domingo, 25 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Migalheiros

de 7/12/2008 a 13/12/2008

"Na Rota de Marte

Ó Vastidão de areia

Gás carbônico inalado

Estou todo sufocado

O Véu do ocre azuleia

O Frio agoniza a matéria

Poeira de gelo a esfarelar

Verde ou azul a complicar

Abstrata, vapor da artéria.

Monte Olympus a contemplar

Cânions da futura geração

Crateras horríveis no chão

Fossas de um mundo a passar

Gipso argiloso e ligeiro

O Meu guia a alertar

Estratos de sulcos a cortar

Água passa fica o cheiro

Altura que perdi

Na órbita ao girar

Meu guia a contar

Coisas que nunca vi"

Luiz Domingos de Luna - 8/12/2008

"Professores dos novos tempos

Mestres já não existem.

A decadência é geral

Incompetentes persistem

Impondo domínio total.

Técnico de futebol agora

É chamado professor

E a imprensa colabora

Endeusando treinador.

Mal formado em Direito

O bacharel hoje em dia

Faz questão do tratamento

DOUTOR – que ironia!

Tese alguma defendeu

Jamais concluiu mestrado

O mundo enlouqueceu

Ou eu estou superado.

Por estas tantas e outras quantas, considero oportuníssima a frase: 'Parem o mundo. Eu quero descer'."

Lazaro Jose Piunti - 9/12/2008

"O veterano e amigo advogado Celso Fontenele publicou no Globo de 8/12 uma nota de seu escritório, fundado há cem anos por seu saudoso pai, do mesmo apelido, e perpetuado até hoje por ele, Celso, e dois de seus filhos. Surpreendeu-me sobremaneira o acréscimo ao nome de seu filho Paulo - como o pai, antigo conselheiro da OAB/RJ e diuturna militância no foro carioca -, que li com lágrimas nos olhos: 'in memoriam'. Quer dizer, o ainda jovem Paulo Fontenele então já faleceu? O Celso corria serventias, cartórios e varas em sua Vespa, por ele mesmo pilotada, não faltando, nem o filho, às sessões da OAB. Não sei se posso compartilhar com os migalheiros minha surpresa e minha saudade pela tremenda notícia daquela ilustre família, algo que me dá a consciência de quão passageira é esta vida."

Antônio Carlos de Martins Mello - 9/12/2008

"Ao ler em Migalhas o poema do Lazaro Jose Piunti,houve por bem analisar o que o migalheiro disse quanto aos bacharéis. Há equívoco em chamar de doutor os bacharéis, haja vista que esse título deve-se a um ato de D. Maria I, Rainha de Portugal e Brasil, dando-o aos advogados e Bel. não é advogado. Aliás esse título 'doutor' é mal usado porque na sua origem deve-se no latim àqueles que ensinam, não aos que completam mestrado e doutorado; como disse o poeta; e também os médicos, não detentores de doutorado usam-no indiscriminadamente, e (diga-se de passagem) não fazem exame nenhum para serem médicos, a não ser o diploma de faculdade, o que é um absurdo. E não é só, vejo inúmeras carreiras dizerem-se doutores, logo o título generalizou-se. Pelo menos, os bacharéis são obrigados hoje a prestarem exame na OAB para usarem-no, serem advogados; mas só eles, as demais carreiras não. Em suma,usam indevidamente."

Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP - 10/12/2008

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram