terça-feira, 20 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Migalheiros

de 4/1/2009 a 10/1/2009

"Não posso ver o Luna solito!

Não sou um Mano Meira, um Preá, um Ontõe, um Francimar, e muito menos um Adauto, o grande Mestre de nós todos, sou, ... apenas um mero recrutador de lembranças perdidas, ...

Ou, ...

reunindo a tropa grande das minhas mais ternas lembranças, dou rédeas e esporeio a Pampa desde o oceano até o Andes, ...

para desejar um reinicio de ano, ...

com muito pasto e água boa, ...

pra agasalhar e engordar a tropa, ...

repontando todos pra invernada, ...

com lenha seca, ...

churrasco gordo, ...

e bom abrigo, ...

até que o Minuano sopre sobre a invernia dos anos, ...

e dobrando a quincha do rancho, ...

venha reclamar nossa estadia, ...

pedindo varredura, viração, ...

e passagem, ...

para as tropilhas de agosto, ...

mas enquanto ela não chega, ...

o jeito é bancar na rédea, ...

revisar os ferros, ...

e ir tocando a tropa, ...

farejando pastos, ...

e água boa, ...

que segundo o Jayme, ...

'o veterano da planura sempre acha'.

Cordiais saudações!

p.s.: espero que o Mano Meira, compareça com as 'Tropilhas de agosto', ... ou outra do seu manancial, que julgue apropriada.

certito e firme nos bastos, ...

boleando a perna por cima, ...

com a china na garupa, ...

subindo sertão acima,

cortando guampa e crina, ...

surrando macho a facão."

Cleanto Farina Weidlich – migalheiro, Carazinho/RS - 5/1/2009

"Aurora, uma janela para o céu

Pedi permissão ao tempo

Nas asas do pensamento

Voando vai minha ilusão

Pelos caminhos obscuros

Da minha história esquecida

Momentos de vida vivida

Na mais linda sedução,

Pois ainda em tenra idade{...}

Deixei minha cidade na construção do meu futuro,

Sonhei, lutei, na selva humana,

ganhei o meu troféu de herói,

construi minha cabana tenho o meu transporte

meu trabalho é o suporte da minha vitória suada,

Neste pais eu andei, ralar como eu ralei, lutar como eu lutei dia e noite, noite e dia, busquei no íntimo de minha alma, a estabilidade sonhada

Na poeira de uma estrada que ainda hoje percorro.

Hoje vivo nas metrópoles, nos mais diversos lugares,

Adquiri meu espaço com a força da determinação do aço,

Já me vi em pedaços, mas hoje a minha força é a vitória do que faço.

Consegui o que queria numa luta bem renhida,

Luta que se renova no amanhecer a cada dia.

Sou um aurorense firme, tenho a minha própria história

Na janela da memória vivo a minha própria emoção

Em ver minha querida cidade respirar o hálito oxigenado,

Que ao mundo me trouxe a luz, na grandeza do momento,

Em meu apartamento a lembrança me seduz,

Do rio salgado, as cachoeiras, na beleza de nossa feira,

Do caldo de cana ao aluar, da tapioca ao beiju

Do melaço da rapadura ao canto do sabiá,

Naquelas noites estreladas os fogos, reisado,

O apito do trem, as missas bem demoradas,

As renovações bem tiradas, as serenatas cantadas.

De manhã a passarada num canto de louvação.

Aquelas horas batidas no sino bem compassado, era sinal de finados,

Ou o repique tocado de um anjinho que ao céu subiu,

Todos para a ABA numa inocência fecunda

Tinha quadrilha, arrasta pé, ao som de uma vitrola, era uma festa junina,

Tinha bandeira, tinha roça, tinha quermesse, e quadrilha, broa de milho, quebra-queixo, pão de ló, tinha desfile.

Nesta janela, eu vivo o tempo que não passou, pois ser aurorense é preservar a sua história.

Guardar no canto da memória o seu lindo e singelo amor,

Um amor a toda hora, que em todos nós aflora o cheiro forte e polido."

