quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Falecimento

Sálvio de Figueiredo Teixeira, ministro do STJ, falece em Brasília

O velório será neste sábado, 16, das 9h às 13h, na capela 10 do Cemitério Campo da Esperança, em Brasília.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Faleceu em Brasília, na tarde desta sexta-feira, 15, aos 73 anos, o ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira. Ex-vice-presidente do STJ, o ministro se aposentou em fevereiro de 2006, após 16 anos na Corte, dos 40 devotados à Justiça. O velório será neste sábado, 16, das 9h às 13h, na capela 10 do Cemitério Campo da Esperança, em Brasília.

Sálvio de Figueiredo era conhecido pelo seu trabalho árduo em prol da consolidação e do aprimoramento da Justiça brasileira, sempre defendendo a tese de que "no centro de tudo está o juiz". Ele participou de julgamentos da 4ª turma - órgão do qual foi presidente -, da 2ª seção e da Corte Especial do Tribunal. Foi ainda ministro titular do TSE (de 3/4/01 a 2/4/03), corregedor-geral da Justiça Eleitoral (13/3/02 a 2/4/03) e vice-presidente do STJ.

Antes de ingressar no STJ, em 18 de maio de 1989, o ministro foi juiz de Direito em MG - titular das comarcas de Passa Tempo, Sacramento, Congonhas do Campo, Betim e Belo Horizonte; juiz do Tribunal de Alçada de MG e desembargador do TJ daquele Estado. Foi cofundador da Faculdade de Direito Milton Campos, de Belo Horizonte, e professor universitário na UFMG.

Realizações

O ministro foi um dos idealizadores da Escola Judiciária Eleitoral, onde se dedicou ao projeto Eleitor do Futuro, criado para valorizar e conscientizar o jovem brasileiro, e do projeto que instituiu a Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam).

"A Enfam, hoje se instalando, é fruto de trabalho institucional iniciado na década de 70; ninguém do Judiciário brasileiro ignora quem primeiro pensou e partiu para a execução de um projeto, misto de sonho e de aventura: o jovem juiz mineiro Sálvio de Figueiredo Teixeira", lembrou a ministra Eliana Calmon, em abril de 2007, na cerimônia de instalação da escola de magistrados.

Ainda, entre as inúmeras realizações do magistrado, estão a colaboração na elaboração do novo Código Civil, na reforma do Judiciário e do Código de Processo Civil. "A vida de Sálvio de Figueiredo mostra um magistrado realizado, um professor competente e admirado, um jurista influente, de inteligência fulgurante, um visionário bem-sucedido e um jurista homenageado, reverenciado e admirado", afirmou a ministra Calmon, na mesma ocasião.

Em junho de 2008, o ministro, já aposentado, lançou o livro Compromisso com o Direito e a Justiça, coletânea de discursos, ensaios e artigos produzidos por ele durante 30 anos. A obra traz 25 textos do mais alto valor jurídico, humanístico e social, selecionados pelo próprio autor, e foi resenhada pela colunista migalheira Roberta Resende.

Homenagens

Quando da sua aposentadoria, Sálvio de Figueiredo foi homenageado pela Corte. O ministro Fernando Gonçalves, hoje aposentado, falando em nome dos demais ministros, lembrou que "não foi apenas na atividade judicante, científica e no magistério que o ministro Sálvio teve destaque e notável atuação, mas também na bandeira erguida, desde o início de sua carreira, em favor do delineamento do modelo de instituição de ensino destinada à formação de juízes".

Para o ministro aposentado Massami Uyeda, o ministro Sálvio de Figueiredo é uma referência fundamental para o direito brasileiro, pois seus julgados, até hoje, servem de norte para a maioria das decisões tomadas pelos colegiados de direito privado.

Veja abaixo notas de pesar pelo falecimento do ministro.

____________

Amagis lamenta morte de Sálvio de Figueiredo

A Amagis lamenta, com pesar, a morte do ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, um ícone do Judiciário brasileiro e idealizador da Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes (Ejef), do TJ/MG, e da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam). Era conhecido pelo intenso trabalho em favor da consolidação e do aprimoramento do magistrado e da Justiça brasileira, sempre defendendo a tese de que "no centro de tudo está o juiz". Foi um magistrado realizador, professor competente e admirado, jurista influente, homenageado e reverenciado nos 40 anos que devotou à Justiça.

Aos familiares e amigos, nossa profunda solidariedade.

Belo Horizonte, 15 de fevereiro de 2013.

Herbert Carneiro

Presidente da Amagis

NOTA OFICIAL - TJ/MG

O Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, por seu Presidente em exercício, registra, com pesar, o falecimento do MINISTRO SÁLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA, do STJ, figura exponencial da magistratura, que, em Minas Gerais, neste Tribunal de Justiça, realizou obra imperecível, sendo o grande responsável pela criação e consolidação da Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes, pioneira na formação de magistrados e pela revitalização da Escola Nacional da Magistratura, da AMB, quando convocado para ser seu Diretor, dando a esta organicidade e eficiência, realizando convênios com Escolas Judiciais de todo o Mundo e transformando-a na grande referência da cultura jurídica do país.

A magistratura mineira, origem de sua carreira luminosa, está de luto.

Belo Horizonte, 15 de fevereiro de 2013.

DESEMBARGADOR JOSÉ ANTONINO BAÍA BORGES

Presidente em Exercício do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 15/2/2013 19:05