domingo, 25 de outubro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Estátua em homenagem ao Duque de Caxias, patrono do Exército brasileiro, completa 50 anos

Por iniciativa da 2ª Região Militar, representada pelo General Maurício Cardoso, lançou-se a idéia de construir um monumento em homenagem ao Duque de Caxias, Patrono do Exército Brasileiro. A "Comissão Pró-Monumento a Caxias" foi nomeada em 1939 com a atribuição de organizar um concurso público internacional de projetos. Entre seus integrantes, destacavam-se o Interventor Federal em São Paulo Adhemar de Barros, o Arcebispo de São Paulo Dom José Gaspar de Afonseca e Silva, os Generais Mauricio Cardoso e Edgar de Oliveira, e o Prefeito Francisco Prestes Maia.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Bodas de ouro !

Estátua em homenagem ao Duque de Caxias, patrono do Exército brasileiro, completa 50 anos

 

Por iniciativa da 2ª Região Militar, representada pelo General Maurício Cardoso, lançou-se a idéia de construir um monumento em homenagem ao Duque de Caxias, Patrono do Exército Brasileiro. A "Comissão Pró-Monumento a Caxias" foi nomeada em 1939 com a atribuição de organizar um concurso público internacional de projetos. Entre seus integrantes, destacavam-se o Interventor Federal em São Paulo Adhemar de Barros, o Arcebispo de São Paulo Dom José Gaspar de Afonseca e Silva, os Generais Mauricio Cardoso e Edgar de Oliveira, e o Prefeito Francisco Prestes Maia.

O projeto do escultor Victor Brecheret (Comuna di Farnese, Itália, 1894 - São Paulo, SP, 1955) foi o escolhido. Dado o sentido patriótico e militar que se queria dar à homenagem, o escultor procurou não fazer inovações. Trabalhou com ideias clássicas, resultando numa estátua eqüestre e militar.

A Comissão Pró-Monumento a Caxias e Brecheret firmaram contrato em 1942, prevendo a implantação do Monumento ao Duque de Caxias no largo do Paiçandu. Contudo, no ano seguinte, a Comissão transferiu à Prefeitura os direitos e obrigações relativos à construção do monumento, bem como o dinheiro que já arrecadara.

A partir de então, a Prefeitura passou a dialogar diretamente com o escultor, que logo finalizou o modelo em gesso, inclusive os relevos do pedestal. A Oficina de Cantaria A. Incerpi & Cia foi contratada para executar o pedestal em pedras lisas de granito cinza Mauá, acabadas a picola fina, retangulares, e esculturas do mesmo material. Ainda em 1943, a prefeitura abriu um crédito especial para as despesas com a construção do Monumento.

Brecheret terminou os modelos e os entregou à Prefeitura, oficialmente, em 1945. A partir de então, os trabalhos se tornaram lentos. O largo do Paiçandu, pensado inicialmente para a implantação do monumento, tornou-se inviável dado às dimensões avantajadas do projeto de Brecheret. Um novo local precisava ser definido. Somente no final de 1948, optou-se pela praça Princesa Isabel, junto à avenida Duque de Caxias.

No mesmo ano, a prefeitura assinou contrato com o Liceu de Artes e Ofícios para a fundição e a montagem da estátua de bronze - Caxias sobre um cavalo -, que ocuparia o alto do pedestal. A fundição foi executada entre 1948 e 1952, nas oficinas do Liceu. Para comemorar o andamento dos trabalhos, o Governador de São Paulo, Adhemar de Barros, e outras autoridades participaram de um almoço servido no interior da barriga do cavalo para cinqüenta convidados sentados e vinte em pé, em 1950.

A prefeitura assinou contrato com a firma Zarzur & Kogan em 1953, para a conclusão do monumento, incluindo a construção do pedestal, seu revestimento com as peças de granito e a colocação da estátua de bronze no topo. Entre 1956 e 1958, os trabalhos foram interrompidos, devido à falta de recursos. Uma estrutura metálica foi especialmente construída para a montagem do monumento em praça pública, que, depois de desmontada, foi utilizada pelo Liceu de Artes e Ofícios na construção de um prédio de três andares, na rua da Cantareira, onde foram instaladas salas de aula e oficinas.

Finalmente, o Monumento ao Duque de Caxias foi inaugurado no dia 25 de agosto de 1960, Dia do Soldado, às 16 horas. Ao ato, estiveram presentes o Ministro da Guerra, Marechal Odílio Denys, o então Prefeito Adhemar de Barros, o secretariado municipal, autoridades civis e militares. Vinte e duas palmeiras foram plantadas na praça Princesa Isabel, simbolizando os Estados do Brasil.

O monumento tem mais de 40 metros de altura, sendo quase 16 metros de estátua e cerca de 25 metros de pedestal, decorado com alto-relevos que retratam as participações de Caxias em campanhas militares: "Caxias em Bagé", "Reconhecimento de Humaitá", "Batalha de Itororó", "Enterro de Caxias".

Duque de Caxias

Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias (Porto de Estrela, atual Duque de Caxias/RJ, 25/8/1803 - Rio de Janeiro/RJ, 7/5/1880), foi representado sobre um cavalo, empunhando uma espada. Caxias destacou-se em várias campanhas do Exército Imperial, como na dissolução da Balaiada no Maranhão, na Guerra dos Farrapos no Rio Grande do Sul, e na Guerra do Paraguai. Ocupou os cargos de Ministro da Guerra e Marechal do Exército.

No dia 15 de agosto de 1991, o monumento foi danificado pela explosão de uma bomba. Parte do grupo escultórico que retrata a Batalha de Itororó foi atingido. A ação teria sido executada por um soldado, em protesto contra os baixos soldos dos militares. O Exército manifestou sua indignação e considerou a explosão como um ato de vandalismo, que resultou em prejuízo ao patrimônio público.

___________________
_______________

Fonte : Prefeitura de SP

___________________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 23/8/2010 16:28