Luiz Domingos de Luna - 5/1/2009

"Neste País, democracia,

É simples, vã palavra,

Que esconde a hipocrisia

dos que visam o poder:

participar da mamata;

É que se vê, hoje em dia:

No lugar da tirania! ...

Vejo muitos , dentre esses,

que se dizem democratas,

Que não pensam na chibata,

Ou punição, só porém,

Pros outros, não pra si mesmo,

ou cúmplices baderneiros :

Políticos contumazes,

Que só visam os direitos

Deles, e de seus sequazes...

Resultado, é o que vemos,

A baderna no País:

Há leis, mas não as respeitam

Se não há autoridade,

Pra fazê-las respeitar;

Ignoram a punição,

Sabendo que elas prescrevem,

Basta apenas ter dinheiro:

E que a pena, se aplicada,

Certamente será leve:

Cadeia, ou pra inocente,

Ou ladrãozinho barato;

Ou então pra grafiteira,

Que se comprova com o fato,

Da Carolina Pioveta

da Mota, que se atreveu

Manifestar seu protesto,

Na Bienal, e mais de mês,

Acabou prisioneira... 

Indo às praias da Nação:

Há limites, há distância,

Na lei, pois há restrição:

Para os jet-skis ou lanchas,

Pra respeitarem banhistas;

O mor direito, às vidas;

Vimos, então, um estrangeiro,

Julgando sê-la respeitada

Pretender nadar sossegado;

Resultado: perde a vida

Nas mãos de um celerado;

Não por se ter- afogado,

Mas por ser atropelado...

Olhe, aviso, minha gente:

É bom tomarmos cuidado

pois do jeito que vão os crimes,

sem ter quem as leis aplique,

com a punição devida;

surgirá um novo líder

um desses, enganador,

Qual Messias salvador,

Qual milico, no passado;

e a emenda democrata

será pior que o soneto,

e a liberdade sonhada,

voltará às vãs calendas,

pra recordamos na história,

de um passado sem glória.

Régulus Ponte Grande  - pseudônimo de,"

Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP - 5/1/2009

"Cleanto (Pra escutar 'solo' o Argentino Luna).

Vamos ao trote desses irmãos de Clinas.

Amadrinhando a tropilha dos anos,

Meu flete pastor tostado,

Arrebanhou para o meu costado,

Gatiadas, negras e tobianas,

Mouras, baias-rubicanas,

Com visões de futuro incerto,

Sigo rumbiando pelo campo aberto

Nessa potreada de desenganos.

Com o tempo já gasto

Ao trotear dessa tropilha,

De coxilha em coxilha,

Sem rumo certo nem norte,

Buscando mudar a sorte,

Que é o que se espera,

Embora o fim seja a tapera

Nesse jogo indecente,

Que o índio até sente

Como quem fareja o fogo,

Que a vida sempre tem um jogo

Que mata o jogo da gente."

Mano Meira - Carazinho/RS - 7/1/2009

"'Vinho em cascata,

da própria Cascata,

na platana escorado,

c'os pés amassado,

os corpos suados,...

Garapiá tem muita uva,

nos seus baixões cultivada,

chuva e enchente,

terra arrasada.

Laranja d'umbigo,

quebrando galhadas,

no horizonte lembranças,

da Tribo Caiçara, Tupi e

Guarani, ...

Chão de areia,

morro de pedra,

mato fechado,

com rio do lado.

Abelhas mansinhas,

melando colméias,

voando e zunindo,

flores e sonhos.

A safra é agora,

vou logo dizendo,

colheita e fermento,

até que o Minuano,

em forma de vento, ...

Chegue anunciando,

estourem a pipa,

chamem o Padre,

pra prova e a benção,

da nova vindima, ...

Corre a notícia,

deu vinho encorpado,

Bordô cortado com Isabela,

assim meio a rumo, ...

É puro veludo,

não arde na goela,

macio e aromático,

nem puxa madeira,...

