terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Banheiro

Funcionária obrigada a usar sanitário de porta aberta será indenizada

A utilização das dependências do banheiro também era acompanhada por segurança feminina.

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Uma funcionária obrigada a utilizar o sanitário de porta aberta será indenizada em R$ 5 mil por danos morais. A empresa foi condenada pela 12ª vara do trabalho de Campinas e a sentença foi mantida integralmente pela 9ª câmara do TRT da 15ª região. O TRT considerou que a prática extrapola o poder diretivo empregador e é ofensiva à intimidade, honra e imagem subjetivas, que são invioláveis.

Inconformadas com a decisão de 1ª instância, as partes recorreram. A empresa pedia a reforma da sentença por não concordar com a indenização por dano moral, insistindo que não houve prova de "qualquer tipo de lesão na esfera moral ou psíquica da reclamante".

Já a funcionária pediu a reforma quanto à fixação da multa do artigo 477. Para ela, que alegou o descumprimento do prazo estabelecido no parágrafo 6º do artigo 477 da CLT, "não foi observado o prazo para o comparecimento à entidade sindical para homologação da rescisão do contrato de trabalho".

Para o juiz convocado Flávio Landi, relator do acórdão da 9ª câmara, o dano moral de ordem subjetiva integra o domínio das atividades psíquicas, sentimentais e emocionais do ser humano, não comportando dilação probatória. De acordo com ele, a condenação da empresa ao pagamento de indenização por danos morais se impõe na espécie dos autos, na medida em que submeteu a empregada à "situação vexatória, ofensiva à sua intimidade, honra e imagem subjetivas, que são invioláveis, sendo responsável pela reparação civil, nos termos do artigo 932, inciso III, do CC/02, e do artigo 5º, inciso X, da CF/88".

Com relação ao pedido da empregada, sobre multa prevista no artigo 477 da CLT, o magistrado concluiu que "é incontroverso que o pagamento das verbas rescisórias ocorreu em 25 de setembro de 2009, ou seja, no prazo legal, uma vez que o contrato foi rescindido em 17 de setembro de 2009".

Veja a íntegra da decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 26/7/2012 15:48