sábado, 24 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Férias no Alvorada

de 9/1/2005 a 15/1/2005

"Do deputado Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) sobre as fotos das férias dos amigos de Luís Cláudio, filho do presidente Lula, no Palácio do Alvorada, publicadas ontem: "- É a primeira das parcerias público-privadas prometidas pelo presidente"."

Iracema Palombello - 10/1/2005

"Diante dos últimos imbróglios dos republicanos petistas (AeroLula, Lula's Travel, Lula's Resort, Lula's Wine Spectactor) conclamo os intrépidos e intimoratos migalheiros a seguirem o conselho do poeta Manuel Bandeira que, em situação extrema, proclamava "a única coisa a fazer é tocar um tango argentino". Este humilde e desajeitado migalheiro sugere que cantemos, juntos, alguns versos de Cambalache: "Que falta de respecto, que atropello à la razòn". Ah, por favor, magnífico Diretor de Migalhas, não esqueça de convidar os jovens amigos do filho do Príncipe ora reinando no Alvorada, autores dos textos das fotos que ilustram a matéria, para organizarem um Seminário de Comunicação na Língua Portuguesa. "Nóis merece"."

Alexandre de Macedo Marques - 10/1/2005

"Assim como os amiguinhos do filho do presidente, nós, Operadores do Direito, não devemos esquecer dessas férias nunca, sob pena da paulatina destruição do Estado de Direito."

Rodolfo Luiz Maderic Richardo - 10/1/2005

"É realmente de deixar em pé nossos cabelos (os poucos que nos restam) a esbórnia acontecida em julho de 2004, quando nós, o povo, patrocinamos (sem saber) as férias dos amiguinhos da família "Da Silva" nas dependências do Palácio da Alvorada, Granja do Torto, entre outros, com pacote fechado, incluindo passagens, traslado aeroporto "hotel", refeições, etc. É de arrepiar nossos (já poucos) cabelos, especialmente quando se sabe que esse governo que aí está foi eleito pregando a (i)moralidade na administração pública. Onde ficam as promessas? Talvez aí esteja a justificativa para o injusto, abusivo e absurdo aumento da carga tributária perpetrado ao apagar das luzes de 2004. Afinal os cofres da Viúva devem ser abastecidos para arcar com tais liberalidades. Daí que concordo com o migalheiro Henrique Mourão: onde está o combativo e orgulhoso Ministério Público que se cala e se omite nessas horas? Cobremos todos, pois já não agüentamos mais."

Castor Amaral Filho - escritório Ronald Amaral Advogados Associados/ Gov. Valadares/MG - 10/1/2005

"Fiquei enjoado ao ver as fotos, mas só vomitei quando li que a "Secretaria de Imprensa do Planalto" não se pronunciou. Aquilo é obra de vagabundos e picaretas. E não foi o Lula quem um dia disse que no Legislativo só havia picaretas? Ensinando bem a seu filhinho, hein Presidente?"

Aluísio de Fátima Nobre de Jesus - advogado - 10/1/2005

"Parece exagero preocupar-se com as férias de alguns adolescentes. Melhor que estivessem lá do que hospedados na FEBEM. Há nisso uma ponta de inveja. Deixemos de ser mesquinhos e vamos doravante nos preocupar com assuntos significativamente relevantes."

Marilene Felix de Andrade - 10/1/2005

"O turismo nesta terra haverá de deslanchar, não podemos duvidar, pois nisso não se erra, ao ver além da serra, (no Planalto Central) um passeio bagual de corriola alvissareira com verba da algibeira da União Federal. Há os contra (maioria - povo) e os prós (cortesãos palacianos e corriola). Mas a propaganda é a alma do negócio."

Eldo Dias de Meira - 10/1/2005

"Concordo em parte com a migalheira Marilene Felix (Migalhas 1.084 - 11/1/05) quando diz ser um exagero ficarmos nos preocupando com as férias de um grupo de adolescentes quando, em verdade, deveríamos (bem como o MP) nos preocupar com assuntos mais relevantes. Não que eu seja a favor deste tipo de "turismo", ainda mais "patrocinado" da forma pelo qual nos fora exposto, porém há outros assuntos que certamente deveriam despertar maiores atenções, como por exemplo, o desempenho de alguns deputados, senadores, ministros..."

Maria Angela Keiko Taira - escritório Ferraz & Cicarelli Advogados Associados S/C - Curitiba/PR - 11/1/2005

"Fiquei muito apreensivo com a migalha da leitora Marilene Felix, na qual alega que devemos deixar de ser mesquinhos em relação às férias dos amigos dos filhos do nosso ilustre Presidente e que as críticas na verdade estão eivadas de um fundo de inveja. Será que a Sra. (Srta.?) Marilene não está falando isso porque ela mesma teria sido parte da comitiva? Caso não, talvez ela não tenha analisado a questão com a propriedade que isso merece. Em primeiro lugar, alegar que as pessoas (ao que me parece grande parte do país) estão sendo mesquinhas, ela não considerou as pessoas que deixaram de ser atendidas pelo SUS por falta de recursos públicos (algumas até provavelmente morreram esperando), também não considerou outras que não têm escola decente para seus filhos (vide reportagens recentes sobre escolas sem material adequado para funcionamento) porque faltam recursos públicos e quantas pessoas não sofreram acidentes pela má qualidade das estradas, que não têm manutenção adequada por falta de recursos públicos. Será que estas pessoas estão sendo mesquinhas em criticar este fato? Eu arrisco dizer que não!!!! Felizmente não sofri problemas semelhantes a estes, mas desde já esclareço que não tenho qualquer inveja e nem ajo movido por qualquer sentimento de mesquinharia, pois sempre pago minhas férias do meu bolso e com prazer, e com certeza não tenho a menor intenção nos próximos anos de passar férias na companhia de nosso ilustre Presidente, sua distinta esposa e generosa família. Más, não posso deixar de criticar o fato, baseado no basilar princípio de que cada governante é responsável por garantir a correta e adequada utilização de verbas públicas. Não se esqueça, Sra. (Srta. ?) Marilene, que todas as despesas com o avião presidencial, com o palácio do planalto e a granja do torto são provenientes do erário público. Isso me faz crer que houve uma mal versação de verbas públicas e as autoridades competentes, seja do judiciário, do legislativo ou do executivo devem buscar a aplicação da lei, doa a quem doer, pois a Justiça não é cega por acaso, mas sim porque a lei deve ser aplicada sem distinção, mesmo que seja o Presidente da República ou sua família. Muito me espanta que o PT, partido que sempre pregou a boa versação de verbas públicas e tanto incomodou os Ministros de outros governos com despesas de viagens particulares (o que está corretíssimo), agora acha isso muito natural. Se quisermos ser um país sério, devemos ser sérios também. Lamento que algumas pessoas, como a Sra. (Srta. ?) Marilene, não consigam perceber isso e, mais ainda, perceber que esse tipo de atitude e reações como as dela nos afastam da tão sonhada figura, ainda não atingida, do ESTADO DE DIREITO."

Fábio Luiz da Câmara Falcão - Diretor Jurídico da Brascan Energética S. A. - 13/1/2005

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram