segunda-feira, 30 de novembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Propriedade Intelectual

Uso da expressão "país do futebol" não pode ser privativo de pessoa jurídica ou física

Empresa alegou direito de exclusividade sobre marca.

sábado, 7 de junho de 2014

"A locução 'País do Futebol' não passa de expressão descritiva, vulgar, usada para designar a paixão do brasileiro pelo esporte." A partir desse entendimento a juíza de Direito Bruna Acosta Alvarez, da 23ª vara Cível de SP, negou pretensão de empresa que alegou direito de exclusividade sobre a expressão.

A Canal Kids Show Entretenimentos Ltda. ajuizou ação contra SBF Comércio de Produtos Esportivos Ltda. e Salles Chemistri Publicidade Ltda. afirmando que é detentora do registro de marca mista, ao passo que a SBF usou a referida expressão em peças publicitárias criadas pela Salles Chemistri.

Ao analisar o caso, a magistrada consignou que ser "impossível" reconhecer o uso indevido da marca. De acordo com a julgadora, o uso da expressão "país do futebol" tem o mesmo sentido com os quais são usados "Cidade Maravilhosa" em relação à cidade do Rio de Janeiro; "Terra da Garoa" ao se referir à cidade de São Paulo; "Cidade Luz" quando se quer falar de Paris, capital da França, e outros.

"O acolhimento da pretensão formulada nestes autos importaria em criar indevido monopólio de um termo tão trivial, porquanto ficaria vedado a todos mencioná-lo, ou, ao menos, impondo-lhes o dever de agir com excessivo escrúpulo ao pretender usar tal expressão."

Para a juíza Bruna Acosta, a vantagem da Canal Kids de incorporar à sua marca expressão vulgar atrai "o ônus de criar um sinal distintivo fraco, sem originalidade marcante".

Ressaltou a magistrada que o direito de exclusividade concedido à autora é restrito à marca mista, que no caso consiste na associação da expressão com um elemento figurativo correspondente à silhueta de um jogador de futebol conduzindo a bola.

Veja a íntegra da decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 6/6/2014 15:34