Leitores

$$$

3/11/2008
Vanderlei Avelino Rodrigues

"São situações injustas brigando (Migalhas 2.017 - 31/10/08 - "$$$" - clique aqui): de um lado, os bancos ganham muito com a protelação dos processos, pois os juros que pagam para litigar são muito menores do que o que recebem vendendo dinheiro; de outro, o ente público só paga (se paga) por meio de demorado precatório."

AIDS

4/11/2008
Conrado de Paulo

"Alvissareira a notícia que certos segmentos católicos do Brasil preferem distribuir camisinhas a deixar que os fiéis corram o risco da Aids. Pensando antes na saúde dos fiéis que no dogma estrito do Vaticano. Parabéns!"

Alimentos gravídicos

6/11/2008
Fabricio Ferreira Neves

"'Os alimentos de que trata esta Lei compreenderão os valores suficientes para cobrir as despesas adicionais do período de gravidez (...) inclusive as referentes a (...) assistência médica e psicológica, exames complementares, internações, parto' (Migalhas 2.021 - 6/11/08 - "Gravidez" - clique aqui). Cabe a pergunta: o SUS não serve justamente pra isso? No Brasil, teoricamente, a saúde não é bancada pelo Estado?"

8/11/2008
Mauricio Pedrosa

"Esse novel diploma reflete a 'Segurança Jurídica" reinante em nosso país ! Deus nos proteja ! (Migalhas 2.021 - 6/11/08 - "Gravidez" - clique aqui)."

ANDT

7/11/2008
José Augusto Rodrigues Jr. - escritório José Augusto Rodrigues Jr.

"O Desembargador Valdir Florindo com certeza mereceu a eleição e quem mais ganhará é a própria ANDT (Migalhas 2.021 - 6/11/08 - "ANDT"). Um profundo conhecedor do Direito do Trabalho, que muito nos ensina com seus votos no TRT da Segunda Região. Preside com maestria a E. 6ª Turma do Segundo Regional. No entanto, como ninguém é perfeito, tem preferência por aquele time 'verdinho'... Parabéns ao nobre Desembargador e parabéns principalmente à ANDT que passará a contar com um culto jurista em seus assentos."

Artigo - A menina das balinhas de café

3/11/2008
Maria Aparecida da Costa

"Quero parabenizar o magistrado Gerivaldo Alves Neiva pelo brilhante texto  (Migalhas 2.017 - 31/10/08 - "No semáforo" - clique aqui). Gostaria de ter essa facilidade para escrever e expressar uma idéia de maneira clara e envolvente."

3/11/2008
Aurelio Mendes de Oliveira Neto - advogado do escritório Aurelio Carlos de Oliveira

"Simplesmente magnífico o texto de Sua Excelência Gerivaldo Alves Neiva (Migalhas 2.017 - 31/10/08 - "No semáforo" - clique aqui). Suas reflexões irão ajudar o leitores a se tornar pessoas mais completas. Brilhante."

3/11/2008
Abílio Neto

"Creio que após a leitura deste texto (Migalhas 2.017 - 31/10/08 - "No semáforo" - clique aqui) um representante do liberalismo econômico, defensor intransigente do individualismo e do Estado Mínimo, diria o seguinte: a menina das balinhas é uma fracassada! Deveria estar era num bom colégio, passar no vestibular da USP, graduar-se em Administração de Empresas e criar depois a sua própria loja de venda de balas. Já um socialista utópico perguntaria: como é que esse capitalismo de papéis financeiros sem lastro, de gente hipócrita que quer aparentar o que não é, que cria monopólios e oligopólios embora defenda a liberdade de mercado, pode eliminar ou amenizar uma desigualdade social como essa? Quem tiver uma boa resposta que não morra calado!"

6/11/2008
Almir Sani Moreira

"Fiquei impressionado com a sensibilidade do Excelentíssimo Senhor Juiz, Doutor Gerivaldo Alves Neiva, da Comarca de Conceição de Coité, na Bahia (Migalhas 2.017 - 31/10/08 - "No semáforo" - clique aqui). Essa formalidade não é mero protocolo, mas a forma que encontrei para demonstrar a minha admiração pelo texto de grande qualidade literária e profunda sensibilidade frente aos problemas brasileiros, com os quais nos deparamos constantemente em nosso cotidiano. E muitas vezes não percebemos a extensão daquilo que vemos. O cotidiano, as notícias nos jornais e TVs, nossos problemas, aos poucos vão nos tornando embrutecidos ou, no mínimo insensíveis; procuramos estabelecer uma distância segura, não necessariamente física, da maioria das pessoas com que interagimos no correr do dia. É só alguém vendendo alguma coisa no semáforo! É só um camelô a mais na calçada! É só mais alguém pedindo uns trocados! É só isso, nada mais! E como nada mais foi dito nem lhe foi perguntado, encerra-se o assunto... E dorme-se com a consciência tranqüila, ou ao menos amortecida. O Doutor Gerivaldo viu uma poesia! Ainda que fortemente influenciada por sua formação, sua profissão, seu mister, mas uma poesia, como diria um baiano tradicional, 'porreta'! Seria alma de poeta na mente de um operador do direito? Seria o ideal que nos deveria mover a todos se manifestando na forma mais plangente? Alguém pode achar que poesia é futilidade, mas não, na verdade é uma espada em vigorosa e hábil mão; espada que se transmuta em arma ainda mais poderosa, a pena! Esse texto da lavra do Doutor Gerivaldo nos faz acordar, nos chacoalha, nos obriga a refletir sobre o porque de nossa existência. Ruy Barbosa, Jorge Amado e tantos outros devem estar orgulhosos! Peço Vênia ao Nobre Magistrado: Parabéns Excelência por esse belo texto, e muito obrigado por nos ajudar a abrir um pouco mais os olhos, e a cabeça também. Se um dia eu for a Conceição do Coité, ou aonde quer que Vossa excelência se encontre, quero ter o prazer de cumprimentá-lo pessoalmente."

Artigo - Bancos quebrando

4/11/2008
Rafael Rodrigues da Cunha Paiva - Caixa Econômica Federal

"Como sempre, a articulista tenta aterrorizar a classe média, invertendo o sentido da frase do Ministro Mantega e criando uma sensação de insegurança quanto à solidez do sistema bancário brasileiro (Migalhas 2.019 - 4/11/08 - "Quebra ou não quebra ?" - clique aqui). De quebra, dá mais uma paulada no governo federal e ainda diz que os bancos praticam agiotagem."

Artigo - Bate Outra Vez

3/11/2008
Jucelino L. Freitas

"Parabéns a Migalhas por permitir ao Vidigal tirar o Cartola da Cartola (Migalhas 2.016 - 30/10/08 - "Cartola -100 anos" - clique aqui). 'Bate outra vez, a esperança em meu coração...' Saudações,"

Artigo - Comentários ao Projeto de Lei nº 4.019/08

3/11/2008
Luiz Antonio Scavone Junior - Advocacia Luiz Antonio Scavone Junior

"Os comentários do dr. Renato de Melo Almada que acabo de ler, com todo respeito que merece o autor, não demonstram o melhor entendimento do instituto da arbitragem, de suas premissas e alcance (Migalhas 2.016 - 30/10/08 - "Arbitragem - Direito da Família" - clique aqui) . Certo é que o referido projeto foi sugestão minha. Todavia, não é possível concordar com as respeitáveis razões dos comentários. Senão, vejamos as críticas que podem ser extraídas e as nossas considerações: A arbitragem é uma faculdade das partes e não uma obrigação: Não se eliminará o Judiciário. Se as ‘classes menos favorecidas’ não entenderem conveniente a arbitragem para resolver seu litígio, poderão buscar a tutela jurisdicional estatal. A arbitragem, no caso, nascerá de uma convenção entre os cônjuges que, por manifestação de vontade livre e consciente, elegem um árbitro para resolver suas diferenças no compromisso arbitral. Aliás, afirmar que somente os mais esclarecidos farão o uso da nova sistemática e, por esta razão, o projeto não serve, é odiosa discriminação, inconstitucional em todos os sentidos. As separações judiciais são acompanhadas de outras medidas: A afirmação denota desconhecimento do direito arbitral. Uma simples análise da Lei n. 9.307/1996 demonstra que os árbitros são dotados de competência para deferir cautelares e antecipações de tutela, cuja efetivação competirá ao Poder Judiciário (art. 22 § 4º da Lei 9.514/1997). Os advogados levam a efeito a mediação: Ora, os advogados continuarão levando a efeito a mediação. Esse aspecto não afasta a arbitragem e a afirmação espelha ausência da necessária distinção entre os institutos da conciliação, da mediação e da arbitragem. Nesta, o árbitro decide o conflito e, sendo uma pessoa de confiança das partes, pensamos, decidirá com mais vantagens que o Judiciário em razão da pletora de feitos que o assoberba. De mais a mais, os advogados continuarão sendo chamados a atuar na arbitragem. A atuação do Ministério Público: Assim como na separação consensual, que hoje pode ser levada a efeito por escritura pública nas mesmas condições (sem a presença de interesses de incapazes e sem a participação do Ministério Público), na separação e divórcio litigiosos, nos quais não haja interesse de incapazes, se a opção for a via arbitral, a ausência do representante do Parquet, data venia, não trará qualquer prejuízo às partes. Portanto, essa questão resta superada, inclusive em razão da Lei 11.441/2007, no âmbito da qual foi enfrentada e admitida sem qualquer ressalva. Aliás, a experiência mostra que, neste ponto, de fato, a lide gira em torno do patrimônio. A situação diversa daquela enfrentada na lei 11.441/2007: Afirmar que não pertine a arbitragem posto que a situação é diversa daquela tratada na Lei 11.441/2007, representa completa desconsideração da Lei de Arbitragem (Lei 9.307/1996), bem como das suas premissas, notadamente quanto ao fato de a arbitragem decorrer de acordo entre as partes, não sobre o mérito, é verdade, mas sobre a forma de resolução do litígio. Ora, se as partes são livres para levar a efeito a separação e o divórcio por escritura pública, não havendo interesses de incapazes, com a mesma razão (onde há a mesma razão aplica-se o mesmo direito) podem acordar sobre a forma de resolução dos seus conflitos. Posta assim a questão, o STF, no famoso julgamento que empresta supedâneo à constitucionalidade da arbitragem, sustentou que se as partes são livres para transigir sobre determinadas questões, também podem decidir como estas questões serão resolvidas. Por fim, óbices processuais judiciais, são óbices processuais que não se aplicam, por esta simples razão, ao processo arbitral. Este, longe de ser empolado, demorado e traumático, pode levar à rápida e eficaz solução, sem os traumas que uma demorada pendenga pode gerar. Estas são as considerações que gostaria de fazer."

Artigo - Enfim, a crise... Enfim, a razão?

3/11/2008
Valéria Fantini

"Dr. Jorge, como sempre, brilhante em suas palavras (Migalhas 2.017 - 31/10/08 - "Capitulando o capitalismo" - clique aqui)."

Artigo - Magistrado, guarde este nome!

5/11/2008
Luiz Fernando Augusto

"Tristes tempos estes em que vivemos, em especial nós os mineiros. Foram-se os tempos de desassombrada coragem de um udenista da conhecida 'banda de música' para proteger um parlamentar sabidamente de esquerda. Foram-se os tempos em que o mesmo Adaucto Lúcio Cardoso teria proferido a célebre frase 'japona não é toga', para repelir injunções militares ao exercício da suprema judicatura (Migalhas 2.020 - 5/11/08 - "TJ/MG" - clique aqui). Agora 'celebra-se' a coragem na intrépida defesa do vil metal, talvez justo, talvez devido, mas mero metal que nada diz (ou diz demais) da alma dos Homens. É pena."

Artigo - Pré-sal

3/11/2008
Antonio Denis Rocha

"Senhores, ao ler o texto da dra. Vanessa Chistina Lacerda sobre a criação de empresa estatal para exploração do 'Pré-Sal' fiquei com a clara impressão de que o mesmo está truncado, confuso e superficial (Migalhas 2.017 - 31/10/08 - "Pré-sal" - clique aqui). Frustrante. Alguém discorda?"

Artigo - Terceirização e precarização do trabalho

6/11/2008
Kleber Borges de Moura - advogado

"O tema terceirização de serviços suscita uma série de questionamentos e dúvidas (Migalhas 2.021 - 6/11/08 - ""Terceirização e precarização do trabalho"" - clique aqui). Muitos deles decorrentes do emprego equivocado de conceitos e termos. A começar pelo próprio termo terceirização. Não existe terceirização de mão-de-obra regular, com exceção do Contrato de Trabalho Temporário, regulado em lei especial, o que existe é terceirização de serviços. Nossa legislação veda o emprego de qualquer ardil para camuflar as relações que devam ser protegidas pela CLT (Art. 9º, CLT). Assim se o contratante de serviços não quer o serviço em si, mas sim a disposição dos empregados da contratada (com subordinação jurídica destes para com a Contratante), estaremos diante de uma terceirização de serviços irregular, com a a caracterização de vínculo direto entre Contratante e empregados do Contratado. A jurisprudência trabalhista encontrou na verificação do tipo de atividade (se meio ou fim) terceirizada uma forma de balizar melhor aquela análise (vide En. 331 do TST). Mas tal análise na prática ou é muito difícil (algumas atividades ficam em zonas cinzentas: fim e meio) ou são inúteis (e.g., concessionárias dos serviços públicos de telecomunicações podem terceirizar inclusive suas atividades - fim - art. 94, II, LGT). O que importa verificar, na prática, insisto, é se há contratação dos serviços ou há contratação de pessoas, por interposta pessoa jurídica, na primeira hipótese regular a terceirização, na segunda, irregular."

Batman

7/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Localização da Província de Batman

Aí está Batman. Não, não é a localização secreta da Batcaverna. Esse é o mapa da Turquia e a parte verde indica a Província de Batman, que tem como capital a cidade com o mesmo nome, Batman. A província tem a extensão territorial de 4.671 quilômetros quadrados e uma população de 456.734 habitantes. Seu prefeito é Huseyn Kalkan que, recentemente, afirmou que os direitos de propriedade intelectual do nome Batman pertencem à cidade e que está estudando, juntamente com juristas da área, processos para levar aos tribunais empresas que usarem o nome em brinquedos e outros produtos sem permissão. A cidade de Batman existe desde o período neolítico, enquanto que o super-herói Batman nasceu apenas em 1939 nos EUA, o que dá folgada anterioridade à cidade com relação aos direitos sobre o nome, acredita o prefeito. Ao que parece, a briga vaio ser feia, já que só na cidade são 239 mil os Batmans que lá habitam."

Chuvas

4/11/2008
Armando Bergo Neto – advogado, OAB/SP 132.034

"A estrutura das cidades não está preparada para as chuvas desse final de ano. Entra ano, sai ano e as cidades ficam à mercê das chuvas torrenciais de verão. Ao que tudo indica, infelizmente assistiremos, mais uma vez, calamidades que serão noticiadas pela mídia. Imprescindível que o Poder Público corrija os problemas detectados durante os meses de estiagem, a fim de evitarmos perdas materiais e até mesmo humanas."

6/11/2008
Romeu A. L. Prisco

"No que se refere à cidade de São Paulo, para quem, como eu, a conheceu 'antes' e 'depois', não resta a menor dúvida que o problema das enchentes se deve, em grande parte, à impermeabilização do solo. Até mesmo o calçamento do leito carroçável, na base de paralelepípedos, era mais adequado ao escoamento das águas pluviais. Coisas do 'progresso'."

Circus

3/11/2008
Zé Preá

"(Circus 110 - 31/10/08 - "Última flor no laço" - clique aqui)
Não saquei porque o texto
tá muito fundo pra um Zé:
quando tava me afogando
eu voltei pra tomar pé
porque malandro é malandro
e Mané sempre é Mané!"

3/11/2008
Sérgio Aranha da Silva Filho - OAB/SP 63.138

"Gostei muito do texto referente ao corbunzel, esgarto e etc, na coluna Circus do Adauto  (Circus 110 - 31/10/08 - "Última flor no laço" - clique aqui). Sempre me atraí por palavras incomuns. Já vi em alguns processos, frases como: ...o réu antes dos fatos lia um opúsculo escatológico... catecúmeno em direito, o jejuno ex adverso obliptemperou que...transitava sinezífero e à sua dextra...o sistema vicariante veda...,etc. Confesso que do texto uso referenciado do também 'Garcense' dr. Adauto, demorei muito para localizar algumas palavras e muitas não consegui mesmo com poderosas ferramentas internetgooglianas que disponho. Assim, sugiro que o Douto colunista, mate nossa sede de saber, publicando as respectivas traduções dos raros e específicos vocábulos."

4/11/2008
Eldo Dias de Meira

"Coê-pucha (Circus 110 - 31/10/08 - "Última flor no laço" - clique aqui)! Para o bom entendedor meia palavra basta, mas a charla ficou desgranida. Pesquei que aquele esgarto é mui retovado, sotreta, macaio, tipo caúna. Mestre. Sem me achicar aguardo o glossário."

5/11/2008
Cleanto Farina Weidlich – migalheiro, Carazinho/RS

"Saquei sim cara (Circus 110 - 31/10/08 - "Última flor no laço" - clique aqui)! Viagem por dentro dum canudo, tá tudo dentro do vidrinho. Cordiais saudações!"

5/11/2008
José Maria da Costa – Advocacia Rocha Barros Sandoval & Ronaldo Marzagão. Autor das Gramatigalhas

"Mesmo sendo uma ficção, está muito perto da realidade que se observa hoje conversa da molecada (Circus 110 - 31/10/08 - "Última flor no laço" - clique aqui). Principalmente nos que não tem a proximidade dos pais ou onde os pais deixaram os professores substituí-los totalmente. Assim foi que chegamos a esta alienação da realidade. Atenção dobrada, para quem tem filhos na idade escolar.

7/11/2008
Lázaro Piunti - Itu/SP

"Lindo, meu amigo (Circus 111 - 7/11/08 - "Um novo astro" - clique aqui). Também sou vô. Enzo, meu netinho, tem ano e meio. Faz parte do mundo novo, que - esperamos - seja melhor que o contemporâneo."

Cofins

5/11/2008
Alexandre Thiollier - escritório Thiollier e Advogados

"O jornal Valor Econômico informou, ontem, que foi apresentado no Senado da República projeto de lei com objetivo de perdoar as dívidas de Cofins das sociedades de advogados, de contadores e de médicos, que não pagaram o tributo até 17 de setembro último. Naquele dia, o STF teria encerrado disputa com decisão desfavorável aos contribuintes. Pergunta idiota: como ficam os palhaços que recolheram o tributo na forma da lei? Lembrei-me do Mario. Que Mario? Ora bolas, aquele que te encontrou atrás do armário."

Crise financeira

4/11/2008
Zé Preá

"Fusão de bancos

 

Lula disse que os bancos

estavam todos tinindo¹

que ninguém iria ver

teto de banco caindo!

Que conversa pra tatu,

se Unibanco e Itaú

acabaram se fundindo!

 

¹ - Cadê o som do vil metal? Quá, quá, quá, quá! O prazer é gargalhá!"

5/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Ainda que muitos prefiram não pensar nisso, a verdade é que a crise financeira não acabou. Está apenas começando. No Brasil' então, ainda nem começou de verdade. Abaixo, um artigo de Cesar Benjamin, acerca da crise e seus desdobramentos aqui no Brasil e os motivos pelos quais os EUA mandaram para cá aqueles 30 Bilhões de dólares, coisa que muita gente não entendeu bem. Afinal, eles estão ou não em dificuldades?

'A marcha da insensatez'

Cesar Benjamin

'Escrever sobre a vulnerabilidade da economia brasileira era uma heresia há poucas semanas. Agora, quase se tornou desnecessário. Desabam as mistificações sobre as nossas blindagens. A fase aguda da crise mal começou e já tivemos de recorrer a um empréstimo de US$ 30 bilhões do Fed (o banco central dos EUA), que dispensou intermediários e passou a operar como emprestador de última instância a bancos centrais vulneráveis. Uma consulta a alguns números da economia brasileira mostra por que entramos na primeira lista de países socorridos, ao lado de México, Coréia do Sul e Cingapura.

Desde 2002, mais de 80% do que recebemos do exterior, na forma de saldo comercial, foi enviado de volta, na forma de remessas de serviços e rendas. O pequeno saldo restante fica longe de explicar o acúmulo de cerca de US$ 200 bilhões em reservas, alardeado como sinal de solidez.

A maior parte dessas reservas foi formada com capital externo de curto prazo, atraído ao Brasil pelos juros altos e aqui distribuídos em ativos dotados de elevada liquidez. As reservas brasileiras são a contrapartida de um passivo líquido que, ao se mover, pode reduzi-las a pó. Enquanto o governo comemorava o ‘fim da dívida externa’, formava-se uma nova dívida mais perigosa.

Esse capital de curto prazo não planta um pé de alface. Ao contrário: ao entrar, valoriza o câmbio e contribui para fragilizar o sistema produtivo. Não faltaram advertências sobre isso. Mas a valorização cambial tinha aliados poderosos: ajudava o BC a atingir as metas de inflação, aumentava as remessas de lucros das empresas multinacionais e permitia gigantescos ganhos aos especuladores. Passear com recursos pelo Brasil, remunerando-os com a nossa generosa taxa de juros, e remetê-los em seguida para fora, comprando dólar barato, foi o melhor negócio do mundo nos últimos anos.

Enquanto isso, a nossa pauta de exportações se empobrecia, concentrando-se naqueles produtos em que temos grandes vantagens comparativas -as commodities. Todos sabem que, no longo prazo, isso é perigoso. Porém, um dos subprodutos do ciclo especulativo foi justamente o aumento de preços dessas mercadorias de baixo valor agregado. Nossas exportações estagnaram em quantum, mas cresceram em valor, ocultando temporariamente o problema. Em paralelo, para que os exportadores brasileiros compensassem o câmbio ruim, o BC os estimulou a entrar pesadamente na especulação com moedas. A bolha se disseminou. As advertências de que o arranjo tinha pés de barro foram sistematicamente desqualificadas.

Mesmo com a crise internacional se avolumando desde agosto de 2007, não adotamos salvaguardas.

Colheremos os resultados em 2009. As empresas que tiveram grandes perdas cortarão investimentos. Com a queda nos preços das commodities, o saldo comercial ficará perto de zero. As remessas de recursos ao exterior aumentarão, elevando o déficit externo. O BC adotará políticas recessivas, que provavelmente incluirão um novo choque de juros. Os prejuízos serão repassados ao Tesouro Nacional, contabilizados como déficit público, reforçando o coro favorável a mais uma rodada de cortes em gastos essenciais, como se salários de professores e investimentos em infra-estrutura fossem a causa da crise. É a marcha da insensatez.

O Fed deixará conosco US$ 30 bilhões até abril de 2009, para que possamos segurar a oscilação cambial e acalmar os mercados. O capital de curto prazo, com certeza, entendeu o recado: tem seis meses para ir embora sem maiores perdas. Depois, seja o que Deus quiser’.

Mas, quem é Cesar Benjamin? É jornalista, editor e político brasileiro, um dos líderes históricos da esquerda brasileira. Cientista político, é acadêmico e pesquisador do Laboratório de Políticas Públicas da UERJ, com diversos trabalhos na área da economia.

Sobre o governo Lula, já afirmou que:

'Os discursos do presidente Lula são pérolas de conservadorismo. Tudo o que ele diz é o seguinte: 'esperem para me julgar ao fim de quatro anos', quando ele tinha que dizer: 'mobilizem-se para mudar o Brasil'. Ele tinha que ser um instrumento da mudança junto com o povo, mas é um instrumento da passividade. Está a serviço da idéia da nossa fraqueza, da idéia de que não podemos nada. E de que, portanto, só podemos mudar sem criar nenhuma turbulência. Como é que se muda sem nenhuma turbulência? Quem tem medo de tirar o pé do chão não caminha. Só caminha quem aceita algum desequilíbrio.

Há um enlace direto entre a política econômica conservadora e um governo ideologicamente conservador. Pois, se a política econômica é essa, a prioridade é acalmar os mercados financeiros. Mas, se houver participação popular, mobilização, organização, ares de mudança, os mercados financeiros não se acalmarão. Ficarão nervosos. Logo, a mediocridade de sempre inunda economia e política.

Nós poderemos assistir a curto prazo, no Brasil, à maior derrota da esquerda mundial. Somos um país muito desigual e com muita pobreza. Fazer aqui esta política, exercer aqui este tipo de governo, é muito mais grave do que fazer algo mais ou menos semelhante na Europa. A Europa é um continente com ampla maioria de cidadãos e alguns focos de pobreza. Nós somos um país-continente com ampla maioria de pobres e alguns focos de cidadania. Aqui, a reprodução dessa política é muito mais dramática e muito mais vergonhosa. Daí a minha angústia.

Repito, para finalizar: a questão central do governo Lula não é a macroeconomia. O juro está alto hoje, pode estar baixo amanhã. Mas o mal que está sendo feito neste país, no sentido de perpetuar a verdadeira herança maldita, é que inviabiliza a esperança e coloca o governo Lula, definitivamente, como um fracasso de grandes dimensões.

A pergunta que não quer calar é: será que é com essa gente que vamos enfrentar essa crise de proporções gigantescas? Com bravatas, discursos ocos e vazios, feitos em palanques, aos gritos ? Será que meias verdades, mentiras, lorotas, parábolas de gosto duvidoso e falsos juízos resolverão o que ninguém consegue resolver?'"

6/11/2008
Aderbal Bacchi Bergo - magistrado aposentado

"Os Lulistas são persistentes. O ministro Mantega divulgou que Governo Federal vai liberar R$ 4 bilhões para a indústria automobilística enfrentar a crise, que se sabe financeira e também de queda do consumo, por toda parte. As montadoras estão preocupadas em dar férias coletivas, em todos os países. Pronto! Começou a fila da sopa! Uma enorme fila à porta do Ministério da Fazenda, o que convém como instrumento de barganha. Grande parte dos lulistas nunca agem com boa-fé. Não fosse assim, adotariam políticas econômicas abrangentes e não setoriais. Color falava, depois de congelar nossas economias, que iria 'abrir as torneiras' do dinheiro conforme as 'necessidades'. Necessidades de 'malas pretas'? O empresário Alexandre Negrão declarou à CPI que se instalou no Fórum de Campinas já faz vários anos, que foi pessoalmente levar uma mala de dólares para o arrecadador do Color, PCFarias, a fim de conseguir receber os créditos de sua empresa perante o Ministério da Saúde. Criticado por membro da CPI, respondeu que não fosse assim não receberia e que necessitava dos créditos para pagar funcionários, matérias primas para sua indústria de medicamentos, tributos, etc. A seguir indagou do deputado que o criticou: 'o que você faria no meu lugar?'Os inquisidores mudaram de assunto. Saudações,"

6/11/2008
Alexandre de Macedo Marques

"Ilustríssimo migalheiro Bergo! O senhor conhece, digamos delicadamente, o curiculum vitae da testemunha que invoca, na sua migalha, como fidedigna?"

7/11/2008
Aderbal Bacchi Bergo - magistrado aposentado.

"Ontem, o Migalhas publicou o texto de minha autoria a respeito da 'fila da sopa' de empresários que já se forma às portas dos lulistas para obtenção de auxílio financeiro, ao invés de serem executadas pelo governo federal políticas abrangentes. O valoroso migalheiro Alexandre de Macedo Marques indagou de mim se conheço o curriculum vitae da testemunha Alexandre Negrão. Respeitosamente, vou responder com uma pergunta: ilustríssimo migalheiro Marques, o senhor conhece o que a história já comprovou a respeito da veracidade das afirmações dessa testemunha quando confrontadas com milhares de outras, para concluir-se que a abertura das 'torneirinhas' anunciada por Collor somente se efetivava com recebimento de 'malas pretas'? Não conheço o curriculum da testemunha, o que não sobreleva no caso, mas, sim, o curriculum do Collor e da maioria dos integrantes de nossa classe política que ainda exercem o poder, 'nestepaís'. Saudações,"

7/11/2008
Alexandre de Macedo Marques

"Então ficamos combinadíssimos assim, caríssimo dr. Bergo. Se isso satisfaz os seus pressupostos para emitir juízos de valor ante minha indagação, satisfeitos estão. Roma locuta causa finita."

 

7/11/2008
Conrado de Paulo

"Ainda que qualquer banco quebre, sempre vai existir o Proer... 'as nossas custas'..."

7/11/2008
Ontõe Gago - lpu/CE

"Preá, os bancos e o Gago  

 

Nem sempre vago é malandro

Nem os Mané é Mané

Quando mal cuida que é

Acaba se atrapalhando

Com os tal dos banco eu ando

Querendo do miserê

Ao meno livre me ver

Com Zé Preá de avalista

Mas somo dois comunista

Ou somos ou vamo ser.

 

De formas que nesta lista

Nem vindo Obama mexer."

7/11/2008
José Renato M. de Almeida - Salvador/BA

"Salta à vista, a presteza com que os governos acodem as montadoras, bancos, financeiras ante qualquer ameaça a seus negócios, enquanto pouco ou nada faz para socorrer aos cidadãos comuns. Há cerca de três anos, milhões de aposentados e pensionistas dos Estados Unidos foram tungados de suas economias, com falências fraudulentas dos, até então, todo-poderosos Fundos de Pensão daquele país... E nenhuma atitude foi tomada pelos governantes para amenizar as perdas, quase totais, de seus desvalidos participantes. Bem diferente da agilidade em socorrer, agora, com 850 bilhões de dólares os maiores bancos e financeiras, tais como os gigantes Merrill Lynch e Lehman Brothers. Cá entre nós também. As montadores vêm batendo recordes mensais de produção e vendas há mais de seis meses, mas bastou apresentar redução em um mês (outubro) para que sejam socorridas com 4 bilhões de reais... Enquanto isso, a distribuição de renda promovida através da Bolsa Família é criticada sistematicamente pelos mesmos que se beneficiam das facilidades concedidas pelo governo. Do mesmo modo, ficaram a ver navios os pequenos poupadores das cadernetas de poupança, furtados pelos bancos privados e estatais, em cerca de 1,9 trilhão de reais - é isso mesmo, trilhão - nos planos-econômicos Bresser, Collor e Verão. Com as desculpas mais descaradas os bancos se negaram a devolver aos pequenos aplicadores esse montante de rendimentos devidos. Os grandes já recorreram à Justiça e obtiveram ganho de causa com toda tranqüilidade. O que será que ainda impede de se usar os mesmos procedimentos, tanto nos casos de atendimento aos grandes e endinheirados (banqueiros e montadoras) como nos dos pequenos e pobres (aposentados, pensionistas e poupadores)? Alguém sabe?"

Depósitos judiciais

7/11/2008
Altino Ramos Costa

"Parece brincadeira uma corte de justiça e uma montanha de gente tratando de um assunto que na realidade não lhes pertence (Migalhas 2.021 - 6/11/08 - "Depósitos judiciais" - clique aqui). Creio que se aplicado os recursos oriundos destes rendimentos deveriam se na totalidade creditados ao saldo dos depósitos judiciais e não alimentar corrupções e boa vista para juízes, banqueiros, associações e demais hoje envolvidos nos processos e que em troca de direcionar para um ou outro agente financeiro recebem agrados não éticos. Poderíamos sugerir que simplesmente todos os recursos depositados a ordem da justiça fossem no ato transformados em títulos do governo e depositados em contas do tesouro não dando margens a relacionamentos do judiciário com bancos e vise-versa. Sabemos que uma medida desta ira prejudicar principalmente a caixa que tem seus depósitos lastreados em depósitos judiciais mas sobreviver no mercado bancário desta maneira não e justo."

Educação

4/11/2008
Stanley Martins Frasão - escritório Homero Costa Advogados

"Um modelo para a educação, hoje. Lugar de crianças e adolescentes é na escola. Se isso for cumprido, evitaremos vários problemas, delitos de toda ordem, no mínimo. O governo federal, com os recursos do Brasil Profissionalizado, programa criado para incentivar a expansão de matrículas no ensino médio nas redes públicas estaduais, tem a meta de investir R$ 900 milhões até 2011. Esses recursos podem ser utilizados, ainda, na aquisição de mobiliário, equipamentos e laboratórios, além da melhoria na gestão, práticas pedagógicas e formação de professores. Alguns Estados já firmaram o convênio: Bahia, Ceará, Mato Grosso, Pará, Piauí e Tocantins. Não consegui localizar o convênio de Minas Gerais! Da Câmara dos Deputados vem a excelente notícia da tramitação do projeto de lei nº 3.917/08, já aprovado pelo Senado, que altera a lei nº 9.394/96, para que os estabelecimentos públicos de ensino possam abrir nos finais de semana, feriados e recessos letivos para o desenvolvimento de atividades culturais, esportivas e de reforço escolar, e oferta de alimentação aos estudantes. Tenho certeza de que o PL, convertido em lei, representará avanço na educação, gerando reflexos em todas as áreas, inclusive na social. Conheço uma escola rural estadual, no sul de Minas, com gestão privada, que denomino a primeira PPP educacional entre o primeiro (Estado) e terceiro (ONG) setores e que serve de certificação antecipada do aludido PL. Matricularam-se 27 alunos para um único turno de escolarização em sala multi-seriada, integrando o ensino formal ao preprofissionalizante, em 1984. Atualmente, são mais de 500 crianças e adolescentes com programas educacionais, culturais e de lazer, da creche ao ensino fundamental, recebendo atendimento clínico-odontológico, orientação em campanhas preventivas de saúde, merenda escolar em tempo integral e cinco refeições diárias, em programa de alimentação balanceada. O deslocamento casa-escola-casa é seguro, através do transporte oferecido pelos municípios atendidos pela escola. E a Fazenda-Escola promove ações de acompanhamento com essas crianças, semeando e colhendo bons frutos. Afinal, somente para citar alguns dados, de 1984 a 2007, 7.866.772 refeições e lanches foram servidos; 4.685 famílias foram atendidas; e 1.870.095 de quilômetros foram percorridos pelos ônibus. É um projeto que promove bem-estar e oportunidades para famílias das zonas rural e urbana das cidades vizinhas ao projeto."

Eleições

3/11/2008
Conrado de Paulo

"Esse é o exemplo que deve ser seguido... Tomara que a moda pegue... Mas para isso necessita ser divulgada... Vejam o município Bom Jesus do Itabapoana/RJ. Devido ao baixo nível do candidato, de um total de 26.863 eleitores que compareceram às urnas, 20.821 eleitores conscientes decidiram anular o seu voto ... Um exemplo para o mundo..."

3/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Agora, perdidas as eleições, só resta a Marta procurar por Lula e tentar abiscoitar (abiscoitar é uma boa palavra, não? É sinônima de abichar, mas á só coincidência) um empreguinho, para ficar em evidência, até tentar uma nova eleição, para se convencer que é carta fora do baralho, definitivamente. Os chargistas são ótimos em entender a essência da coisa...(Clique aqui)"

3/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Já notaram os migalheiros, dentre eles os petistas, que Lula jamais ganhou em São Paulo? Em outras palavras, mesmo com Bolsa Família e outras Bolsas beneficentes, em São Paulo Lula não emplaca? Senão, vejamos as 'percas' já ocorridas:

Collor, 1º. e 2º. turnos, 1989.

FHC, 1º. turno 1994, 1o. turno, 1998.

Serra, 1º, turno 2002, 2o. tuno, 2002

Serra, 1º. e 2º. turnos, 2004, sova na Martaxa e no seu apoiador Lulla.

Alckmin, 1º.e 2º. turnos, 2006.

Serra, 1º. turno 2006, sova no Merdacante, nos aloprados, no dossiê fajuto e no seu apoiador Lulla.

Kassab /Serra 1º. e 2º. turnos na Martaxa e sua muleta de tempo integral, Lulla.

Total até hoje 13 sovas.  Isso, não obstante dizerem que São Paulo é a maior cidade nordestina do Brasil."

3/11/2008
Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP

"Sr. diretor, leio o comentário do dr. Wilson Silveira. Eu leio sempre o que escreve; um migalheiro culto e inteligente; mas dar suporte à opinião do ex-Deputado, corrupto confesso, Roberto Jéferson, que certamente deve ser condenado, porque confessou ter posto a mão na bufunfa do mensalão, que insiste foi distribuído para votar a favor do governo; mas que (diga-se de passagem) ainda não foi provado nada, por enquanto, o único confesso foi ele, 'data venia' não enaltece em nada seu comentário. Ele, obviamente, não fará ninguém mudar de lado. Ademais, só muito crente acreditaria em Marta, ou ela própria, por não ter 'semancol'; e não perceber que foi jogada às piranhas pelo Lula, para evitar mal maior, querer ser Presidente. Se Marta concorresse com Alckmin, que também foi discriminado, também perderia. Marta foi discriminada sim, primeiro porque principalmente trocou de marido, segundo sua administração não convenceu (túneis da Rebouças, corredor de ônibus, taxas etc.etc. mudança de nome do Túnel 9 de Julho, escolas de lata, não assistiu devidamente a saúde). Não nos esqueçamos de que Marta tinha com ela como vice- o Dr.Hélio Bicudo, uma figura proeminente; dessa vez veio com um pretenso comunista, 'rogata venia' com pouca expressão. Sua campanha, ainda, foi ridícula, ao atacar o adversário como se fosse gay, ela que propôs e apoiou sempre os gays, participando de suas passeatas. Não houve vitória da direita, analisando para mim, que sou neutro, foi uma vitória de Pirro, pois o PSDB perdeu e feio, com a briga entre eles. Pode-se dizer que foi uma vitória do Serra; mas Serra não tem cacife para ser Presidente, ganha em São Paulo, perde no Brasil; nem o Aécio tem cacife, também, hoje, o PT não tem herdeiro para Lula. Estamos então no Deus dará,no momento não."

5/11/2008
Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP

"Sr. diretor, quanto às palavras do dr. Wilson que Lula não consegue ganhar em São Paulo, tem razão; mas não se esqueça de que a maioria do Brasil dá-nos o troco, desde Getúlio, quando correu o boato que em 1932 nós queríamos a separação. Ademais, não adianta ganhar só em São Paulo, em termos de Brasil. É preciso mudar a mentalidade. Dizem que FHC ganhou e era de São Paulo; mas como Lula, morava em São Paulo, mas era carioca. Se não mudarmos a mentalidade, pensarmos em termos de Brasil, não de bairrismo, nunca um paulista galgará a Presidência. Ademais, ainda, dizem que São Paulo é um Estado nordestino, pode não ser; mas há muitos nordestinos e paulistas, filhos deles, nascidos aqui, logo por isso, há tantos votos para o PT embora Marta não representou os nordestinos, Herondina sim, quando se candidatou. Atenciosamente,"

Eleições EUA

3/11/2008
Romeu A. L. Prisco

"Recado a Mr. Obama. Nos seus últimos pronunciamentos, às vésperas do pleito presidencial dos EUA, o candidato Barak Hussein Obama tem enfatizado aos eleitores: 'nós podemos mudar este país e o mundo'! Destarte, como humilde habitante do mundo, tomo a liberdade de enviar a Mr. Obama o meu recado, como segue. Prezado Mr.Obama, caso V. Sa., tal como indicam as pesquisas, seja eleito, por favor, preocupe-se em mudar apenas os EUA. Não se preocupe com o resto do mundo. Deixe-o em paz! Sempre que os EUA querem mudar o mundo, o cheiro se torna insuportável. Chega de tanta arrogância e de falso protecionismo! Baixem a bola. Cantem de galo somente no seu terreiro. Livres e independentes para traçarem seus destinos, como melhor lhes aprouver, as demais nações do mundo agradecem. Todavia, prezado Mr. Obama, caso V. Sa. insista em seus propósitos, então, comece por retirar de imediato suas tropas do Iraque e promova a total reconstrução deste país, devastado pela insanidade do terrorista texano que o antecedeu na Presidência dos EUA. Isto feito, sobrará dinheiro suficiente para que V. Sa. acabe, também de imediato, com a fome no continente africano, berço dos seus ancestrais, sem olhar para a política dos respectivos países, mas, apenas olhando para a boca dos famintos. Igualmente, ponha um fim no sofrimento dos palestinos, pressionando Israel para devolução total dos territórios ocupados, com a criação de um Estado soberano, ainda que, para tanto, seja necessário suspender qualquer ajuda material, financeira e/ou diplomática àquele país. Assine e cumpra o protocolo de Kyoto e abandone a idéia de produzir etanol a partir do milho, mais poluente do que aquele produzido pelo Brasil, a partir da cana-de-açúcar. Nisto seu adversário tem razão. Eis aí, Mr. Obama, o que V. Sa. poderá, em curto prazo, fazer para mudar a imagem do seu país e do resto do mundo. Depois, a médio e longo prazo, pense numa profunda reformulação da ONU, para que esta entidade deixe de ser um capacho dos EUA e de seus aliados. Boa sorte!"

3/11/2008
Ontõe Gago - Ipu/CE

"Inleição americana

 

Vai ter nesta quarta-feira

Inleição americana

Acho que ganha o Obama

Caboquinho de premêra

Mas a turma financeira

Tá fazendo mor baruio

Prá ganhar o tal bagúio

Aquele ex-marinheiro

Se depender do dinheiro

Nesta água eu num me múio."

4/11/2008
Mano Meira – Carazinho/RS.

"Acho que dá Obama

Isso é fato concebido,

O McCain tá perdido,

Pra virar nessa altura

Nem quebrando a ferradura

Do jumento Democrata,

O elefante tá manco duma pata

Acho que entrega a rapadura."

4/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Concordo, caro Prisco, como se diz por aí, em gênero, número e grau, com seu comentário. Quem quer que ganhe as eleições nos EUA, que se contente em mudar seu próprio país. Essa mania dos americanos de mudarem o mundo e, em especial, os países dos outros, realmente, provoca um terrível fedor. Mas, acho que, embora as pesquisas mostrem a vitória de Obama, a coisa ainda não está bem certa, em razão do 'voto envergonhado' dos que respondem que vão votar nele mas que, na hora 'H', votam no candidato branco, mais de acordo com as 'raízes' do povo norte-americano, para o qual será muito difícil (para não dizer impossível) aceitar um negro na presidência. Com o jogo abaixo, realmente não vai dar para McCain."

4/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Ao que parece, ao menos é o que indicam as pesquisas, Obama leva essa de lavada. Por isso, a família de Obama já juntou tudo e está indo para os Estados Unidos, para assumir seu lugar na Casa Branca, ao lado de seu filho dileto, o que chegou lá, na terra da oportunidade. Obama, dizem, já enviou emissários ao Brasil, para ver como é essa história de dezenas de ministérios, que serão necessários para 'acomodar' todo mundo. Quanto ao mais, nada que um bom 'banho de loja'. Não resolva, assim que forem distribuídos os cartões corporativos e a turma for solta para umas comprinhas. Do Quênia aos EUA o caminho é longo mas, afinal, vai valer a pena. Andando rápido, vai dar para chegar para a festa da vitória. (Clique aqui)"

4/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Por outro lado, caro Prisco, pode ser que Barak Obama seja, de fato eleito. E, eleito, queira, como sua campanha anunciou, mudar (CHANGE) tudo, o mundo todo. Vai ver que ele veio para mudar tudo, tudo mesmo. Afinal, é dos Estados Unidos que vem vindo a mudança da economia do mundo, a mudança do capitalismo. Essa crise tem nos dado a mensagem: abandona tudo o que é seu e nos siga. Para onde, exatamente, ainda não se sabe, mas há uma mensagem clara. Estamos todos na iminência de abandonar tudo, principalmente as nossas ações, nossos depósitos bancários, nossas economias. É hora de mudar. Change, pois, irmão. (Clique aqui)"

5/11/2008
Alfredo Attié Júnior - juiz de Direito e Doutor em Filosofia da USP

"Os EUA fizeram história viva Barack Obama. Amigas e amigos, acaba de ser anunciada a vitória, tão esperada, do jurista Barack Obama para a presidência dos Estados Unidos da América. Trata-se da vitória de um homem que começou sua vida pública como muitos de nós, organizando a comunidade mais simples, na correta reivindicação de seus direitos, na construção de sua cidadania. Sua história de vida e o modo como construiu sua carreira, sua campanha, seu programa, são não apenas inovadores, pelo fato de se tornar um líder norte-americano e mundial, mas inspiram esperança e confiança de que muitas páginas sejam viradas, na direção da construção de uma ordem internacional diferente e mais justa. A Presidência dos Estados Unidos é um símbolo, sem dúvida. Talvez os Fundadores da República moderna tenham se dado conta disto. Hoje, com a presença de um afro-americano, educado no seio da diversidade em todos os aspectos, este símbolo aponta, uma vez mais, para o pioneirismo dos americanos, que re-criaram a república, a democracia, na modernidade, no seio de inúmeros conflitos, declararam os direitos humanos, re-fundaram-se no seio de uma guerra civil, em que lograram a libertação da escravidão, lutaram pelos direitos civis, construíram as bases do estado social, em meio também a tantas contradições, confrontos, muita vez injustiça, que reconhecemos, apontamos, combatemos. Mesmo que haja o ceticismo, a crítica de muitos, acredito que seja hora de comemoração, em nome da democracia e uma série de princípios que parecem poder encontrar espaço para se reavivar, no coração e nas atitudes de todos e cada um de nós, que somos os verdadeiros responsáveis pela construção de uma sociedade melhor. Para todos que acompanharam todo o processo eleitoral norte-americano e torceram para a vitória do senador Obama, de tudo o que significava sua candidatura, é um momento emocionante. Viva a democracia, vivam os direitos humanos, animemo-nos todos que lutamos para a concretização dos mais belos ideais de uma comunidade internacional justa e solidária! Não sei se sabem, mas 'barack', no pouco árabe que conheço, pode ser traduzida por 'sorte' e é o que se pode desejar, neste importante momento que vivemos."

5/11/2008
Aderbal Bacchi Bergo - magistrado aposentado

"Obama é eleito o primeiro Presidente negro dos USA. É sabido que Nostradamus previu esta eleição que acaba de se tornar realidade. Também previu que no terceiro ano do terceiro milênio, uma 'besta' que, pelos detalhes a seu respeito é Lula, iludiria um 'povo ingênuo' do hemisfério sul e assumiria o poder, para levar a uma grande desgraça essa população. Caramba! É nóisss! O Brasil virtual criado por Meirelles não passa de uma bolha, com uma dívida interna 'impagável', etc. etc. etc, tudo o que todos estão cansados de saber a respeito dessa política econômica 'histérica e suicida'. É sabido que, mais dia menos dia, bolhas explodem no capitalismo. Saudações,"

5/11/2008
Armando Silva do Prado

"Congo insurgente: primeira grande tarefa do presidente Barack Obama, após a acachapante vitória sobre a direita norte-americana. Saudações de quem tem orgulho de ser de esquerda."

6/11/2008
Flávio Alexander Delaqua Lucas

"Theodore Roosevelt já estava morto em 1929 (Migalhas Quentes - 6/11/08 - "OAB/SP divulga nota sobre vitória de Barack Obama" - clique aqui) . O presidente que ajudou os EUA a superaram a crise foi Franklin Delano Roosevelt e a sua política do 'New Deal'."

6/11/2008
Susana Menda - USA

"Ola Migalhas. Sé é que dá para fazer uma comparação daqui com o Brasil, o clima é de vitória da Copa do Mundo, estamos todos muito felizes. Os latinos, esperando a solução para o problema da imigração, os negros, comemorando o primeiro 'cumpanheiro' negro, os brancos, expiando a culpa do enorme crime que cometeram com a história da escravidão. Assisti a apuração final no comitê de campanha, num jantar. Um casarão antigo, de bom gosto, enorme, os únicos brancos eram eu, o Dan e o Daniel, eles americanos de alma brasileira. Todo mundo muito bem vestido, educados, gostei muito de estar lá. Quando Ohio encerrou a apuração, umas 21h3O, hora local, Barack Obama havia ganhado. Todos comemoramos com alegria, foi uma longa jornada esta campanha. Vencedora mesmo foi a vontade de resolver este enorme 'imbróglio' chamado economia americana em recessão. Agora toca a ver si o homem sabe fazer milagres, porque como todos nós sabemos, o rombo não é pequeno. Boa sorte Barack Obama, o mundo torce por ti."

6/11/2008
Abílio Neto

"Depois de ouvir o discurso de Barack Obama, em Chicago, também me veio uma certeza: que maus momentos deve estar passando o 'filósofo' Olavo de Carvalho, guru da direita brasileira, lá na Virgínia. Ele e sua ex-tropa do Mídia Sem Máscara viviam tentando, sem sucesso, 'tirar a máscara' do vitorioso candidato. Aliás, o Olavão está numa pindaíba de fazer dó, pois aceita doação de até 'dez real'. Se alguns dos seus fanzocos migalheiros quiserem lhe enviar alguns trocados, eu posso lhes fornecer os números das contas bancárias citadas pelo nosso impagável comediante!"

6/11/2008
Alexandre de Macedo Marques

"Depois de ouvir o discurso de Barack Obama, em Chicago, e a emocionada e tocante profissão de fé nas virtudes do povo e da democracia americanas veio-me uma certeza:mais um presidente americano a ser odiado pela estupidez,desonestidade, infantilidade e estreiteza de caráter da esquerda brasileira.Tão estupidamente perto do Fidel, do Chavez, do Lula e tão longe da democracia praticada com elevados propósitos."

6/11/2008
Plínio Zabeu

"Podemos ter novos tempos? 'Yes. We can'. As eleições nos Estados Unidos mostraram que sim, conforme afirmou o candidato Obama eleito com expressiva votação. As pessoas vão, com os sofrimentos e dificuldades, aprendendo a votar melhor, melhor exercer seus direitos de cidadãos. Depois de oito anos de mau governo no país mais rico do mundo, parece que o povo acordou. Nunca foi possível entender os propósitos do atual presidente americano. Interferência no ambiente (recusa de seguir um acordo internacional de não poluição), nos outros países (caso da invasão do Iraque) para destruir armas que, na verdade nunca existiram, e com isso causar um dano praticamente irreparável da economia americana e mundial. Além de milhares de mortos, tanto de americanos como de iraquianos. O ataque do terror em 2001 deveria ter outras respostas que não as simples invasões e guerras. O custo disso tudo, para o povo americano, vai chegar aos trilhões de dólares. Claro que a economia foi atingida. E, quando algo assim acontece numa nação como a americana, mesmo 'sem atravessar o Atlântico', acaba atingindo a todos nós.  Nosso governo fez pouco caso, tratou o assunto com piadas mas, finalmente, teve que se curvar diante do risco econômico e social que estamos correndo. Temos um ótimo gerente da economia, o chefe do Banco Central, que bem preparou o país para esta dificuldade. Esperamos que suas decisões não sejam bloqueadas por 'palpites', inclusive do presidente. Estamos sim com problemas sérios no setor mas, as experiências do mundo todo, a partir da derrocada de 1929, permitiram imediatas reações. Uma delas, muito importante, foi a fusão de dois grandes bancos que agora – e com um capital extraordinário, à disposição – terá condições de contribuir para evitar piores conseqüências da crise. A América do norte, com a vitória do democrata, deu uma reviravolta total. A conduta do então candidato, suas propostas, sua aparência de sinceridade e amor à Pátria e, com a vitória no pleito, fizeram nascer novas esperanças, não só para o povo americano como para todo o mundo. As reações mostradas pelos países em geral, particularmente do Oriente Médio provaram isso. Será um trabalho árduo. Ele necessitará de inteligência, conhecimentos e mesmo simpatia, para tratar dos problemas. Como um ex-segregado, seu lema atual: 'Sim. Nós podemos', sintetiza a esperança de todo o mundo. Vitória de Martin Luther King que há 45 anos lançou os pilares da mudança que parece acontecer agora."

6/11/2008
Alexandre de Macedo Marques

"Caro dr. Wilson, o texto que trouxe à luz migalheira levanta as mesmas desconfianças que os chamados, e xingados, 'conservadores' alertavam durante a campanha. Pessoalmente tive uma posição inicial de cautela frente a Barack por discernir na 'Obamania' que contaminou uma boa parte da opinião pública fora dos Estados Unidos, nomeadamente no Brasil, uma manifestação antiamericana. Na realidade os obamamaníacos viam na possibilidade Barack presidente uma bofetada na face da detestada América: mulato, pai africano, de vivência africana e muçulmana durante um período de sua vida. Uma espécie de raivoso 'têm que engoli-lo'. Depois do 11 de Setembro quando militantes muçulmanos feriram produndamente o coração da América, um negro quase muçulmano, assume o poder na América. Na linha do ódio da esquerda aos Estados Unidos.O cenário político lhe era favorável em vista da calamidade ético-administrativa do ocupante da Casa Branca. O seu oponente, um ancião de certa forma combalido, do mesmo partido no poder, aumentava suas chances. As acusações de hábil manipulador e brilhante e inconseqüente orador, nos deixavam em dúvida. Aí a catástrofe da crise financeira, nascida em parte da falta de regulação e controle dos criativos manipuladores de mercado por parte do governo Busch e do 'Oráculo' Greenspan. Aos poucos o carisma - qualidade para o bem e para o mal do candidato abriram os caminhos da vitória. Confesso que o discurso em Chicado me tocou. Se foi sincero mantenho o meu ponto de vista exposto na migalha que citou em seu comentário. Se os críticos que alertavam para a inconseqüência e demagogia dos discursos,lamento. Pelos Estados Unidos, pelo que resta da Civilização que foi nosso berço. Para terminar digo que leio e ouço com profundo desencanto os comentários à eleição de Barack Obama presidente dos Estados Unidos da América. Loas à sua cor, às suas raízes africanas, à sua vivência islâmica. Nada ao caminho percorrido na América: as oportunidades de estudo e desenvolvimento, aos caminhos abertos na política, ao trabalho e ao sucesso.Um hino à terra das oportunidades, advogado por Harvard. Afinal mais do que um negro com tintas islâmicas a América elegeu um homem inteligente, formado pelas melhores universidades do país, senador em exercício. Os politicamente corretos e as esquerdas descabeçadas na sua euforia talvez tentem apagar o fato que, no Brasil elegemos para presidente da República um boçal semi alfabetizado. Se as palavras de Obama, pronunciadas em Chicago foram apenas vã oratória lamentarei profundamente. E ao desalento brasileiro, frente á patifaria lulo-petista, terei um desalento adicional. Embora confie que a América tem reservas morais capazes de fazerem frente ao engodo, se existir, esperança do orgulho do 'ser esquerdista'. Se não teremos a idiotia esquerdista bociferarando as mesmas besteiras de sempre. PS. Confesso que as primeiras linha de seu escrito me deixaram algo surpreso. Depois entendi o que queria dizer."

6/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Após a eleição de Obama, dois comentários chamaram a atenção nesse tópico em Migalhas. Um do migalheiro Armando Silva Do Prado, comemorando a vitória acachapante de Barack Obama sobre a direita norta-americana, uma vitória da esquerda, saudada por quem tem orgulho de ser de esquerda. Outro, do colega Alexandre de Macedo Marques, também saudando a vitória de Obama, mas lamentando a certeza de vir a ser o vencedor odiado pela esquerda brasileira, o que parece não acontecer com o migalheiro que o antecedeu no comentário. Eu, que assisti o discurso da vitória notei que Obama falou muito de Lincoln, que era do Partido Republicano. Aliás, o fim de escravatura nos EUA, se deve aos republicanos, assim como certos valores como 'unidade nacional', responsabilidade individual e 'liberdade', seguidos pelos americanos, e por Obama também, são valores republicanos, afinal. Mas, voltando ao discurso da vitória, Obama falou muito em 'patriotismo', 'trabalho árduo', 'sacrifício' e... 'Deus'. Convenhamos que esse discurso, aqui no Brasil, seria classificado, pela esquerda, senão de neo-liberal, até de quase-fascista. Daí, enquanto pensava a respeito, li o texto abaixo, que ainda mais aumentou a confusão, mas que dá uma certa razão à satisfação do migalheiro Armando da Silva do Prado.

Obama e 'a esquerda'.

Editorias - Cultura, Economia, Estados Unidos, Política

Apesar de o senador Barack Obama ter se aliado com uma sucessão de indivíduos da extrema esquerda ao longo dos anos, esta é somente metade da história. Há, afinal, algumas pessoas honestas e decentes na esquerda. Mas estes não têm sido com quem Obama tem se aliado – aliado, não meramente ‘associado’.

ACORN não é somente uma organização de esquerda. Além da fraude eleitoral em que a ACORN tem se envolvido ao longo dos anos, ela é uma organização com uma história de selvageria, incluindo-se aí a perseguição de banqueiros e suas famílias, indo a suas casas, a fim de forçar os bancos a emprestarem dinheiro para pessoas de alto risco financeiro.

Tampouco a relação de Barack Obama com a ACORN é apenas uma questão de ter sido advogado dela tempos atrás. Mais recentemente, ele direcionou centenas de milhares de dólares para a organização. E dinheiro fala – e o que ele diz é mais importante do que a retórica de um político em ano eleitoral.

Jeremiah Wright e Michael Pfleger não são apenas pessoas de opiniões esquerdistas. Eles são demagogos temerários que pregam ódio do mais baixo calão – e ambos receberam dinheiro de Obama.

Bill Ayers não é somente um 'professor de educação' que tem algumas idéias de esquerda. Ele é um terrorista confesso e impenitente, que mais recentemente tem propagandeado sua mensagem de ressentimento nas escolas – um empreendimento que usa o dinheiro de uma fundação que Obama preside.

Essa ajuda não tem sido apenas unidirecional. Durante o último debate entre John McCain e Barack Obama, o senador McCain mencionou que a campanha política do senador Obama começou na casa de Bill Ayers. Obama imediatamente negou e McCain não respondeu.

Não foi a campanha deste ano que começou na casa de Bill Ayers, mas uma campanha anterior para a legislatura estadual em Illinois. Barack Obama iguala-se a Bill Clinton na malícia de escolher palavras para fugir de acusações.

Essa é uma forma de chegar à Casa Branca. Mas malícia discursiva não vai ajudar o presidente a gerenciar as crises econômicas domésticas ou os crescentes perigos de um Irã nuclearizado.

As pessoas que pensam que conversa mole sobre isso ou aquilo constituem ‘questões substantivas’ sobre que o devemos falar, em vez de prestarem atenção no histórico de Obama, ignoram um fato fundamental sobre um governo representativo.

Governo representativo existe, em primeiro lugar, porque nós eleitores não podemos ter todas as informações necessárias para tomarmos decisões racionais sobre todas as coisas que um governo faz. Não podemos governar por meio de pesquisa de opinião e referendos. Devemos confiar em alguém para nos representar, especialmente como presidente dos Estados Unidos.

Uma vez que reconheçamos este fato básico com o governo representativo, então a questão de quão confiável é um candidato se torna a mais urgente das questões, dentre as chamadas ‘questões substantivas’.

Um candidato que gasta duas décadas promovendo a polarização e então quer vender a imagem de um candidato que vai curar e unir, em vez de dividir, trai toda a confiança exatamente por isso.

Se Ronald Reagan tivesse tentado concorrer à presidência dos Estados Unidos como um esquerdista, a mídia teria caído de pau nele. Seu apoio a Barry Goldwater teria ocasionado manchetes e editorias denunciadores em todo o país.

Ele não teria, de forma alguma, conseguido se desvencilhar da situação usando palavras suaves para sugerir que ele e Barry Goldwater seriam como ‘navios que se cruzaram numa noite’.

Se Barack Obama se apresentasse como o homem que ele sempre foi, em vez de como alguém que ele nunca foi, então nós simplesmente votaríamos baseados em nossa concordância ou discordância com o que ele sempre defendeu.

Algumas pessoas se confortam com o fato de que o senador Obama tem verbalmente mudado suas posições sobre algumas questões, como a exploração de petróleo e o controle de armas. Isso supostamente mostra que ele é ‘pragmático’ em vez de ideológico.

Mas zig-zags políticos não mostram tal moderação como alguns supõem. Lênin zig-zagueou, e assim o fez Hitler. Zig-zags podem mostrar apenas que alguém está considerando a platéia como um bando de idiotas.

Os que veêm fraude no que Obama está dizendo ficam impressionados que outros não vejam. Mas Obama sabe o que os trapaceiros também sabem de longa data: que o trabalho deles não é convencer os céticos, mas possibilitar que os ingênuos continuem acreditando no que eles querem acreditar. E ele faz isso muito bem.

Publicado por Townhall.com

Tradução de Antônio Emílio Angueth de Araújo

À vista dessas considerações, o que será que vem por aí?'"

7/11/2008
Antonio B. A. Sarmento

"E agora, B. Hussein Obama, quando vais retirar as tropas do Iraque e do Afeganistão? E o que vais fazer para resolver a crise das hipotecas? Vais continuar dando dinheiro do povo aos banqueiros? E como vais solucionar os problemas de Israel e dos Palestinos? Como vais acertar o preço do petróleo com os árabes da OPEP? Já sabes onde está o Osama BL? E que vais dizer ao coronel Chavez sobre os negócios de gás com a Citigo? E ao Mahmoud Ahmadinejad sobre as experiências nucleares? E sobre os latinos que te deram tanto apoio, vão poder continuar entretanto clandestinos pela fronteira do México? Todo mundo vai ganhar 'green card'? E o etanol do Brasil, vai continuar sobretaxado? Vais manter os mísseis na Polônia sem medo do Dimitry? Vai tudo continuar 'made in China' mesmo às custas dos salários dos trabalhadores americanos? Como vão reagir os cubanos de Miami se fizeres agrados para o Raulzinho? O 'resto' tu tiras de letra? Que encrenca hein, ó meu?"

7/11/2008
Alexandre de Macedo Marques

"Que azar o do Olavo de Carvalho! Podia ter usado sua inteligência e cultura para disputar uma sinecura na viúva estatal, em algum Estado nordestino. Por exemplo, fiscal. Dizem que é ótimo. Certamente com o nível da concorrência passaria em primeiro lugar. Sem necessitar do empenho de algum 'coroné', cacique político ou Nézinho do Burro. Hoje estaria aposentado, dormitando seus ócios, biritando sua Pitú, lendo a 'Carta Capital'. Enfim o Paraíso após alguns poucos anos de exercício em ritmo de 'trepa, trepa no coqueiro, gip, gip, nheco, nheco'. E ainda poderia fazer coro com os muitos iguais que reclamam, via azias ideológicas, do pão-durismo da viúva (ou Collor, ou FHC...) que não atenderam aos insaciáveis apetites da sua mesquiinhez burguesa. Hoje o Olavo estaria passando as tardes em algum boteco da beira mar, jogando conversa fora, falando de forró e outras manifestações de alta cultura, tão apreciada por tão elevados espíritos. E cultivando, em vez de sabicharias de almanaque, humor rasteiro e citações do mercador Mino Carta, a sua refinada cultura. Uma vez mais, Nelson Rodrigues: 'Eles' são maioria! Arghhhhhhhhhhh!hhhhhhhhhhhhhhhhhh! Em vez disso o Olavo tem que lutar pelo pão nosso de cada dia. Bem feito! Por que não optou pelo PT?"

7/11/2008
Armando Silva do Prado

"E mais, registrem: Barack Hussein Obama, logo, logo, vai derrubar o odioso embargo à Cuba. Nada o prende aos reacionários cubanos de Miami. E talvez até elimine o campo de concentração de Guantánamo. Quem viver verá."

7/11/2008
Abílio Neto

"O que pergunto é o seguinte: por que o Olavo de Carvalho é tão incapaz de ganhar a sua vida? Por que os jornais e revistas o demitem? Qual o exemplo que ele dá para o individualismo (vencer nem que seja pisando no pescoço da mãe), célula mater do tão decantado liberalismo econômico? Sobre o resto eu não falo. Nem que seja sobre o choro de quem sente as ações da Vale despencando!"

Explanation

7/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Agora que Obama foi eleito, Bush finalmente resolveu explicar a crise com a mais profunda e completa declaração feita desde o início de seu governo. A imprensa foi chamada para uma 'coletiva' e lá, cara a cara, todo mundo com lápis e papel nas mãos, o líder falou, longa e demorafamente. Mas, não deixou dúvida nenhuma. A partir de hoje, nada mais há a discutir a respeito. Tudo está explicado, inclusive os caminhos a seguir, de modo que o novo presidente sequer terá trabalho para encaminhar o país e o mundo para dias melhores. Bush, afinal, sempre se soube, é um líder nato. E a eloqüência seu uma de suas maiores virtudes. (Clique aqui)"

Falecimento - Eusebio González

5/11/2008
Flavio Puig - escritório Martins & Salvia Advogados

"Prezados, é com pesar que comunico a perda, em circunstâncias trágicas, do Professor Eusebio González, catedrático de Dir. Tributário da Universidade Salamanca na Espanha, e um dos grandes nomes do Dir. tributário mundial. Professor exemplar tinha carinho especial pelo Brasil e pelos alunos brasileiros, razão pela qual deve este rotativo prestar-lhe as justas homenagens. (Clique aqui)"

Falecimento - Nielse Gonçalves Mouta

4/11/2008
Claudia Patricia Marçal

"Faleceu na segunda-feira, 3/11/08 o Desembargador Nielse Gonçalves Mouta. Natural da cidade de São Fidelis/RJ, iniciou sua carreira no Judiciário acreano em 1966, como escrivão. Já em 8 de maio de 1980 foi promovido ao cargo de Desembargador do Tribunal de Justiça. Posteriormente, no dia 15 de dezembro de 1982, foi eleito Presidente do TJ/AC para o biênio 1983-1984, aposentando-se no dia 12 de novembro de 1984."

Fórmula 1

3/11/2008
Abílio Neto

"Sou mau brasileiro porque ontem torci para o Hamilton, menino pobre e negro de um subúrbio londrino, mas que tem um pai maravilhoso que o educou para ser o orgulho da cor num esporte onde só existiam campeões brancos. O Sr. Anthony vivia de empreguinhos e bicos, porém sempre esteve voltado para que o filho Lewis pudesse competir com um Kart mesmo pintado à mão. Depois foi só a MacLaren acreditar no talento do rapaz que, com justiça, é o mais novo campeão da elitizada Fórmula 1."

3/11/2008
Conrado de Paulo
O Nikki Lauda declarou que aconteceu o mesmo com ele numa disputa nos idos de 1978, com James Hunt. O pneu era 'slick', e ele perdeu para Hunt nos último km, porque caiu chuva ... Conrado de Paulo
3/11/2008
Romeu A. L. Prisco

"Sem desmerecer totalmente a conquista do inglês Lewis Hamilton, o nosso Felipe Massa provou ser um grande piloto. Desta feita, quem ficou devendo foi a exigente equipe da Ferrari, que andou pisando na bola e no freio da máquina do brasileiro. Outrossim, Felipe Massa não precisa ser comparado a Ayrton Senna. Que seja comparado somente a ele mesmo, Felipe Massa."

4/11/2008
Romeu A. L. Prisco

"Acabei de ficar sabendo que devo ser um mau inglês..."

4/11/2008
Armando Silva do Prado

"Impressionante como o redundante e patrioteiro Galvão Bueno consegue criar o efeito manada entre almas alienadas, seja no futebol, seja na Fórmula 1, seja no campeonato de cuspe à distância."

5/11/2008
Romeu A. L. Prisco

"Gozado, não sei bem por que, mas, agora, entre tantos outros exemplos, ocorreu-me que, na cidade de São Paulo, a 'elite paulistana quatrocentona', da qual não faço parte, eis que sou ítalo-brasileiro, já elegeu um prefeito da raça negra, por sinal, com a ajuda do meu voto."

Fusão entre bancos

5/11/2008
Armando Silva do Prado

"Nessa história de fusão (?) entre dois bancos, muita coisa chama a atenção, como o risco para os funcionários, os clientes, etc, mas o que fica gravado é o sorriso dos dois banqueiros na mídia da unanimidade (Migalhas 2.018 - 3/11/08 - "Fusão"). Sorriso? Diria gargalhada. E escandalosa. E mais: parece que gargalham dos mortais."

Governo Lula

5/11/2008
Conrado de Paulo

"A caminho de Tucuruí, Lula foi informado que, só neste ano, até setembro, foram criados 1,9 milhões de empregos com carteiras assinadas. Mais do que os 1,8 milhões que FHC criou em oito anos."

6/11/2008
Pedro Luís de Campos Vergueiro

"Mais uma vez, depois das eleições municipais, ele volta a ser entrevistado (Fomos Leais com o PMDB e Esperamos Reciprocidade – O Estado, 5/11/08). Mais uma vez Aloizio Mercadante demonstra a que veio na política: exigir. Agora declara exigir 'reciprocidade', como decorrência de coalizações (a palavra certa é negociações) anteriores, oportunidades em que foram, eles petistas, 'generosos'... Infere-se, pois, de suas declarações que todo apoio dado por seu partido implica direitos a, embora não confessado pois diz tratar-se de 'espaço', direitos a cargos públicos nos Municípios onde o PMDB 'fez' o Prefeito. Então: o que é isso? Ganhar eleição significa fazer do Estado um butim para ser repartido em negociações? É o que parece, segundo Mercadante. E nós, cidadãos: que direito temos? Ao que parece, o bem comum do povo, pelo povo, para o povo, é coisa que os neurônios dos petistas não cogitam."

6/11/2008
Arthur Vieira de Moraes Neto

"Intão, presidenti Lula, cumé qui nóis fica?

Tem 190 milhão di brasilero

Só Pernambuco mais Alagoas dá  mais di 11 milhão.

Tem 11 milhão di cubano

Cada país tem seu presidenti prá cuidá du seu povo.

Porqui o sinhô esqueceu di nóis e foi pedi pro Obama ajudá Cuba?

Será qui os homi di lá num sabe falá?

Ela inté merece, mais  é mió pedí primero  pra  ajudá o Brasil, num acha?"

Gramatigalhas

3/11/2008
Sandoval Barreto

"Qual a frase correta: a) 'O juiz afirmou que não se há de falar em crime.' b) '...que não se há falar...' c) '...que não há falar...' Obrigado!"

3/11/2008
Marineide Salsa

"Peço mandar uma regra fácil para o emprego de dá e dar. De está e estar. Obrigada!"

4/11/2008
Alexandre de Macedo Marques

"Para dirimir de vez as minhas dúvidas pergunto ao Dr. José Maria da Costa. Qual a maneira correta da famosa boutade do filósofo Jean Paul Sartre: 'O inferno são os outros' ou 'O inferno é os outros'. A questão voltou ao meu espírito ao ler ontem o poema de Fernando Pessoa (heterônimo Alberto Caeiro) 'O guardador de Rebanhos'. A certa altura escreve o poeta 'Sou um guardador de rebanhos, / O rebanho é meus pensamentos...' Grato."

Herança maldita nos EUA

7/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"O discurso da vitória de Barack Obama, diferentemente dos políticos brasileiros, não falou em 'herança maldita', mas a verdade é que Bush está deixando uma terrível herança, principalmente quanto aos empregos nos EUA, já que o mercado de trabalho vem minguando a cada dia, como se vê. (Clique aqui)."

Honra

7/11/2008
Equipe do escritório Camargo & Pereira Advogados Associados

"Senhores, no último dia 25.10.2008, o sócio desse escritório, José Roberto Camargo, foi agraciado com o 'Troféu Giuseppe Garibaldi/2008', ofertado pelo 'Instituto Giuseppe e Anita Garibaldi', da altaneira comunidade gaúcha de Bento Gonçalves. Esteve à frente do evento o combativo periódico 'Eco do Vale'. A mencionada comenda, por ostentar o nome de tão relevante personagem da nossa história, muito nos honrou e nos deu novo alento para prosseguirmos com a nossa batalha em prol dos contribuintes brasileiros, sob os auspícios daquele bravo combatente gaúcho. Atenciosamente,"

 

Indenização

5/11/2008
Mirian de Souza Fernandes

"Deixa eu ver seu eu entendi (Migalhas 2.019 - 4/11/08 - "Migas - 2" - clique aqui)... a aluna estudos alguns anos para obter uma título que lhe daria melhores oportunidades no mercado de trabalho assim que terminasse seu curso; depois, esperou ansiosa outros tantos anos pela decisão da Justiça, para ser 'indenizada' em míseros R$ 1.900,00 por todas as oportunidades de trabalho perdidas pela falta do documento durante quase um ano? Tá se vendo que a Justiça, mais uma vez, comprova que é realmente bastante compensador ser um péssimo empresário neste país."

Isabella

4/11/2008
Conrado de Paulo

"Difícil vai ser o advogado defensor do casal encontrar argumento para evitar que sejam julgados por júri popular. Quem deve, teme. Vox populi ... (quase sempre)."

Juiz x advogado

3/11/2008
Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP

"Sr. diretor, leio a notícia "Nota de Esclarecimento" (Migalhas 2.017 - 31/10/08). Extraí da notícia o seguinte: a APAMAGIS - Associação Paulista de Magistrados manifestou 'grande preocupação' com procedimento disciplinar instaurado, pelo CNJ, em face de desembargador do TJ/SP, que, no ver da renomada instituição, consistiria em restrição à livre manifestação de pensamento e tentativa de 'manifestar o Judiciário'. Para mim, aí está o grande problema, poder os juízes de todas as instâncias manifestarem seu livre pensamento. Primeiro é uma grande farsa: sabemos que o Judiciário foi criado pelos monarcas e imperadores e ai deles se se manifestassem livremente. Tivermos um exemplo flagrante com a ditadura recente que se instalou no País. Quem se manifestasse contrário a ela, estava desligado. Tivemos três Ministros do STF desprovidos dos cargos. Com a pretensa democracia, eles pretendem a livre manifestação de pensamento e tem sucedido: liberdade de interpretação das leis. Ora, como eu disse a um Desembargador, quando o texto diz branco, eles querem poder traduzir para preto, livremente. Então criaram a Jurisprudência, cujo nome não significa absolutamente o que eles querem fazer crer. Querem livremente: desobedecer as leis. In claris cessat intepretatio tem sido desprezado, baseando-se em Ulpiano, que viveu em uma época em que a Justiça era tão somente a vontade dos senhores de então. Onde havia Justiça em Roma? Não pode haver livre arbítrio; mas a obediência ao texto legal,se quisermos ter democracia e Justiça na acepção da palavra. Todos são iguais perante as leis; e é óbvio que o Judiciário tem de cumprir as leis, não interpretá-las à vontade ou criar leis. Em meu livro A Justiça Não Só Tarda... Mas Também Falha, eu coloco inúmeras interpretações absurdas do Judiciário, prejudicando autores e réus, desprezando os textos legais. Para mim, quando desprezassem as leis, deveriam ser punidos. Não há como conviver com esse arbítrio. Atenciosamente,"

4/11/2008
Plínio Marcos Araújo da Silva

"Srs., eu não sei por que os senhores se dedicam tanto a discutir sobre direito. No final das contas tudo depende da cabeça do juiz como a bunda de bebê! Como o juiz que soltou o sujeito que dirigia bêbado e disse em um importante jornal televisivo: 'A lei não está acima da decisão do juiz...' É melhor que vocês passem somente a discorrer sobre o perfil psicológico/comportamental de cada juiz; é mais eficaz."