Bufam as pipas,

suadas, maduras,...

queijo e salame,

silêncio, promessas e juras, ...

Magia completa,

chegam fregueses e amigos,

farejando os boatos, ...

prova, brinde e entrega.

Em pouco tempo,

só pro ano, ...

sinto muito, ...

com permisso do Garapiá, ...

trabalhos dobrados,

ano que vem tem mais.'

(a Cascata do Garapiá, fica no município gaúcho de Maquiné, adiante do local denominado de Barra do Ouro, distante aproximadamente 60 quilômetros da praia de Capão da Canoa e 170 de Porto Alegre, nas costas da 'morraria' que ficou famosa na filmagem da 'Casa das Sete Mulheres', os grandes cânions do Itaimbezinho, um lugar para ser visitado, com direito a experimentar o vinho, o mel, do doce de leite colonial, o pão de milho, ... que os pequenos agricultores da região produzem e vendem aos turistas e curiosos, como eu. Tem ainda possibilidade de hospedagem em hotéis fazenda, com direito a explorar e curtir os rios, corredeiras e cascatas que se espalham entre os morros, formando uma hidrografia muito rica. Curiosidade. Se chove de pancada, mesmo no verão, os turistas são alertados a deixar rápido alguns locais, pois os rios e córregos transbordam rapidamente, com a água que desce dos morros, e podem impedir o retorno). Cordiais saudações!"

Cleanto Farina Weidlich – migalheiro, Carazinho/RS - 8/1/2009

Que o ipê sempre me inspire! Que nenhuma pedra ou rocha me desmobilize o ânimo, A fé e a coragem pra continuar. Que o ipê sempre me inspire! Que nenhuma indiferença da Vida, nenhuma negligência, ingratidão faça dos meus propósitos me afastar. Que o ipê sempre me inspire! Que nada me pareça difícil ou inatingível, impossível de alcançar, Sem antes tentar...tentar... e tentar. Que o ipê sempre me inspire! Que mergulhar fundo em cada sonho, vale não só pelo seu atingimento, mas, e muito, pelo fundo mergulhar. Que o ipê sempre me inspire! Que eu seja obstinada como ele, que não esmorece, não desiste, mesmo quando a natureza está a lhe faltar. Que o ipê sempre me inspire! Que eu valorize cada grão de chance, cada fresta de luz, cada fio de esperança, sem nada perder... nada desperdiçar. Que o ipê sempre me inspire! A não ser só raiz, caule e folhas, sem nada mais ter na fronte, nas mãos, pra oferecer, pra ofertar... Que o ipê sempre me inspire! A fazer tal como faz ele, que devolve, em flores e mais flores, q gota d’água escassa, que na estiagem, em solo árido, bem no fundo, bem fundo, vai buscar."

Mércia da Conceição Fernandes - 8/1/2009

"Ao Mano Meira: Não é necessário esperar o agosto, para compartilhar com os nossos amigos em Migalhas, ... as suas tropilhas. Então, te arremanga e vem paisano. Cordiais saudações!"

Cleanto Farina Weidlich – migalheiro, Carazinho/RS - 9/1/2009

"Senhores, há alguns anos publiquei um artigo nesse Portal sobre a Resolução nº 71, de 2005, sobre o crédito-prêmio de IPI. Eis que o assunto ressurge no Congresso, capitaneado pela senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO), com quem trabalhei até o ano de 2008. A respeito do assunto, destaco a emenda nº 28, apresentada à MP 449, de 2008, de autoria de Sua Excelência. Forte abraço."

Fabricio da Mota Alves - 9/1/2009

"Bom dia, adoro sua matérias principalmente quando se trata de pós-graduação, emprego e atualidades jurídicas, mas que pena que a maioria das escola e sorteios são para São Paulo, pois como moro e trabalho em Minas ou seja Ipatinga o máximo que posso ir é até Belo Horizonte, mas mesmo assim sucesso em 2009 e continue assim com excelentes matérias. Atenciosamente."

Geyza Oliver - 9/1/2009

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram