terça-feira, 1 de dezembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

STJ - Não é necessário perícia em arma se existem outros meios de prova de seu emprego

6ª turma do STJ, em habeas corpus impetrado em favor de um condenado por assalto à CEF, na cidade de São Paulo, entendeu que não é necessário periciar armas utilizadas em crimes de assalto se há outros meios de prova que indiquem seu uso. A decisão acompanhou integralmente o voto do relator do processo, ministro Og Fernandes.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011


Armas

STJ - Não é necessário perícia em arma se existem outros meios de prova de seu emprego

A 6ª turma do STJ, em HC impetrado em favor de um condenado por assalto à CEF, na cidade de São Paulo, entendeu que não é necessário periciar armas utilizadas em crimes de assalto se existem outros meios de prova que indiquem seu uso. A decisão acompanhou integralmente o voto do relator do processo, ministro Og Fernandes.

O réu e outros seis homens invadiram uma agência da CEF e, utilizando armas de brinquedo, renderam os vigilantes. Os assaltantes retiraram as armas dos guardas e roubaram mais de R$ 136 mil, além de equipamentos do banco. Preso, o réu foi condenado por roubo, mas houve recurso ao TRF da 3º região, com o pedido de absolvição por insuficiência de provas. O TRF da 3º região manteve a condenação e também o aumento da pena por uso de arma de fogo.

No HC impetrado no STJ, a defesa pediu que a pena-base fosse diminuída, pois foram consideradas como antecedentes ações ainda não transitadas em julgado. Também afirmou que não poderia haver o aumento de pena pelo uso de arma de fogo, já que estas seriam de brinquedo. Além disso, alegou que as armas retiradas dos vigilantes não teriam sido periciadas, impedindo também o aumento de pena.

Em seu voto, o ministro Og Fernandes observou inicialmente que, apesar de alegar que os processos usados como maus antecedentes não teriam transitado em julgado, isso não foi comprovado pelo acusado na impetração. O relator ratificou o entendimento do TRF da 3º região no sentido de que, no momento em que os criminosos se apropriaram das armas dos vigilantes, teria ficado caracterizado o assalto à mão armada.

O ministro Og destacou, ainda, entendimento no STJ, pacificado em dezembro pela Terceira Seção, de que o emprego de arma pode ser comprovado por outros meios, como a palavra da vítima ou o depoimento de testemunhas, não havendo necessidade de apreensão e perícia do artefato.

No caso, a eficácia das armas ficaria suficientemente comprovada pelos testemunhos dos vigilantes e outros presentes na agência da CEF no momento do assalto. Também haveria as fitas de vigilância, mostrando os criminosos substituindo as armas de brinquedo pelas verdadeiras. Com essa fundamentação, a 6ª turma manteve a condenação e o aumento de pena.

____________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 10/2/2011 14:56