4/11/2008
Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP

"Sr. diretor, bem bolada a mensagem  do Plínio Marcos Araújo da Silva. Tem razão o migalheiro, agora perguntemos o porquê? Por que o Legislativo, que prolata as leis, não toma providências para coibir tais manifestações de juízes, até com punições. Temos sim um arremedo de Justiça, principalmente devido ao Legislativo que não se dá o devido respeito. Ele tem de reagir para assegurar ser respeitado, como um dos Poderes da Nação. Estamos, como se vê, na ditadura do Judiciário, que deve ser coibida se quisermos democracia na acepção do termo. Atenciosamente,"

Lei 11.800 - Proíbe propaganda ao consumidor durante solicitação

3/11/2008
Henrique Carvalhais - procurador de Sete Lagoas/ MG

"Em boa hora veio o dispositivo (Migalhas 2.016 - 30/10/08 - "Migas - 9" - clique aqui). Realmente, como assinalado pelo informativo, devia ter sido mais abrangente. Além das ofertas de serviço nos caixas eletrônicos, as caixas de mensagem cridas nos 'terminais' de atendimento pela internet já se transformaram em espaço para anúncio publicitário até mesmo de 'parceiros' dos bancos."

Lei da Anistia

4/11/2008
Luiz Leitão

"A respeito da discussão estéril e extemporânea suscitada por Tarso Genro - que não foi tão pró-direitos humanos assim, quando patrocinou a extradição sumária dos boxeadores cubanos - e Paulo Vanucchi, eu gostaria de lembrar que o mote da campanha pela anistia, talvez convenientemente esquecido por ambos, era: 'Anistia ampla, geral e irrestrita'. É preciso ser mais claro?"

7/11/2008
Armando Silva do Prado

"O ministro da defesa Nelson Jobin ao analisar a lei da Anistia, disse que devemos 'olhar para frente'. Nem um rábula chicaneiro vira-latas usaria um argumento desse nível. Imaginem o advogado Stahmer que defendia Goering, com um argumento desses. Seria extirpado de Nuremberg."

Lula e a matemática

3/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Dentre as 'pérolas' do presidente Lula, uma das melhores (ou das piores) foi aquela sobre a matemática: 'Aprendi a contar até dez, apesar de só ter nove dedos, que é para não cometer erros. Um erro em qualquer outro governo é mais um erro. No nosso, não pode acontecer'. Mas, se com nove dedos é possível contar até dez, é impossível utilizar esse engenhoso sistema de não errar a tabuada dos nove, o que, talvez, tenha provocado alguma dificuldade em multiplicações. (Clique)."

Migalaw English

3/11/2008
Daniel Bueno Cateb - escritório Salomão Cateb Advogados

"Parabéns ao Migalhas e à Mestra Luciana Fonseca pelas colunas produzidas. Aproveitando a deixa da própria colunista, no texto apresentado em 11/8/2008 (Migalhas 1.958 - "Migalaw English" - clique aqui), gostaria de saber: 'E o que acontece com os pedidos de apelação que chegam e não são julgados pela Suprema Corte? Esse poderia ser objeto de outra coluna....' Um abraço a todos os migalheiros e obrigado. Atenciosamente,"

Migalhas

5/11/2008
Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP

"Tenho doado muitos livros de minha autoria sob o título 'A Justiça Não Só tarda... Mas Também Falha.' Ao fazê-lo, faço questão de recomendar  ler Migalhas, na contra-capa, pela importância que ela representa como o órgão mais democrático que há neste País. Atenciosamente,"

6/11/2008
Romeu Agostinho Santomauro

"O Migalhas é o pão do meu café da manhã! Vocês estão de parabéns! Um grande e fraterno abraço do,"

Migalhas musicais

3/11/2008
Dávio Antonio Prado Zarzana Júnior

"É, Wilson Silveira, sobre essa migalha musical... saudades, muitas saudades..."

3/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Uma preciosidade! (do tempo do acetato). Na página do YouTube, de onde uma 'alma carioca' salvou esse vídeo, há um aviso comunicando que, devido à reclamação de direitos autorais da Disney, o vídeo não estaria mais disponibilizado na web. Ainda bem que uma 'alma carioca' o salvou. (Clique aqui)"

4/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"E, porque não uma volta ao passado, para ouvir, na voz de Jean Gabin, 'Je Sais'? (Clique aqui)"

4/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Para quem tem saudades, como o migalheiro Dávio, aí vai um pouco de Elis, a 'Pimentinha', inesquecível. Clique aqui."

Migalheiros

3/11/2008
Conrado de Paulo

"Quem avisa, amigo é! Sempre que estiver envolvido em um acidente de trânsito com um motoqueiro, registre o BO (Boletim de Ocorrência), independente de culpa. Têm ocorrido fatos em que o motoqueiro é o culpado e tenta fazer um acordo no local. Diz que está bem e não necessita de socorro médico, mas depois, ele vai a um distrito policial, registra o BO e alega que o veículo fugiu sem prestar socorro, cobrando, depois, na justiça, os dias que ficou sem trabalhar (lucros cessantes), conserto da moto e etc..."

3/11/2008
Luiz Domingos de Luna

"Juazeiro do Norte – fundação e romaria-

 

Correu o boato primeiro

No Vilarejo ignorado

No Cariri instalado

Do Ceará, o Juazeiro:

Um padre piedoso,

Acolhedor de peregrino,

No sertão nordestino,

De coração bondoso,

Instrutor do povo,

Desprovido e miserável.

 

A seca da terra arável,

O arado para o novo

De pedintes, aos sertanejos.

 

De penitentes à instrução,

Do trabalho a oração,

A sábia pregação,

No púlpito, chegou primeiro.

 

Assim nasce juazeiro

Do sertanejo, - A missão.

 

Qual era o penitente

Que não encontrava conforto

Na casinha lá do horto?

O patriarca presente,

As minas do Coxá

Para a futura messe,

A base que engrandece

A sua missão popular,

A Santa Cruz presente

No cruzeiro itinerante.

 

Não tem povo ignorante

Quando se planta a semente

Qual o raiar sem hino

Da harmonia ritmada.

 

Do Araripe - a chapada

De um povo peregrino,

O Sonho de Canaã

Jorrando leite e Mel

Nem a princesa Isabel,

Conseguiu àquela manhã.

Cícero Romão Batista, instalou

Uma nova realidade,

Juazeiro uma cidade

Que com o povo criou

Nasceu da fé popular,

No nordeste ganhou vida,

Do sertanejo a acolhida.

 

O Rezador estava lá,

A Ordem Organizada,

A Cruz que simbolizou

O patriarca aceitou

Esta grande empreitada.

 

Adjetivo se coloca,

Mas não se sabe a bonança.

Um povo com esperança.

Quando a cruz se desloca,

O cruzeiro vai à frente

Abrindo um novo destino

Do santo nordestino

Popular – Orador, Consciente.

 

Renovações cantadas,

Romarias em direção

Do sertanejo ao sertão.

Juazeiro – Em baladas

Cantai no alto da noite

O hino da Ladainha

Ao caminho, logo vinha.

Em busca de juazeiro."

4/11/2008
Kleber Borges de Moura

"Realmente, para quem é migalheiro pingo é letra. E para quem é brasileiro é sempre recomendável desconto a ser dado às informações aparentemente insuspeitas. Abraços,"

6/11/2008
Pedro Paulo Penna Trindade - OAB/SP 37.292

"A participação nos salões da Bienal de São Paulo de um artista que se apresenta nu, afronta e desrespeita a família brasileira, a qual, sem pedir, contempla tal irreverência por parte de um tresloucado que nada mais quer do que se promover. Arte é a expressão do belo e como tal não pode ser confundida com vulgaridade. Nosso povo tem sede de cultura e não de espetáculos desairosos e humilhantes como este. Infelizmente esta Bienal renunciou ao mérito e aos esforços dos bons artistas, além de expor-se ao ridículo!"

7/11/2008
Maria Gilka Bastos da Cunha

"Prezado Migalhas, estou sabendo hoje pelo dono de uma Galeria que fica na cidade Embu das Artes, que para os artesãos ocuparem a sua galeria precisam de uma licença da Prefeitura que custa R$600,00, para cada expositor. Aqui vem a melhor, sabe o nome dessa licença? Licença para artesãos ambulantes. Por conta disso a Galeria do Macrina que tem 3 andares, sendo o térreo para os artesões, o primeiro andar para exposições de arte, e o terceiro para cursos de desenho, pintura e artesanato, não vai poder inaugurar e com isso o dono está pensando em alugar o prédio. Eu já estava procurando um fotografo para tirar fotos dos meus quadros para o catalogo da minha exposição, que seria nesta galeria de arte. Veja você como um mau governo que só pensa em arrancar dinheiro de quem trabalha como é nocivo. Ao mesmo tempo que inviabiliza a atividade artística, (o dono da galeria, os artesãos, quem fabrica a matéria prima para eles, o fotografo, a gráfica, o correio, o fabricante de molduras, de tintas, etc.) cria a loteria cultural, as OS, a Virada cultural, o Revelando são Paulo, o Mapa Cultural Paulista, e mil e outros projetos para justificar o gasto público. Agradeço sua atenção e sua paciência. Um grande abraço,

Post - Esse assunto não interessa a imprensa, por quê?

O que é o que é?

4/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Uma bebida com graduação alcoólica de quinze a trinta e seis por cento de volume, a vinte graus Celsius, preparada por meio de processo tecnológico adequado que assegure sua apresentação e conservação até o momento do consumo, que não tenha sua característica organoléptica ou composição alterada pelo material do recipiente, utensílio ou equipamento utilizado no seu processamento, que não contenha qualquer substância ou ingrediente que altere as características sensoriais naturais do produto final, que apresente o sabor e o aroma dos elementos naturais contidos na matéria-prima utilizada, cujo aditivo intencional (coadjuvante de tecnologia de fabricação) atenda à legislação específica, que não contenha corantes, que não seja comercializada em recipientes e embalagens similares às de uso farmacêutico (tipo flaconetes, saches, conta-gotas, spray, ampolas, copos-medida e outros), que não contenha substância tóxica produzida por microorganismo em quantidade que possa tornar-se perigosa para a saúde humana, que não apresente contaminante microbiológico ou resíduo de agrotóxico ou outro contaminante orgânico ou inorgânico em quantidade superior ao limite estabelecido em legislação específica em vigor? O que é o que é, uma bebida elaborada dentro de todas as condições acima e que seja feita, basicamente, com os seguintes ingredientes: cachaça, limão e açúcar? Mas, o açúcar aqui permitido, é a sacarose – açúcar cristal ou refinado – não sendo permitida a substituição por açúcar invertido ou glicose e, muito menos, por edulcorantes sintéticos ou naturais. Já adivinharam? É a caipirinha! A nossa caipirinha, como definida, exaustivamente, pelo anexo IV (Regulamento Técnico para a Fixação dos Padrões de Identidade e Qualidade para Caipirinha), da Instrução Normativa nº 55, de 31 de outubro de 2008, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Uffa! Nunca pensei que houvesse, em cada caipirinha que tomei, tanta tecnologia, tanto conhecimento. E, por falar em conhecimento, clique aqui para conhecer um pouco da história da caipirinha, a bebida brasileira, agora nome origem dessa bebida consumida em todo o mundo."

Operação Satiagraha

7/11/2008
José Renato M. de Almeida - Salvador/BA

"Os ministros do STF utilizaram muitas palavras elogiando Gilmar Mendes e a eles mesmos, desqualificando e ofendendo pessoal e profissionalmente o juiz Sanctis, mas pouco se ateve à causa primeira da questão que é: Daniel Dantas solto significa prejuizo ou não às investigações e às apurações dos crimes dos quais é acusado (Migalhas 2.022 - 7/11/08 - "Quantas, Dantas ?" - clique aqui)?"

Pirataria - como controlar

3/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Todos os dias o público acompanha os esforços contra a 'pirataria', principalmente a referente às cópias não autorizadas de CDs e DVDs, encontrados à venda em galerias das grandes metrópoles como São Paulo, por exemplo. É só apreender que, de imediato, aparecem centenas de milhares de cópias piratas à venda, causando enormes prejuízos, não só aos artistas, mas às gravadoras e aos detentores de direitos autorais. Especula-se que são bilhões de dólares os prejuízos com a pirataria, não só no Brasil, mas no mundo todo, sendo tímidas as medidas que visam a restringir essa prática danosa. E a pirataria não ocorre apenas no primeiro mundo, ou nos países emergentes, mas também nos países ditos pobres, como, por exemplo, no Paquistão. Só que lá, as medidas restritivas tem mais impacto... e, certamente, mais efeito. Em Lahore, a segunda cidade do Paquistão, as vendas de filmes 'piratas', notadamente os pornográficos, tiveram queda brutal depois que o mercado Hall Road, um dos principais da cidade,  que conta com mais de 6.000 lojas, das quais cerca de 400 comercializam CDs e DVDs de músicas e filmes, e que tem um histórico de resistência às batidas policiais e das campanhas dos defensores da propriedade intelectual, decidiu abandonar as vendas de produtos piratas, após receber uma carta que ameaçava explodir o mercado caso a prática prosseguisse. Segundo Babar Ali Khan, presidente da Associação dos Comerciantes, foi uma vitória dos Talibãs que, antes, já haviam advertido o mercado por receber em suas instalações casais que não eram casados. Como se vê, a 'cruzada moral' dos talibãs, lá em Lahore, tem servido para reduzir a pirataria."

Poderes

3/11/2008
Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP

"Sr. diretor, finalmente leio no Estadão uma atitude do Legislativo para preservar sua autoridade. Só não concordo que a decisão final venha a ser do Judiciário. Da Justiça sim, mas do Legislativo a quem cabe prolatar as leis. Nós já havíamos nos manifestado sobre o assunto. Não cabia ao Judiciário prolatar leis, logo a que prolatou sobre o assunto é inconstitucional. O Dep. Regis de OLiveira já havia protestado com impugnação. É preciso o Legislativo fazer valer seu Poder. Vejo agora que também 30 Deputados fizeram valer sua autoridade. Não há ordem válida do Judiciário quando ela é inconstitucional, principalmente uma ordem ao Prolator de leis. Não se deve confundir Justiça com Judiciário. O Judiciário não é a Justiça, ele é o cumpridor de leis, só isso. Cumprimento o Legislativo pela ação e brilhantes as palavras do Dep. José Eduardo Martins Cardoso. Parabéns. Atenciosamente,"

5/11/2008
Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP

"Sr. diretor, leio na mídia:

'Justiça cassa mandato de Ivo Cassol e marca novas eleições para o governo de RO'

E pergunto: Por que Justiça? Judiciário não é Justiça, ele deve, isto sim, cumprir leis, praticar a justiça. É uma confusão inaceitável. Leio também que Justiça libera conta de Requião. Ambos os termos advêm de Jus (Direito); mas deve haver diferença de interpretação. Justiça, advém de equidade = iustitia; Judiciário de 'iudicatio, uudiciarius'. Quando publiquei meu livro A Justiça Tarda... Mas Também falha pensei: caí no mesmo erro; todavia referi-me à justiça na acepção da palavra que, quem deve aplicá-la é o Judiciário: ela, portanto, falha por culpa do Judiciário, por interpretação errônea dele. Não é a Justiça que deve ser corrigida; mas o judiciário, as falhas dele. Atenciosamente,”

5/11/2008
Milton Córdova Júnior - advogado

"'Garibaldi critica Judiciário e Executivo por exercerem função do Legislativo' (site do Senado, 5/11) Resposta:  É da competência exclusiva do Congresso Nacional zelar pela preservação de sua competência legislativa em face da atribuição normativa dos outros Poderes (Constituição Federal, Art. 49, XI). Tão simples!"

