sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Educação

Audiência de conciliação no STF sobre obra de Lobato termina sem acordo

Para sanar os pontos críticos do debate foi marcada outra reunião para o dia 25/9, no MEC.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

A polêmica sobre a existência de racismo em obra do autor Monteiro Lobato ainda não foi encerrada. Terminou sem acordo a audiência de conciliação realizada na noite desta terça-feira, 11, no STF.

Representantes do MEC, da AGU e da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial discutiram, com a mediação do ministro Fux, o MS impetrado pelo Iara - Instituto de Advocacia Racial e Ambiental e do pesquisador de gestão educacional Antônio Gomes da Costa Neto contra o parecer do CNE - Conselho Nacional de Educação que liberou a adoção do livro Caçadas de Pedrinho, de Monteiro Lobato, no Programa Nacional Biblioteca na Escola.

Para sanar os pontos críticos do debate foi marcada outra reunião para o dia 25/9, no MEC. O ponto central de discordância é a nulidade do parecer do CNE, que determina que Caçadas de Pedrinho seja distribuído às escolas acompanhado de nota técnica instruindo o professor a contextualizar a obra ao momento histórico em que ela foi escrita.

O ministro Fux explicou que se o MEC e o instituto não entrarem em acordo, a questão será julgada pelo plenário da Suprema Corte. Caso haja acordo, Fux irá apenas homologar a decisão.

O advogado do Iara Humberto Adami considerou a conciliação uma "vitória" do movimento. 'Esse grande celeuma foi criado por um cidadão brasileiro [o pesquisador Antônio Gomes da Costa Neto], que resolveu reclamar da situação. O avanço se dará com o detalhamento das propostas que o Ministério da Educação vai elaborar em relação à questão. Há outros livros, inclusive, que podem ser objeto de uma revisão, nesse olhar da sociedade brasileira que não tinha tanto problema com a questão racial".

Segundo Adami, a mediação conduzida pelo ministro Fux avançou em relação ao pedido inicial do instituto. "Parte para outros pedidos que estão, inclusive, fora do mandado de segurança inicial, como, por exemplo, a formação de professores. No universo de 2 milhões de professores, eles fizeram a capacitação de 69 mil. Eu acho isso muito pouco, o Estado brasileiro deve fazer muito mais", concluiu o advogado.

Publicado em 1933, Caçadas de Pedrinho relata uma aventura da turma do Sítio do Picapau Amarelo à procura de uma onça-pintada. Entre os trechos que justificariam a conclusão de racismo estão alguns em que Tia Nastácia é chamada de negra. Outra parte diz: "Tia Nastácia, esquecida dos seus numerosos reumatismos, trepou que nem uma macaca de carvão".

Em relação aos animais, um exemplo mencionado é: "Não é à toa que os macacos se parecem tanto com os homens. Só dizem bobagens". Outro é: "Não vai escapar ninguém - nem Tia Nastácia, que tem carne preta".

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 12/9/2012 08:25