quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Pauliceia Literária

Com autores nacionais e estrangeiros, festival trata do crime na realidade e na ficção

Encerrou-se ontem, 22, o Festival Pauliceia Literária, evento organizado pela AASP para comemorar seus 70 anos de idade.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Encerrou-se ontem, 22, o Festival Pauliceia Literária, evento organizado pela AASP para comemorar seus 70 anos de idade. De quinta a domingo, escritores brasileiros e estrangeiros cujas obras de alguma maneira relacionam-se com o crime ou a violência, dividiram com o público suas experiências e pontos de vista, mostraram um pouco de suas obras e do fazer literário.

Escolhida como homenageada do evento, a escritora paulistana Patrícia Melo, cujos livros desenvolvem-se em torno do crime e da mente do criminoso, teve sua obra comentada pelo crítico Manuel da Costa Pinto na noite de abertura, e voltou ao palco do auditório da AASP ainda outras vezes - na noite de sábado, 21, discutiu os assustadores índices da violência brasileira com Antonio Claudio Mariz de Oliveira e o cientista político Luiz Eduardo Soares, ambos com notável experiência no âmbito da segurança pública.

Em outra mesa, os escritores portugueses Inês Pedrosa e Pedro Rosa Mendes - ela com experiência de editora e cronista em periódicos, ele com larga carreira como correspondente de guerras -, chamados a comentar as fronteiras entre reportagem e ficção, lançaram contundentes denúncias sobre o estado do jornalismo em Portugal, cuja independência encontra-se seriamente comprometida pela crise econômica, ou, nas palavras de Mendes, pelo "controle da política pelas finanças", ressaltando à plateia entretida que jornalismo que não incomoda perde sua função na sociedade.

Inês Pedrosa, Michel Laub e Pedro Rosa Mendes conversam sobre jornalismo e literatura, com mediação de Ronaldo Bressane.

O escritor carioca Alberto Mussa e o jornalista e romancista Edney Silvestre conversaram sobre os crimes reais que ficam na memória e tornam-se ponto de partida para a escrita de romances; Tony Bellotto, Marçal Aquino e Maria José Silveira, autores de livros em que São Paulo é o cenário, destacaram e comentaram aspectos violentos da metrópole que vão muito além da ficção.

Sob a epígrafe liberdade de expressão, dois relatos pessoais de tempos de guerra receberam destaque em conversa mediada por Paula Miraglia: o diário de Zlata Filipovic, que aos 13 anos de idade revelou ao mundo o cotidiano do conflito na Bósnia, no início da década de 1990, e O que os cegos estão sonhando, obra híbrida em que Noemi Jaffe acrescentou reflexões suas e de sua filha ao diário feito por sua mãe enquanto prisioneira em Auschwitz. Com poucas palavras, as duas autoras desvelaram ao público a importância do registro da dor - no caso de Zlata, ela e sua família foram salvas porque jornalistas estrangeiros encontraram o diário, e no caso de Noemi, o passado doloroso será salvo do esquecimento pelas futuras gerações.

Profissional das letras e da cultura, o associado da AASP recebeu, de fato, um presentão.

_____________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 23/9/2013 09:44