6/11/2008
Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP

"Sr. diretor, leio o comentário do dr. Milton Córdova Júnior. Com absoluta razão o migalheiro. Não cabe criticar mas agir. Bastará dizerem não, obstruírem o que é ilegal, não as aceitarem, demonstrando sua autoridade. Quanto às medidas do executivo, que devem ser aprovadas para valerem, se não forem urgentes, ignorá-las. Atenciosamente,"

Radiobrás

3/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"A Empresa Brasileira de Comunicação - Radiobrás foi uma autarquia do governo federal do Brasil criada em 1975 para gerir de maneira centralizada todas as emissoras de rádio e televisão do Governo Federal brasileiro espalhadas pelo país. Em 1988 funde-se com a Empresa Brasileira de Notícias, sucessora da antiga Agência Nacional, e muda sua denominação para Empresa Brasileira de Comunicação. Desde então, já foi vinculada ao Ministério da Comunicações, Ministério da Justiça e hoje é subordinada diretamente à Presidência da República. Ninguém assiste a Radiobrás. Assim como ninguém ouve a 'Voz do Brasil', e seus chatíssimos programas. Mas, eles se esforçam e, como todos os outros também dão as suas mancadas. Por exemplo, por ocasião das comemorações do 7 de Setembro, quando convidaram o entrevistado errado para falar sobre a independência do Brasil, que discursou sobre  os 184 anos de 'dependência' do país e da 'figura cômica' que faria o presidente Lula naquele desfile. Isso na emissora subordinada diretamente à presidência da República."

Recomendação

5/11/2008
Armando Silva do Prado

"Sobre a nota "Recomendação" (Migalhas 2.020 - 5/11/08), penso que sua excelência não deve estar seguindo à risca as prescrições do seu médico. Isso é perigoso para a saúde de tão magnífica e insubstituível figura."

6/11/2008
Aldo de Campos Costa

"Tenho que discordar do nosso querido editor quando, na nota "Nirvana", publicada em Migalhas 2.020 (5/11/08), fez pouco caso da recomendação editada recentemente pelo CNJ para que os juízes criminais do país não utilizem em seus despachos e decisões os nomes designados pela polícia para suas operações  (Migalhas 2.020 - 5/11/08 - "Recomendação"). É preciso levar em consideração, antes de mais nada, que o pronunciamentos judiciais não são fruto apenas da lógica, mas também da psique dos magistrados, que, na qualidade de cidadãos comuns, estão imersos em sua própria circunstancialidade, e, por isso mesmo, fazem refletir, nos seus atos, elementos culturais que influenciam constantemente sua formação.  Daí não se tratar de nenhum absurdo recomendar-se a não utilização das estapafúrdias denominações que vêm sendo atribuídas às operações realizadas pelo Departamento de Polícia Federal. Não se trata de minúcia desimportante, mas sim medida – eu arriscaria dizer - até certo ponto tímida. Pena ninguém ainda ter se atentado para algumas rotinas danosas presentes no sistema de justiça criminal brasileiro que também induzem a um quadro de imparcialidade: os crucifixos nas salas de audiência e tribunais de todo o país; a vinda aos autos, ainda em sede policial, de registros de feitos criminais arquivados por qualquer motivo, ou que foram alcançados pela prescrição, não importando ter havido ou reabilitação nos casos em espécie; e, ainda, a freqüente adoção, no júri, de um aforismo afeto a regimes ditatoriais que, no Brasil, virou princípio: o 'in dubio pro societate'. Não há, portanto, como afirmar que quem desembarca hoje no Brasil possa pensar que o país anda às mil maravilhas. Muito pelo contrário. Essa pessoa seria prontamente tomada pela perplexidade ao constatar que uma medida salutar como aquela somente agora tenha sido adotada, e que tantas outras igualmente importantes ainda se encontram à espera de iniciativa semelhante."

Rui Barbosa

5/11/2008
Sonia Castro Valsechi - escritório Mello Mazzini Advogados

"No Migalhas 2.020 (- 5/11/08 – "Aniversário") constou Rui Barbosa com 'i', não seria com 'y'? Ele quando soube que meu tio avô Wenceslau Brás era candidato à Presidência da República, renunciou à sua candidatura para meu tio avô ser candidato único. Que honra!"

Nota da redação o informativo Migalhas 1.865, de 26/2/08, trouxe o verbete "Ruy Barbosa ou Rui Barbosa?" na seção Gramatigalhas. Clique aqui para conferir.

5/11/2008
Roberta Resende

"Lindo o texto do professor Goffredo e louvável a lembrança de Migalhas (2.020 - 5/11/08 – "1949" - clique aqui)! Parabéns à redação!"

7/11/2008
Maria Elena Piunti Kiriazi

"Verificando que uma pessoa chamada Luiz (com Z) quando falecer passará a ser Luis (com s) que é o português correto. Ao fazer o inventário dos bens do 'de cujus' o nome poderá ser alterado? Considerando que para registrar um formal de partilha, o CRI acha 'pêlo em ovo'. Obrigada."

7/11/2008
Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP

"Sr. diretor, totalmente de acordo com o migalheiro dr. Wilson. Ruy deve ser escrito com 'Y' como o era originalmente. O mal foi essa invasão que os iluminados da Academia fizeram na linguagem. Obviamente eles não tinham o que fazer, varrendo de nossa memória os títulos clássicos, agredindo a etimologia. Certo que não copiamos dos gregos, por exemplo, certas palavras do alfabeto deles. Substituíram o 'fi' por exemplo pelo ph, o theta, pelo th, etc. Se o tivessem copiados teríamos pelo menos as pronúncias corretas. Agora vêm interventores renascer k, y, w, que nunca deveriam ter extraído, porque tinham sua função histórica na pronúncia. Felizmente eu não dou mais aula, senão os agrediria com epítetos nada saudáveis. Por que não vão plantar batatas, em vez de atormentar-nos com cultura que não têm. Parecem como certos presumidos 'juristas' que não tendo o que fazer, para aparecer, dizerem-se cultos em leis, interpretam o 'in claris', como obscuros, quando não há o que interpretar. Data venia" juízes e certos advogados. Atenciosamente,"

7/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Só escrevi Rui Barbosa para estar coerente com o título do tópico, já que o correto é Ruy Barbosa, margrado as explicações dos responsáveis por Gramatigalhas, ainda mais agora com o recente acordo ortográfico, que retornou ao alfabeto a letra 'Y', de Ruy, assim como o 'W' deste que subscreve estas linhas e que, além do comentário reproduzido por Migalhas 2.020 (que trouxe o de Migalhas 1.865), havia, também, comentado o seguinte:

"Só para complementar, chato vai ser para Arnaldo Niskier, citado pelo professor José Maria da Costa, ser lembrado, após sua morte, como 'Nisquier', ou ter que escrever o nome de seu pai (Mordko), como Mórdico e de sua mãe Fani (Fany) (Migalhas 1.865 - 26/3/08 - "Gramatigalhas" - clique aqui). Seria ridículo, acharia Arnaldo Niskier, com 'k'. Em pouco tempo, ninguém mais vai saber de quem se trata. Aliás, na própria Academia Brasileira de Letras, da qual Ruy Barbosa fez parte, indica seu nome como Rui, mas mantém Taunay com 'y', assim como Alcides Maya, Álvaro Moreyra e Cyro dos Anjos, para que não argumentem que os sobrenomes são mantidos. O mesmo acontece com Darcy Ribeiro, Franklin Távora, Ivo Pitanguy, Juracy Camargo, José Sarney, Lafayette Rodrigues Pereira, Lygia Fagundes Telles, Moacyr Scliar, Odylo Costa Filho e Raymundo Faoro, muitos já falecidos, cujos nomes foram preservados. Assim, parece que Ruy Barbosa - assim, com 'y' - vem sofrendo injusta discriminação, provocando indesejável homonímia com outros tantos Ruis que não são o 'nosso' Ruy, o Barbosa, o 'Águia de Haia', que se escreve, sim, com 'y', como outros tantos famosos que tiveram seus nomes preservados pela Academia que, também, tem por obrigação preservar o idioma pátrio e as normas ortográficas. Do futuramente, Uiçu Silveira,".

Então, essa história de manter essa discussão acerca do nome de RUY, como diria meu falecido pai, é questão de 'lana caprina'."

Seqüestro no ABC

4/11/2008
Romeu A. L. Prisco

"Na entrevista exibida no último domingo, no programa 'Fantástico', da Rede Globo, ficou evidente o 'direcionamento' de boa parte das perguntas efetuadas pela repórter, a fim de que Nayara respondesse sempre de forma a incriminar a ação policial. Questiona-se, e muito, a volta de Nayara às dependências do seqüestro, com ou sem a autorização materna, ainda que, segundo consta, a intenção da polícia fosse apenas a presença da moça até o hall de entrada do apartamento. Todavia, pressionada ou não pela polícia, bem ou mal orientada por esta, o que impediu a mãe de Nayara de se opor expressamente àquela ação? Agora, já se fala em indenização por danos morais, como se os traumas de Nayara tivessem ocorrido somente após a sua volta ao apartamente, onde antes estava apenas pela vontade do seqüestrador..."

8/11/2008
Conrado de Paulo

"Pra mim, que ela tinha algum 'elo' com Eloá!"

Só para cinéfilos

4/11/2008
Romeu A. L. Prisco

"Ontem, reassistindo pela enésima vez ao filme 'Casablanca', desta feita para testar a conversão da fita VHS em DVD, acabei fazendo uma descoberta sensacional, que, para mim, pôs fim ao mistério de 50 anos sobre a frase 'Play it again, Sam', realmente dita no curso da película. Porém, só revelo, se houver interesse de algum migalheiro, caso contrário, levarei o segredo para o túmulo!"

4/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Eu não achei a famosa frase no filme, embora também o tenha assistido várias vezes. Por isso, candidato-me a receber as informações do Mestre Prisco. E como se vê, ninguém acredita.

No site onde estão as 100 frases mais famosas do cinema, 'Frankly, my dear, I don’t give a damn' do filme 'E Tudo o Vento Levou', de 1939, ocupa o primeiro lugar, seguida de 'I’m going to make him an offer he can’t refuse' (pessoalmente é a minha favorita) do filme 'O Padrinho'. Mas há uma, igualmente famosa, que não é possível encontrar: 'Play it again, Sam'… No entanto seis das frases que lá estão pertencem a 'Casablanca', mas não 'Play it again, Sam'. É sem dúvida uma das frases mais conhecidas do mundo do cinema e atribuída, como seria de esperar, ao filme 'Casablanca'…O problema é que nunca foi pronunciada durante o filme. É atribuída a Ilsa (Ingrid Bergman) quando ela pede ao pianista Sam (Dooley Wilson) para tocar a música que para ela representa o romance vivido com Rick (Humphrey Bogart) em Paris; o que Ilsa de facto diz é 'Play it, Sam. Play 'As Time Goes By'.' Quando Rick faz o mesmo pedido a Sam diz, de uma forma pouco simpática diga-se, 'You played it for her, you can play it for me.' No entanto, a maior parte das pessoas, e podem ter visto o filme várias vezes, irá garantir que Ilsa ou Rick disseram 'Play it again, Sam'… A frase viria a ser pronunciada, mais tarde, no filme 'Uma Noite em Casablanca' dos irmãos Marx em 1946. É também o nome de um filme de Woody Allen, de 1972, onde Allen após o divórcio, tanta voltar à vida social ajudado pelo fantasma de Humphrey Bogart…É um outro filme a ver… Mas Sam tocou, para Ilsa e Rick, 'As Time Goes By', e como deve ser; a preto e branco…

- 'Play it again, Sam'

Nem Rick Blaine (Humphrey Bogart), nem Ilsa Lund (Ingrid Bergman). O diálogo mais famoso de Casablanca, clássico dirigido por Michael Curtiz em 1942, não é falado no filme. Ao solicitar ao pianista Sam (Dooley Wilson) para que toque a música que marcou seu romance com Rick, Ilsa na realidade diz:

- Play it, Sam. Play 'As Time Goes By'.

O personagem de Bogart foi bem mais ríspido ao fazer o mesmo pedido a Sam:

- You played it for her, you can play it for me!

A fala 'Play it again, Sam' na verdade foi pronunciada pela primeira vez em Uma Noite em Casablanca, filme estrelado pelos irmãos Marx em 1946. E no entanto, nove entre dez cinéfilos não pestanejariam em jurar que ouviram tal diálogo da boca de Bogart ou Bergman. Coisas da magia do cinema, que fazem, por exemplo, com que a gente veja Rick e o Capitão Renault (Claude Rains) falarem sobre o começo de uma bela amizade na cena final do filme sem que fiquemos incomodados com o fato de uma cidade localizada no meio do deserto, como Casablanca, subitamente ser encoberta por uma misteriosa neblina. Em tempo: Play it again, Sam é o título original de Sonhos de um Sedutor, comédia dirigida por Herbert Ross em 1972 e estrelada por Woody Allen. No filme, Allen interpreta um crítico de cinema que, abandonado pela mulher, busca conselhos amorosos com ninguém menos que o espírito de Humphrey Bogart, encarnado na pele de seu personagem em Casablanca. E, para provar, os dois trechos, em que nas duas vezes pedem a Sam que toque 'As times goes by', mas nunca dizendo 'Play it again, Sam'.

(Clique aqui)

(Clique aqui)

Com a palavra, pois, o Migalheiro Prisco."

5/11/2008
Romeu A. L. Prisco

"Obrigado, amigo Wilson, pelo seu sempre culto e ilustrado (no sentido literal) aparte, mormente neste tema onde você se mostra imbatível. Aliás, quase imbatível, porque, desta vez, acho que o peguei. Parte do que você ora trouxe à baila, já constou do debate anterior, quando, corrigindo minha informação prévia, reproduzi a seguinte fala de Ilsa Lund: 'Play it once, Sam. For old times' sake'. Agora, é preciso ficar bem atento aos detalhes, mais, muito mais que o dr. Watson ficou quando foi acampar com Sherlock Holmes e este, no meio da noite, acordou-o e lhe perguntou: 'olhando para o céu, Watson, o que você vê?'. Mais ou menos no início da segunda metade do filme 'Casablanca', Ilsa Lund e seu marido, Victor Laszlo, vão ao cabaré de Rick, que os recepciona. Cientes de que militares alemães também se encontram naquele local, Ilsa e Victor pedem uma mesa distante dos inimigos, pelo que Rick se propõe a atendê-los, alojando-os próximos ao piano de Sam, a quem pretende solicitar que toque 'As time goes by'. Enquanto o maitre acomoda Ilsa e Victor em sua mesa, Rick, passando ao lado de Sam, pára e, neste exato momento, debruçando-se no ouvido do pianista, cochicha: 'Play it again, Sam'. Logo em seguida, sob o comando de Victor Laszlo, ocorre a épica cena da corajosa interpretação da 'Marselhesa' pelos freqüentadores do cabaré, simpáticos à resistência francesa, em represália à cantoria dos militares alemães. Isto posto, desafio a quem quer que seja, inclusive o autor, o roteirista e o diretor do filme, se vivos ainda estivessem, que me provem o contrário, ou seja, que Rick não sussurrou no ouvido de Sam a frase que se tornou famosa e que, doravante, deixa de ser controvertida!"

6/11/2008
Dávio Antonio Prado Zarzana Júnior

"Frase por frase, que tal estas? 'Frankly, my dear, I don't give a damn' (Clark Gable - Gone With the Wind); 'Rosebud' (Orson Welles - Citizen Kane); 'Steeeeella!' (Marlon Brando - A StreetCar Named Desire); 'You can act like a man!' (Marlon Brando - The Godfather); 'Wherever there's a fight so hungry people can eat, I'll be there' (Henry Fonda, Grapes of Wrath); 'I'm your father!' (Darth Vader - The Empire Strikes Back); 'Time to die!' (Rutger Hauer - Blade Runner); 'Look up, Hannah!' (Charles Chaplin - The Great Dictator); 'Are you trying to seduce me, Mrs. Robinson?' (Dustin Hoffman - The Graduate); 'It's alive!' (Colin Clive - Frankestein); apenas para citar algumas."

6/11/2008
Romeu A. L. Prisco

"Prezado migalheiro Dávio, bem interesssante e bem a propósito as frases cinematográficas por você aduzidas neste tópico. Muito obrigado pela valiosa colaboração. Todavia, nenhuma delas causou tanto impacto e polêmica como aquela do filme 'Casablanca', que é o fulcro do debate."

Turismo no Zimbabwe

4/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"O turista deve tomar alguns cuidados no Zimbabwe. Aliás, o turista não deve ir ao Zimbabwe, já que não tem nada a fazer lá. Mas, se tiver que ir, assim que descer em Harare, a Capital, deve trocar alguns dólares pela moeda local, o dólar zimbabuano. Isso será necessário, já que, por exemplo, se desejar uma refeição (sim, no Zimbabwe há restaurantes), se você pagar em dólares americanos, o troco será em dólares zimbabuanos, o que não será nada bom para você, como mostra a foto (clique aqui), resultado de uma hiperinflação anual de mais de 100000%. Se porventura do almoço você ainda estiver com fome e pensar em fazer um lanchinho mais tarde, no hotel, por cem bilhões de dólares zimbabuanos (clique aqui), você pode comprar três ovos para preparar um omelete."

União homoafetiva

7/11/2008
Wilson Silveira - CRUZEIRO/NEWMARC PROPRIEDADE INTELECTUAL

"Nada contra, nem a favor. Aliás, muito ao contrário. Mas, como o colega Paulo Roberto Iotti Vecchiatti é um ávido leitor e, agora, também, uma escritor, trago uma extensa matéria sobre os direitos das minorias, para sua leitura de fim de semana, nada que não conheça, certamente, mas que havia em meus arquivos e decidi compartilhar. (Clique aqui)."

7/11/2008
Paulo Roberto Iotti Vecchiatti - OAB/SP 242.668

"Sr. diretor, na Califórnia, uma votação disse 'não' ao casamento civil homoafetivo (casamento gay). Quanto a esta nefasta decisão, algumas considerações jurídicas são necessárias. Democracia não é ditadura da maioria. A democracia não se limita à regra da maioria. Democracia é o regime jurídico de defesa dos direitos fundamentais, conforme reconhecido pela doutrina constitucional contemporânea. Os direitos fundamentais foram criados justamente para proteger as minorias dos mandos despóticos e totalitários das maiorias. Não estudei o Direito Estadunidense ainda, mas um referendo ou plebiscito idêntico ou análogo no Brasil seria, a meu ver, totalmente inconstitucional por afronta a direitos fundamentais basilares, como igualdade e dignidade, além da própria democracia, entendida como regime jurídico dos direitos fundamentais. Em meu livro (Manual da Homoafetividade. Da Possibilidade Jurídica do Casamento Civil, da União Estável e da Adoção por Casais Homoafetivos), defendo que o casamento civil é um direito fundamental implícito, decorrente da dignidade da pessoa humana, que por sua vez garante a todos o direito à felicidade (desde que respeitados terceiros, evidentemente, sendo que heterossexuais não são em nada prejudicados pelo casamento civil homoafetivo). Há todo um arquétipo social, um inconsciente coletivo segundo o qual só seremos felizes se nos casarmos, donde ele se identifica como implícito ao princípio da dignidade humana. Ainda que não sejam todos que queiram se casar, isso está na mentalidade de muitos, senão da maioria. Há, ainda, a questão da isonomia. O casamento civil é o único regime jurídico que confere a integral proteção do Direito de Família às uniões amorosas, logo é inconstitucional reconhecê-lo apenas a casais heteroafetivos e não a casais homoafetivos. Logo, o casamento civil homoafetivo jamais poderia ser banido pela vontade totalitária de preconceituosos (pois só o mais puro preconceito justifica essa totalitária decisão de negação deste direito). Assim, se um referendo ou plebiscito nesse sentido vier a ocorrer no Brasil, falarei com a ABGLT ou qualquer outro órgão legitimado para apresentar ação direta de inconstitucionalidade contra o ato normativo que instituir dito referendo ou plebiscito. Essa é minha posição, enquanto Especialista em Direito Constitucional pela PUC/SP."

Vagas de emprego

6/11/2008
Sergio de Vasconcelos Maruyama - Mofarrej Empreendimentos

"Perguntar não ofende (Migalhas 2.021 - 6/11/08 - "Vagas ?" - clique aqui): Quer dizer que antes eles ofereciam vagas que não tinham?"

Vale do Paraíba

3/11/2008
Alexandre de Macedo Marques

"Estranho o silêncio migalheiro sobre o surto que acometeu uma das 'valquírias' do Vale do Paraíba. Não é caso de exame de sanidade mental, não? ou de desterro em Itaguaí onde faria dobradinha com o Simão Bacamarte? Ou de uma vaguinha no ministério do Lula? Por exemplo num novo ministério, o do Desvario Geral?"

Videoconferência

3/11/2008
Marcos A. dos Reis

"(Migalhas 2.018 - 3/11/08 - "Videoconferência" - clique aqui) Despindo-me da roupagem do advogado, embora não criminalista, fico temeroso do que poderá acontecer a nós, cidadãos desprotegidos pela frágil segurança pública, com a soltura de perigosos delinqüentes, decorrente da previsível anulação de todos os feitos submetidos àquele sistema de teleconferência."

4/11/2008
Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP

"Sr. diretor, leio em Migalhas 2.018 (- 3/11/08 - "Videoconferência" - clique aqui). Bem se vê que minha sugestão cabia e, pelo visto não é somente o Congresso que deve ter um órgão de juristas-etimólogos-hermeneutas, para policiar a criação de leis; também as casas legislativas, estaduais e municipais; assim como a OAB para policiá-los, não só a criação de leis; mas nas sentenças e acórdãos do Judiciário, que discordam da Constituição e das leis, prejudicando autores e réus, como venho batendo nessa tecla, desde meu livro 'A Justiça Não Só Tarda... Mas Também Falha'. Com a absurda criação de leis, como essa, que vimos acima, quanto prejuízo não está sendo dado à Nação? Quem será responsabilizado? Já quando de eleições seria preciso ver qual o nível dos candidatos, para admiti-los, porque, pela lei agora julgada inconstitucional, podemos analisar seu nível abaixo da crítica. Eu me lembro que, quando assessor (denominado posteriormente de procurador, sem concurso público, diga-se de passagem) houve um Deputado, hoje falecido, que me fez elaborar um projeto de lei para transformar a gasolina em óleo diesel. Disse-lhe do absurdo; mas ele, na sua ignorância não quis ouvir-me. Já, quando se soube daquela propositura, deveria haver uma fórmula de aquele Deputado ser afastado; todavia foi mantido com os altos salários. A lei de punição, até de expurgo, deveria atingir a todos, quando manifestassem ignorância, ou má-fé, quer do executivo, quer do Legislativo, quer do Judiciário. Aí sim todos seriam iguais perante as leis, democraticamente. Atenciosamente,"

Xibiu

4/11/2008
Armando Silva do Prado

"Sobre a nota "Xibiu" (Migalhas 2.019 - 4/11/08), não só concordo como acrescento que, o ministro como tucano que sempre foi e mau magistrado que é, –neobobo – desde sempre faz campanha para o Serra tentando infantilmente provocar a ministra Dilma."

5/11/2008
Alexandre de Macedo Marques

"Uma confusão a mais, uma citação manipulada, a distorção de um conceito, o uso inadequado e desonesto de um chiste, tudo isso 'faiz parte' como pontificava um mentecapto participante de uma das edições do BBB (Migalhas 2.019 - 4/11/08 - "Xibiu"). Agora pegar a expressão 'neo bobo' e arrotá-la como exemplo de fina ironia em bobagens ignaro-ideológicas, merece uma correção. Aí vai. A expressão 'neobobos' foi cunhada pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso para caracterizar e descrever a malta que enchia a boca, a torto e a direito com o que consideravam o xingamento definitivo aos que se alinhavam contra os ideais marxistas de Estado-godfather: 'neoliberais'! Portanto, 'neoliberais' de um lado,devidamente xingados como neoliberais. Neobobo é o pessoalzinho da inveja militante em busca da incompetência e pouco labor recompensados.Por falar nisso, o que esse pessoalzinho entende por neoliberal? É um pássaro, um avião..."

5/11/2008
Abílio Neto

"Meu Deus, fusão de bancos, concentração do capital, oligopólio, desemprego de bancários à vista e a prazo, virada no mundo, e nem assim certas pessoas aprendem que 'neobobos' agora, comprovadamente, são os eleitores de FHC e os fanzocos da sua tropa de choque (Migalhas 2.019 - 4/11/08 - "Xibiu")! Cadê o Malan? Tô morrendo de saudades dele!"

5/11/2008
Armando Silva do Prado

"Apareceu especialista em 'neobobo' que, infelizmente para ele, se define e se desautoriza pela suas próprias algaravias e pretensões. Como diz Abílio Neto, tem sábios, sabidos e sabichões. Agora, quem são os neobobos?"

5/11/2008
Armando Silva do Prado

"Quem é neobobo hoje? É o 'neoliberal' que viu a religião fundamentalista do mercado desmanchar no ar."

5/11/2008
Olavo Príncipe Credidio – advogado, OAB 56.299/SP

"Sr. diretor, quanto ao comentário de "Xibiu" (Migalhas 2.019 - 4/11/08) eu não concordo com as expressões de ambos que possam ofender ou denegrir quem quer que seja, entre migalheiros. Deve haver o respeito mútuo. Agora, quanto a comentários sobre ministros políticos, eu tenho convicção de que ninguém seria ministro se não fosse político e Ministro do STF político eu não admito a fórmula de nomeação,que deveria ser por concurso público. Logo, seria bom, que depois de nomeado, com a farsa de elevado saber jurídico, ficasse quietinho no seu canto e se limitasse a aplicar as leis, sem dar palpites políticos, mesmo porque, se não fosse político não estaria lá, com saber jurídico ou não, o que (diga-se de passagem) muitos não comprovam o tal saber jurídico,nas suas decisões: Vêem-se pelos habeas corpus dados a marginais. Basta, pois, ser amigo do rei para estar lá. O que precisa é mudar a fórmula, se quisermos justiça. Atenciosamente."

6/11/2008
Alexandre de Macedo Marques

"A dupla 'Chutãozinho & Goróró' é impagável. Estão vivendo grandes momentos na arte do besteirol. É nossa obrigação saudar a dupla de humoristas à maneira do velho Guerreiro, 'palmas prós gajos que eles merecem'. Ainda com a colaboração de FHC aplaudamos os reis do 'nhê-nhê-nhê', em nova fase pós 'neo-bobos em tempos de cólera'. No mais, citando o Macaco Simão, 'podem ir indo que eu não vou... PT, saudações'."

6/11/2008
Abílio Neto

"Ligue não, Armando! Deixemos o Zé Vasconcelos com os seus delírios diários, tipo ‘Eu Sou o Espetáculo’ no seu tradicional estilo rococó!"

6/11/2008
Oswaldo Loureiro - advogado

"Caro redator migalheiro, o Ministro Gilmar Mendes, ao dizer que o terrorismo é crime imprescritível, apenas corrigiu gentilmente a Ministra Dilma (Migalhas 2.019 - 4/11/08 - "Xibiu"). O crime de tortura é passível de prescrição. A Ministra errou, foi além de suas sandálias. Abraços,"

6/11/2008
Alexandre de Macedo Marques

"Quá! quá! quá! Os comentários, cada vez mais tolos, revelam duas coisas. Maus bofes e baixo nível! Zé Vasconcelos? Quem é? Fui ver do que se tratava com um amigo que entende de coisas bizarras. Desconfiava que tinha algo familiar com um dos contendores, metido a entendido em exotismos. Bingo, tinha! Humor pernambucano, tipo Beberibe e Capiberibe se juntam para formar o Oceano Atlântico. O meu amigo explicou-me a piada. Achei-a meio patológica. Tá explicado. Parabéns! No mais pode convocar o parceiro. Estamos em plena temporada de 'asinum asinus fricat'. Divirtam-se rapazes! Vocês são demais. Ainda vão tirar o brilho do outro humorista pernambucano, o Luís Ignácio. Rindo, com gosto, de tanta baboseira, quá! quá! quá! Palmas e um bacalhau!"

 

7/11/2008
Armando Silva do Prado

"Estilo rococó apimentado com a sapiência rábulo chicaneira vira-latas."

7/11/2008
Alexandre de Macedo Marques

"O ataque de estúpida fúria paranóica que acometeu os dois proclamados 'esquerdistas' revela a patologia rançosa da dupla. A razão e o juízo, já perderam há muito tempo. Agora abandonaram a compostura, se é que em algum momento da vida a possuíram. Na carência de recursos intelectuais caem no palavreado chulo de discussão em boteco. E no uso da única coisa que lhes faz sentido - como auto-proclamados esquerdistas: desqualificar o oponente. A cada um, um recado: vai procurar a tua turma, infeliz!. Tchim!Tchim! e ciao!"

 

7/11/2008
Alexandre de Macedo Marques

"Dou por cumprida a missão de desmascarar os dois alucinados petralhas. Assim não mais me darei à deliciosa tarefa de enraivecê-los. Se as divertidas criaturas sentirem falta, sugiro que nas noites de lua cheia mirem,caninamente, a lua. Talvez seja mais poético. Talvez as suas atribuladas mentes tenham um pouco de sossego. Agradeço os bons momentos que me proporcionaram e as boas gargalhadas que dei ao ler os 'piropos' com que honraram a minha modesta biografia. Idiotas do mundo, sossegai! Bênçãos."

 

Envie sua Migalha