terça-feira, 20 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

de 22/6/2008 a 28/6/2008

"O correto é Correio ou Correios?"

Elias Daher Júnior - 24/6/2008

"Eu li o seguinte: Depois de prolatada a decisão consideramos a mesma 'temerável' pois... Não seria simplesmente 'temerária'? O termo 'temerável' realmente existe? Um abraço."

Vital F. Assis Bôtto Barbosa - 24/6/2008

"Senhores: Tendo em vista a questão de pontuação colocada para Gramatigalhas de hoje (Migalhas 1.925 - 25/6/08 - clique aqui), segue uma questão igualmente intrigante.

'Um homem rico estava muito mal, agonizando. Pediu papel e caneta. Escreveu assim:

'Deixo meus bens a minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do padeiro nada dou aos pobres'.

Morreu antes de fazer a pontuação. A quem ele deixara a fortuna?

Eram quatro concorrentes.

1) O sobrinho fez a seguinte pontuação:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

2) A irmã chegou em seguida. Pontuou assim o escrito:

Deixo meus bens à minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.  

3) O padeiro pediu cópia do original. Puxou a brasa pra sardinha dele:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro. Nada dou aos pobres.

4) Aí, chegaram os descamisados da cidade. Um deles, sabido, fez esta interpretação:

Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do padeiro? Nada! Dou aos pobres.

Moral da estória:

Assim é a vida. Pode ser interpretada e vivida de diversas maneiras.

Nós é que colocamos os pontos. E isso faz toda a diferença!"

Fernando Paulo da Silva Filho - advogado em São Paulo - 25/6/2008

"Minha dúvida é relativa ao art. 1695 do Código Civil, que foi objeto de questão de português no 178º concurso da Magistratura de São Paulo. No referido artigo lemos:

'São devidos os alimentos quando quem os pretende não tem bens suficientes, nem pode prover, pelo seu próprio trabalho, à própria mantença, e aquele, de quem se reclamam, pode fornecê-los, sem desfalque do necessário ao seu sustento'.

Parece-me que há um erro no texto: a crase indevida precedendo 'mantença', já que prover é verbo transitivo direto. No entanto, o concurso considerou correta a alternativa que reproduzia a grafia constante do Codex. Não foi equivocada a resposta?"

Cristiane Sampaio Camargo - 26/6/2008

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram