segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Informação

IstoÉ indenizará Fernando Pimentel por acusação de envolvimento no mensalão

Juízo da 30ª vara Cível de BH considerou que as reportagens foram baseadas em fatos distorcidos.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

O Grupo de Comunicação Três, responsável pela revista IstoÉ, deve indenizar em R$ 60 mil o governador eleito de MG, Fernando Pimentel, por matérias em que ele foi acusado de suposto envolvimento no mensalão. Ao decidir, o juiz de Direito Geraldo David Camargo, da 30ª vara Cível de BH, observou que não se fez nenhuma prova de que o autor tivesse envolvimento no esquema, sendo que não foi indiciado, muito menos denunciado em razão de tal escândalo.

Em três edições, Pimentel, como então coordenador de campanha de Dilma Rousseff, é acusado reiteradas vezes de envolvimento em crime de corrupção e desvio de dinheiro público. Em uma das edições, o autor foi mencionado em matéria intitulada "O relatório final do mensalão" como responsável por operar caixa 2 para pagamentos do exterior.

Na reportagem intitulada "A um passo de virar réu", a revista alegou que o MP estaria aguardando conclusão de inquérito para denunciar o mineiro. Por fim, sob o título "Fruet mira Pimentel", a matéria trouxe informações de que documentos sigilosos da CPI dos Correios revelariam mais de 70 telefonemas que relacionariam o coordenador da campanha de Dilma ao mensalão.

Compromisso

De início, o magistrado ressaltou que o procurador da República Patrick Salgado Martins - citado nas reportagens como sendo o investigador que possuía documentos que comprovariam o envolvimento do autor com o esquema - negou tal afirmação. Observou ainda que Pimentel teve contra si uma ação penal na qual respondia por dispensa irregular de licitação e desvio de verbas públicas por irregularidade no convênio CDL, programa Olha Vivo, mas que não tem qualquer relação com a AP 470.

Diante disso, o juiz entendeu que "é manifesta a evidência dos autos, não se pode negar, que os réus tentam a qualquer custo envolver o autor com ilícitos penais, sem mínima prova, ou sequer indício razoável, sempre o associando ao chama mensalão".

Camargo observou ainda que, se as reportagens tratassem dos fatos relacionados à CDL-Olho Vivo, estaria demonstrado o compromisso da revista com a informação. "Mas não, queria a todo custo envolver o autor no rumoroso escândalo do mensalão."

"Não se pode negar que os réus excederam, e muito, no direito de informação, praticaram abusos, distorcendo fatos, atribuindo em manchetes jornalísticas a condição do autor do mensaleiro."

Além da indenização, a IstoÉ deverá publicar o extrato da sentença na primeira edição "após não mais comportar recurso com efeito suspensivo contra esta sentença", sob pena de multa diária de R$ 5 mil até o limite de R$ 150 mil.

O escritório Manesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques Sociedade de Advogados atuou na causa em favor do futuro governador.

Confira a decisão.

_______________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 14/11/2014 08:27