sábado, 16 de janeiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

ADIn

Partidos políticos ajuízam ação no STF sobre tempo de propaganda eleitoral

Grupos pedem que partidos que não elegeram representantes na Câmara não participarem da divisão do tempo reservado à propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Sete partidos políticos ajuizaram ação no sobre tempo de propaganda eleitoral no rádio e na TV. A ADIn busca afastar qualquer interpretação da lei das eleições que leve partidos que não elegeram representantes na Câmara, incluindo os recém-criados, a participarem do rateio proporcional de 2/3 do tempo reservado à propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV. A matéria será analisada pelo ministro Dias Toffoli.

Ajuizaram a ação, com pedido de medida cautelar, os partidos DEM, PMDB, PSDB, PPS, PR, PP e PTB. Os partidos pedem que seja dada interpretação conforme a CF/88 ao inciso II, parágrafo 2º, artigo 47 da lei 9.504/97. Eles alegam que alguns partidos políticos criados após as últimas eleições vêm suscitando uma interpretação que poderia favorecê-los a entrar na divisão do tempo de propaganda, levando em consideração a "portabilidade" dos votos obtidos pelos deputados eleitos por seus partidos de origem, antes de migrarem para a nova legenda.

De acordo com a ação, as legendas recém-criadas argumentam que "se é legítima a criação de novos partidos políticos, igualmente legítima seria a repartição do tempo de rádio e TV", inclusive os que migraram para a nova legenda.

Para os partidos políticos que ajuízam a ADIn no Supremo, a tese da portabilidade de votos fere os princípios constitucionais da proporcionalidade, além de violar aos princípios da isonomia, da soberania popular e da anterioridade eleitoral. Para ressaltar o vínculo político-partidário no momento da eleição, as agremiações citam na ação o julgamento em que o STF decidiu que a vaga aberta em decorrência da morte do deputado federal Clodovil Hernandez caberia ao partido pelo qual foi eleito e não para o qual ele migrou, por justa causa, após a eleição.

Assim, os sete partidos pedem a concessão de medida cautelar para afastar "qualquer interpretação que venha a garantir a partidos políticos que não tenha efetivamente elegido representantes na Câmara o direito de integrar o rateio dos dois terços do tempo de propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV, a que alude o inciso II do parágrafo 2º do artigo 47 da lei das eleições". No mérito, as legendas pedem a confirmação da cautelar.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 13/6/2012 08:53