, mas sempre tocando o barco. Um grande abraço do amigo,"

Hamilton Penna - 9/6/2008

"Adauto, esse número do Circus (89 - 6/5/08 - "Litteraratura" - clique aqui) ficou espetacular. Justa homenagem ao Joãozito. Despertou-me a vontade de reler Sagarana e Grandes Sertões. Forte abraço e obrigado."

Ailton B. Brandão - 9/6/2008

"No brilhante texto do último Circus (90 - 13/6/08 - "Sexo e Tabu" - clique aqui), o prof. (da vida) Suannes revela seu ceticismo com relação a modificações legislativas no âmbito do Direito de Família, pois as soluções judiciais nesta seara decorreriam mais da mentalidade dos operadores do Direito do que do texto legal em si. Exatamente por isso ser verdade é que deve ser amplamente divulgado o luminoso e 'revolucionário' voto (vencido) proferido pelo grande ministro Carlos Ayres Britto no RE 397762-8. Neste voto, o ministro sustenta, de forma brilhante, que a união estável abarcaria os "casais desimpedidos para o casamento civil ou, reversamente, ainda sem condições jurídicas para tanto", afirmando, ainda, que para a Lei Maior não existem concubinos e sim casais em situação de companheirismo, ainda que impedidos de celebrar casamento. O voto é de rara beleza e oferece uma interpretação do §3º do art. 226 da Constituição mais consentânea com os valores consagrados no próprio Texto Maior. Fazemos coro, por isso, a Celso Antônio Bandeira de Mello, quando diz que o Ministro Carlos Britto (juntamente com Marco Aurélio) é figura pinacular do Supremo Tribunal Federal".

 

Théo Assuar Gragnano - 13/6/2008

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram