terça-feira, 19 de janeiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

TST

TST pode ter 324 novos cargos

Comissão de Trabalho da Câmara aprovou o PL que prevê a criação dos novos cargos.

domingo, 23 de novembro de 2014

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados aprovou o PL 7.902/14, que prevê a criação de 324 novos cargos no âmbito do TST. O projeto tramita de forma conclusiva e ainda será analisado pela Comissão de Finanças e Tributação e pela CCJ.

Desses 324 cargos, 270 serão de analista judiciário, área judiciária, e 54 cargos em comissão de assessor de ministro, nível CJ-3. A proposta ainda prevê a extinção de 117 cargos de técnico judiciário em diversas áreas de especialização e de dois cargos de auxiliar judiciário, especialidade apoio de serviços diversos. Tais cargos seriam extintos na medida em que vagassem.

De acordo com o TST, dos 2.125 cargos de provimento efetivo do quadro de pessoal do Tribunal, cerca de apenas 18%, ou seja, 382 são de analista judiciário, área judiciária. Para a Corte, que encaminhou a proposta, o quantitativo "está distante do ideal frente à sua função precípua".

O Tribunal argumenta ainda que, em 2013, houve um aumento de 27% de processos recebidos, cerca de 65 mil processos, em relação a 2012. Sobre a criação dos cargos de assessor de ministro, o presidente do TST, ministro Antonio Levenhagen, afirma que "a atual estrutura funcional dos gabinetes encontra-se carente de pessoal qualificado em Direito para atender ao significativo aumento da demanda processual".

"Em face das razões expostas pelo Tribunal Superior do Trabalho e pela importância que a criação dos referidos cargos será para a Justiça do Trabalho, (...) e visando a garantir o cumprimento de sua missão institucional de forma célere e efetiva à sociedade, assegurando aos cidadãos a aplicação do inciso LXXVIII, do art. 5º, da nossa Carta Magna, entendo ser oportuna e meritória a proposição ora em análise", concluiu afirmou o relator do PL, deputado Luiz Fernando Faria (PP/MG), que defendeu sua aprovação.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 21/11/2014 11:47