segunda-feira, 26 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Pensei que era piada

de 30/11/2008 a 6/12/2008

"Mas, ao receber a notícia abaixo, com placa e tudo, tive que aceitar que existe o lugar que, até então, acreditava fosse totalmente imaginário, coisa só para ofender desafetos. Na verdade, sempre tive uma idéia que, se existisse, deveria ser mais longe, bem mais longe. Só não sei como se chama quem nasce lá. Agora, essa história da placa dizer ‘seja bem-vindo’, sei não.

Se você mandou alguém para esse lugar, saiba que pode agora encontrá-lo. Fica na cidade de Bela Vista de Minas.... Perto de João Monlevade/MG! Em Bela Vista, uma cidadezinha cercada de mato no interior de Minas Gerais, claro no Brasil, e uma grande surpresa. Um dos bairros tem esse nome... Acredite se quiser! O município de Bela Vista de Minas foi criado pela Lei nº 2764, de 30 de dezembro de 1962, desmembrando do município de Nova Era (New Era City), declarando naquele momento, às margens do Córrego do Onça a Independência de Bela Vista de Minas. A cidade é divida em 7 bairros, Bela Vista de Cima, Lages, Serrinha, Córrego Fundo, Favela, Puta que pariu, e Boca das Cobras. (Clique aqui)

Bem, mas se esse lugar for mentira, já que a internet está repleta de montagens e de notícias falsas, o restaurante (clique aquiexiste mesmo. Só não sei se é bom. Ou se é bom ir comer lá."

Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL - 1/12/2008

"Nobilíssimo redator:acerca da existência do distrito de Puta Que Pariu, pertencente à Bela Vista de Minas,relatada na migalha postada pelo sempre presente dr. Wilson Silveira, pus-me a refletir. Deve ser um lugar, no mínimo, aprazível. Para não sê-lo, mister far-se-ia que, na placa indicativa do afamado bairro fosse encontrado o pronome o. É que, aí sim, seria ofensivo para alguns, pois o visitante, ou mesmo o ali radicado (quem sabe, um 'putense') poderia entender que o pronome fizesse referência a si próprio: o pariu. Lá em Santa Rita do Passa Quatro, rincão paulista coalhado de italianos, onde nasci, a gente sempre recomendava aos inoportunos que fosse a tal lugar. Na verdade, entendíamos estar diante de um advérbio de lugar, já que 'quem vai, vai para algum lugar'. Então tínhamos o advérbio de lugar específico, como seja: 'Vá para a ...que o pariu' e o genérico, sem o pronome o, para todas as outras ocasiões. Não, lá em Santa Rita não é mais assim. Minha geração, que mandava e era mandada, está longe, quem sabe a caminho da provinciana Bela Vista de Minas... Hoje em dia o sujeito nem aguarda sugestões, e numa total desfaçatez, vai para esse tal lugar, e, quando se percebe, já voltou. Quanto volta, é claro. Uma coisa é certa, caro sr. redator e prezadíssimo dr. Wilson:tem tanta gente sendo mandada pra lá que, se resolverem ir, estaremos diante de um novo êxodo. Hoje mesmo, no caótico trânsito paulistano, uma moça, pasmem, na falta de mais o que fazer, olhou de um lado, olhou de outro e brindou-me, de inopino, com a já famosa sugestão imperativa. Estou, sinceramente, considerando a possibilidade da viagem."

Alfredo Martins Correia - escritório Colonhese Sociedade de Advogados - 3/12/2008

"Caro dr. Alfredo: alvíssaras pelas notícias e o fato de haver em Santa Rita do Passa Quatro tanta gente boa. Como, se bem me lembro, o ator José de Abreu. Ou os corretíssimos e próceres do caráter que são os Brant de Carvalho lá do Taquaral. Meu tio, pelo lado materno, Marcos Nogueira Garcez, foi lá Juiz e deixou e trouxe lembranças inolvidáveis, que levou consigo para o céu. Aqui de Lisboa, longe desta toda azáfama sobre o nome do bairro, presto minha homenagem a Santa Rita do Passa Quatro. Abraços."

João Garcez Ghirardi - 5/12/2008

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram