quarta-feira, 21 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Artigo - Feriados em 2009

de 8/2/2009 a 14/2/2009

"Feriados de 2009 (Migalhas 2.079 - 6/2/09 - "Calendário" - clique aqui). Tendo em vista a recorrente manifestação contra os feriados, gostaria de ponderar, embora com ênfase, que a visão estreita de combate aos feriados é perniciosa e retrógrada. Em primeiro lugar, os feriados se constituem, ao contrário do que se afirma, num desafogo da atividade das grandes cidades, é verdade. Contudo, há um incremento de 'vida', nas regiões que, de outra forma, não teriam qualquer expressividade maior da atividade econômica. Além disso, os 'retirantes' das grandes cidades, só flagrados nos feriados, usam seu tempo para lazer e diversão, 'entornando' nesses lugares uma relevante parcela de sua poupança, porque é nessas cidades que encontram um momento de redução das tensões semanais do trabalho. Seria interessante que os 'combatentes' contra os feriados se voltassem para os estudos que ocorrem no seio da Comunidade Européia e de alguns países da Europa, para que constatassem a importância e a relevância dos feriados e das chamadas pontes (faire le pont, uma tradição francesa, cujo significado é ne pas travailler entre deux jours fériés ou chômés). O reconhecimento da importância destas ausências se encontra, só para exemplificar, no fato de que normalmente em fevereiro, 'quebra-se' o ritmo de estudos, a fim de que a Família possa usufruir da atividade feita sobre a neve. Na época do verão, por outro lado, 'desligam-se' os países, a fim de propiciar as seus Cidadãos o prazer do ócio acalentador, aquele que dá cor à vida e à pele. Seria muito mais estimulante preocupar-nos com a produtividade de um dia de trabalho que nos ligarmos na quantidade dos dias trabalhados. Aquele que produz num dia o que sua motivação plena, pela perspectiva de um ócio alguns dias depois, pode permitir é muito mais útil que aquele que tiver que trabalhar 300 dias por ano, sob a pressão dos mercados, das metas de produção ou dos prazos se vencendo, com evidente desmotivação."

Pedro José F. Alves - 9/2/2009

"Caro Migalheiro Pedro, muito interessante a tua reflexão sobre os feriados. Então precisamos de mais feriados em nosso País, certo ? E a França deve ser modelo a ser seguido ? precisamos do ócio ? Alexandre de Morais."

Alexandre de Morais - 10/2/2009

"Caro migalheiro Alexandre : o que precisamos não é do ócio, afinal, já temos feriados demais no país. O que realmente precisamos é de uma política tributária decente, que não faça com que trabalhemos metade do ano apenas para pagar impostos, e políticos que não trabalhem apenas 1/3 do ano para poder receber a maioria do montante que pagamos com nosso trabalho!"

Daniel Consorti - 11/2/2009

"Caro Alexandre. Senti no seu 'ócio' a expressão da preguiça, a moleza, a malandrice. Mas o 'meu ócio' é aquele determinado pela folga, pelo repouso, depois de dias de trabalho com produtividade. Não, não quero que ninguém copie a França. Mas gostaria que copiássemos, com inteligência, aqueles que entendem a importância da produtividade nas cidades grandes e nas cidades pequenas, nos dias úteis, nos feriados e nos sábados e domingos, cada um a seu turno e a seu tempo. E, para concluir, há gente séria que afirma que melhor seria o ócio de Brasília que a atividade predatória que lá se pratica!"

Pedro José F. Alves - 12/2/2009

"Caro Pedro, entendi. Agora realmente Brasília em feriado causa menos prejuízo ! Aqui na ponta, no chão da fábrica, percebemos o quanto é duro explicar para pequenos empresários os feriados. Ele desembolsa o que não tem para pagar os empregados e a sua produção fica parada. No ramo de pequenas oficinas de costura, por exemplo, ele luta contra aquelas oficinas de porão, carregadas de imigrantes ilegais, que não fazem feriado e não recebem sequer o piso salarial. Como disse outro ilustre Migalheiro, o problema mesmo é o quanto o Governo leva do bolso de todos nós, dias úteis ou feriados. pensando bem, os dias pagos em impostos seriam dias inúteis ? Abraços (Migalhas 2.079 - 6/2/09 - "Calendário" - clique aqui)."

Alexandre de Morais - 13/2/2009

"Caro Alexandre. Vejo, agora, que não se trata de polemizar. Seu enfoque, com a devida vênia, não tem qualquer relação com a questão dos feriados. Sua revolta é contra uma política migratória, sob todos os enfoques lamentáveis, desastrosa, mas também contra uma política fiscal sufocante e destrutiva, voltada exclusivamente para a coleta de recursos para o Tesouro, a fim de que o insaciável poder em exercício possa fazer as distribuições que lhe permitirão perpetuar-se. Só gostaria de lembrar-lhe que essa política não começoucom o atual poder, mas com o anterior, de quem o atual copiou e copia os usos e costumes!"

Pedro José F. Alves - 13/2/2009

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram