quinta-feira, 22 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Opportunity

de 13/7/2008 a 19/7/2008

"Como é que ninguém desconfiou quando foi fundado o Banco Opportunity com esse nome: Opportunity? Opportunity significa, em inglês, exatamente, oportunidade, ocasião própria, ensejo. 'To miss the opportunity' quer dizer 'perder a oportunidade', o que ninguém quer, principalmente quem tem um banco que é o Opportunity, que vê oportunidades de negócios em todas as ocasiões, próprias ou impróprias, que ensejam bons lucros. A palavra 'crise', em chinês, é sabido, está composta de dois caracteres. Um representa 'perigo' e o outro 'oportunidade'. Às vezes, como agora, a oportunidade, que está ligada, lado a lado, ao perigo, leva à crise, às vezes difícil de enfrentar. Por falar em chineses, há um provérbio, também chinês, dizem: 'Os deuses não podem ajudar aqueles que não aproveitam as oportunidades'. Mas, ao que consta, ao menos da mitologia ocidental, até os deuses se cansam, e se irritam. Já Sêneca, que não acreditava muito em sorte, dizia que 'sorte é quando a capacidade encontra-se com a oportunidade'. E capacidade é o que não faltou ao capo do Banco Opportunity, há anos boiando, qual uma rolha, mesmo em mares agitados, no entra e sai de governos vários, não deixando escapar uma só oportunidade, seguindo o pensamento de Winston Churchill, por certo, para quem 'um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade, enquanto um pessimista vê uma calamidade em cada oportunidade'. Independentemente se o escândalo do mensalão, para o qual o Opportunity teve a oportunidade de colaborar com mais de R$ 152 milhões, ser uma calamidade para a nação brasileira, certamente representou uma ocasião própria, uma oportunidade de negócios para o banco, que não poderia ser desprezada. Mas, citando o Barão de Itararé, talvez o motivo de tanta indignação popular é que 'negociata é todo bom negócio para o qual não fomos convidados'. É que, com certeza, não há bons negócios para todos e, graças ao bom Deus, nem prisões suficientes. No entretempo, a cavalaria vem chegando. Cacciola está para desembarcar, recheado de hábeas corpus. Já vem sem algemas, que homem sério que é não se algema, principalmente enquanto a Daslu ainda não lançou seus punhos algematórios, um hit para a temporada de operações literárias da Polícia Federal que, agora, atingem a classe abastada brasileira. Ainda não se sabe a decisão do outro hábeas corpus, o de não se fotografado na chegada e o próximo, para não ser preso, está sendo preparado (já foi solicitada uma cópia do de Dantas). Os dois juntos estarão aptos a enfrentar o mundo que injustamente os agride. Mas, nos próximos dias, poderão explicar tudo nos programas do Jô e do Amaury Jr., antes de seguirem para Cap Cana. Até aquela moça que vivia nos States e foi no Amaury explicou tudinho, e foi aplaudida. Há quem diga que não, que aqui no Brasil a coisa vai ser dura. O Banco Central está até desconfiando de 'lavagem no Opportunity'. Pelo menos foi essa a manchete de hoje no Estadão. Parece que um funcionário do BC esteve na sede do Opportunity, surpreendeu uma servente lavando o hall de entrada e comunicou à direção do órgão em Brasília> lavagem no Opportunity. Até porque, fora isso, nada. Ninguém jamais desconfiou de nada. 'Oportunismo' é palavra derivada de oportuno, assim como oportunidade, e significa, segundo o Aurélio, a acomodação e aproveitamento das circunstâncias para se chegar mais facilmente a um resultado ou, também, 'o sistema político em que a tática principal é a acomodação às circunstâncias, a transigência adequada nos fatos e acontecimentos momentâneos, para a consecução de seus objetivos'. A conclusão é a de que se oportunidades foram aproveitadas pelo Opportunity, é porque existiam oportunidades, ou foram especialmente criadas ou abertas para ele. Se, agora, o ligam a 'oportunidades' aproveitadas – maracutaias e negociatas a bem dizer – há que ver o outro lado da moeda (moeda é bom, não?), quem estava do outro lado em cada uma das 'oportunidades'. Então, e só então, teremos a oportunidade de conhecer quem é quem nesse nosso Brasil, terra de grandes oportunidades."

Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL - 18/7/2008

"Não sei porque me veio a lembrança a velha frase 'A oportunidade faz o ladrão' que, em linguagem bilíngüe, poderia ser assim 'O Opportunity faz o ladrão'. Pois não ?"

Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL - 18/7/2008

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram