quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

JT

Exigência de certidão de antecedentes criminais em seleção é discriminatória

Entendimento é da 6ª turma do TST.

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

A 6ª turma do TST não conheceu de recurso de empresa contra decisão que considerou discriminatória a exigência, em processo seletivo, de certidão negativa de antecedentes criminais. A empresa justificou a exigência com o fato de que, por se tratar de uma indústria frigorífica, utilizava facas em seu processo produtivo de produção e abate de aves.

O processo teve origem em ação ordinária anulatória, pela qual a indústria tentava anular diversos autos de infração lavrados pela fiscalização do MTE. Entre as infrações verificadas estava a de exigir a certidão negativa de antecedentes criminais. O MTE considerou a prática discriminatória e limitativa de acesso ou manutenção do emprego, conforme descrito no artigo 1º da lei 9.029/95.

A empresa, ao questionar as multas, argumentou que a fiscalização não teria mencionado nenhum candidato a emprego que não houvesse sido contratado em virtude da certidão de antecedentes criminais. Afirmou que todos possuem acesso às informações públicas, e que a exigência da certidão, por si só, não representava qualquer infração. Entendia que era um meio de promover a segurança da coletividade dentro da empresa e negou qualquer prática discriminatória, afirmando manter em seus quadros índios, homossexuais e um condenado que cumpria pena no regime semiaberto, todos tratados de forma igualitária.

A 2ª vara do Trabalho de Chapecó/SC indeferiu o pedido de anulação das multas, diante da comprovação da exigência da certidão para os candidatos a emprego. Para o juízo, a simples exigência demonstrava sua utilização "como critério para seleção de empregados, além de gerar constrangimento aos candidatos a emprego". A empresa então interpôs recurso.

O TRT da 12ª região, ao analisar o recurso, manteve o entendimento de 1ª instância. Para o tribunal, a prática não teria outro objetivo senão o de violar a intimidade e a vida privada dos candidatos, ato que contrariava os princípios e garantias constitucionais. Destacou ainda entendimento do MPT de que a exigência inibiria uma possível ressocialização dos candidatos ao emprego.

Ao analisar o recurso na turma, o ministro Aloysio Corrêa da Veiga, relator, destacou que a justificativa da empresa de que a exigência da certidão se dava pela utilização de facas extrapolava os limites do poder diretivo do empregador, "que nunca deve se sobrepor aos direitos de proteção à intimidade do empregado e à dignidade da pessoa".

Fundamentado nestes argumentos e em respeito ao princípio da máxima efetividade dos direitos fundamentais, o ministro considerou correta a decisão regional e afastou as alegações de violação dos artigos 1º da lei 9.029/95, 5º, inciso XXXIII, da CF, e 482, da CLT, como alegava a empresa, além de considerar inespecíficos para confronto de tese os acordão trazidos por ela.

Confira a decisão na íntegra.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 30/9/2013 14:48

LEIA MAIS