quinta-feira, 29 de outubro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Denúncia

STJ recebe denúncia contra desembargador do TJ/RR e o afasta das funções

Corte Especial acompanhou o relator Teori Zavascki, que recebeu a denúncia em relação ao crime de concussão, vantagem exigida por servidor público.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

A Corte Especial do STJ recebeu, em parte, a denúncia oferecida pelo MPF contra o desembargador Mauro José do Nascimento Campello, do TJ/RR. A Corte acompanhou, por unanimidade, o voto do ministro relator Teori Albino Zavascki, que rejeitou a denúncia com relação ao crime de responsabilidade, mas a recebeu em relação ao crime de concussão, vantagem exigida por servidor público.

Os ministros decidiram ainda afastar o desembargador do exercício de suas funções pelo prazo de um ano, sendo possível prorrogá-lo, e receber, também pelo mesmo crime, a denúncia contra Larissa Mendes Campello, ex-mulher, Clementina Mendes, ex-sogra, e Valderlaine Maia Martins, ex-servidora.

De acordo com a denúncia, Campello seria o principal mentor de uma série de irregularidades detectadas no TRE de Roraima, entre 2003 e 2005, quando ele foi presidente da Corte. A investigação do MPF mostrou que, enquanto Mauro Campello exerceu a presidência do TRE/RR, os acusados exigiram vantagem indevida de funcionários que tinham cargo em comissão no tribunal. Os funcionários eram obrigados a entregar a Larissa, a Clementina e a Valderlane parte de seus salários, sob a ameaça de perderem os seus empregos, caso se recusassem a cumprir a exigência.

Em seu voto, o ministro Teori Zavascki destacou que os fatos narrados na denúncia confirmam o crime de concussão, não merecendo nenhum reparo. Quanto ao crime de responsabilidade, o relator ressaltou que o sujeito ativo dos delitos são os ministros do STF, e não desembargador de tribunal estadual, não sendo permitida, portanto, a analogia, possível somente em casos excepcionalíssimos.

_________________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 20/5/2010 07:57