sábado, 28 de novembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Dados

De janeiro a agosto, bloqueios judiciais online somaram R$ 17 bi

Montante representa 78% do que foi bloqueado durante todo o ano de 2011.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Mais de R$ 17 bi em depósitos bancários foram bloqueados eletronicamente pelo Poder Judiciário, entre janeiro e agosto deste ano, como desdobramento de ações judiciais, em que a Justiça reconhece uma dívida de caráter monetário a uma das partes envolvidas na disputa. O montante representa 78% do que foi bloqueado durante todo o ano de 2011, quando os bloqueios chegaram a R$ 22 bi.

Os dados referem-se aos bloqueios bancários feitos por meio do Bacenjud, sistema desenvolvido pelo Bacen - Banco Central do Brasil em parceria com o STJ para receber eletronicamente as ordens judiciais. Hoje o sistema é coordenado conjuntamente pelo CNJ e pelo Bacen.

O sistema foi criado em 2001 com o objetivo de facilitar e tornar mais ágil a comunicação entre o Poder Judiciário e as instituições financeiras. Por meio dele, os magistrados enviam eletronicamente ao Bacen ordens judiciais de requisição de informações, bloqueio, desbloqueio e transferência de valores bloqueados, que, por sua vez, repassa as determinações judiciais às instituições bancárias para cumprimento e resposta.

Antes da criação do Bacenjud essas operações eram feitas sempre por meio de ofícios enviados em papel. O trâmite burocrático envolvido nessas operações causava demora no cumprimento da decisão judicial, comprometendo-se a eficácia das decisões. "A atuação do Bacenjud se dá na fase de execução das decisões judiciais. E a implementação das decisões judiciais está ligada diretamente à credibilidade da Justiça", afirma o conselheiro Carlos Alberto Reis de Paula, que preside a Comissão de Gestão Estratégica, Estatística e Orçamento do CNJ.

A Justiça Estadual ainda é a responsável pelo maior montante de valores bloqueados por meio do Bacenjud: R$ 12,96 bi em 2011 e R$ 10,38 bi nos oito primeiros meses de 2012. A JT, no entanto, é a que vem apresentado o maior crescimento na utilização do sistema nos últimos anos. Até agosto, foram bloqueados R$ 5,65 bi a pedido da JT, o que corresponde a 32,6% do total bloqueado no período.

"No caso de uma dívida trabalhista reconhecida pela Justiça, isso geralmente envolve valores usados no sustento da pessoa ou de uma família. Por isso é preciso que a execução cumpra a sua finalidade", afirma o conselheiro, que também é ministro do TST. De acordo com o último levantamento, a JF foi responsável pelo bloqueio de R$ 1,26 bi até agosto de 2012 e outro R$ 1,12 bi foi bloqueado a pedido da Justiça Eleitoral.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 5/12/2012 16:10