quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

TST - Gerente do Banco Santos consegue receber "luvas" como verba salarial

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho, reconhecendo que a verba recebida a título de "luvas" por um ex-gerente bancário de uma das empresas do grupo econômico da Massa Falida do Banco Santos S. A. trata-se de verba de natureza salarial, determinou ao banco pagar as diferenças de FGTS e respectiva multa que haviam sido indeferidas pelo Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (PR).

terça-feira, 28 de junho de 2011


Trabalhista

TST - Gerente do Banco Santos consegue receber "luvas" como verba salarial

A 4ª turma do TST, reconhecendo que a verba recebida a título de "luvas" por um ex-gerente bancário de uma das empresas do grupo econômico da Massa Falida do Banco Santos S. A. trata-se de verba de natureza salarial, determinou ao banco pagar as diferenças de FGTS e respectiva multa que haviam sido indeferidas pelo TRT da 9ª região.

Na reclamação trabalhista, o bancário pediu que as "luvas" fossem reconhecidas como verba salarial, e não indenizatória. Informou que foi admitido como gerente pela Alpha Negócios e Participações Ltda. uma das empresas do grupo econômico, mas atuava mesmo na prospecção de clientes e negócios. Disse que, para garantir sua permanência no emprego, o empregador lhe pagou "luvas" para permanecer em empresa do grupo por determinado período. O pedido foi julgado improcedente. O TRT considerou que as "luvas" tinham natureza indenizatória, uma vez que não se prestavam a retribuir o trabalho realizado pelo empregado à empresa, mas apenas assegurar que ele permanecesse nos quadros de alguma das empresas do grupo econômico.

Inconformado, o bancário recorreu à instância superior, defendendo a natureza salarial da verba, com a pretensão que ela fosse integrada ao seu salário para "fins de reflexos em FGTS mais 40%, aviso-prévio, décimos terceiros salários e férias mais 1/3". Ao examinar o recurso na 4ª turma do TST, a relatora, ministra Maria de Assis Calsing, afirmou que o Tribunal tem reconhecido a natureza salarial daquela verba "por equipará-la às 'luvas' do atleta profissional, uma vez que oferecida pelo empregador com o objetivo de tornar mais atraente a aceitação ao emprego". A relatora manifestou concordância com esse entendimento e, ao final, citou vários precedentes julgados nesse sentido. Seu voto foi seguido por unanimidade na 4ª turma.

  • Processo Relacionado : RR-1109900-15.2005.5.09.0012

____________
________

Leia mais - Amanhecidas

  • 6/6/11 - Banco Santos - Despacho da última sexta-feira do juiz de Direito Régis Rodrigues Bonvincino, da 1ª vara cível de Pinheiros, exonera Vânio Aguiar do cargo de depositário fiel da mansão do ex-banqueiro Edemar Cid Ferreira - clique aqui.

  • 2/6/11 - Banco Santos - O juiz Régis Rodrigues Bonvicino, da 1ª vara Cível de Pinheiros, profere despacho em que se recusa a estender o prazo para que a família Cid Ferreira retire os bens móveis da mansão - clique aqui.

  • 12/5/11 - Banco Santos - Novo despacho do magistrado Régis Rodrigues Bonvincino, da 1ª vara Cível de Pinheiros, envolvendo Maria Costa Cid Ferreira, esposa do ex-banqueiro - clique aqui.

  • 26/4/11 - Banco Santos - Mais um lance pitoresco no caso do Banco Santos : o despacho que autorizava Maria Costa Cid Ferreira, esposa do ex-banqueiro, a retirar da mansão bens pessoais, tinha como limite o dia de hoje - clique aqui.

________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 28/6/2011 09:34