terça-feira, 1 de dezembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

STF

STF julga inconstitucionais leis estaduais sobre bloqueio de sinal de celulares em presídios

Maioria dos ministros entendeu que normas invadiram competência privativa da União para legislar sobre o tema.

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Por maioria, 8 votos a 3, o STF declarou inconstitucionais na sessão plenária desta quarta-feira, 3, cinco leis estaduais (da BA, MS, PR e SC) que obrigavam as empresas de telefonia móvel a instalarem equipamentos para interrupção de sinal de comunicação celular nas unidades prisionais dos Estados.

O plenário julgou procedentes cinco ADIns ajuizadas pela Associação Nacional das Operadoras Celulares (Acel) sob o argumento de que as normas afrontam a competência legislativa privativa da União. "Ao estabelecer restrições ao funcionamento da rede de telefonia celular, a lei invadiu competência legislativa privativa da União Federal".

Relator da ADIn 3835, que questiona a lei estadual 3.153/05, do MS, o ministro Marco Aurélio foi o primeiro a votar e entendeu que somente a União pode legislar sobre os serviços de telecomunicações. Ele pontuou que o texto constitucional não impede a edição de legislação estadual ou municipal que, sem versar especificamente a prestação do serviço de telecomunicações, venha a produzir algum impacto na atividade desempenhada pelas respectivas concessionárias de serviço público federal. Contudo, segundo ele, a disciplina dos serviços públicos que funcionam em todo o território nacional cabe a União.

Próximo a votar, o ministro Edson Fachin, relator da ADIn 5356 que questiona a lei estadual 4.650/15, também do MS, que obrigou as operadoras de celular a instalar bloqueadores de sinais, proferiu entendimento contrário. Para ele, os Estados têm competência por meio de legislação especifica para estabelecer essas regras. "Excetuando-se as competências exclusivas e privativas, as competências comum, concorrente e residual devem observar a regra de prevalência do interesse geral para a União, regional para os Estados, e local para os municípios."

Para o ministro, no caso concreto, incide o princípio da subsidiariedade. "O setor é mesmo dotado de uma complexa e importante sistemática de regulação, que como é sabido diz respeito a prestação de serviço público primordial para o desenvolvimento nacional no bojo da interconectada sociedade contemporânea."

O ministro Gilmar Mendes, relator da ADIn 4861, ajuizada contra a lei 15.829/12, de SC, que também determinou às empresas operadoras a instalação de bloqueadores, seguiu o entendimento do ministro Marco Aurélio. De acordo com ele, a lei Federal 10.792/03, impõe a obrigação de impedir a comunicação externa dos presidiários aos entes federativos e aos estabelecimentos penitenciários, não fazendo menção de que a obrigação seja das operadoras.

Relator das ADIns 5253 e 5327, que questionaram as normas da BA e do PR, respectivamente, o ministro Dias Toffoli, ratificando entendimento anteriormente proferido em decisão liminar, votou no sentido de inconstitucionalidade das normas. Em sua decisão, o ministro destacou que Supremo já afirmou a inconstitucionalidade de normas estaduais e distritais que impunham obrigações às concessionárias de telefonia, por configurar ofensa à competência privativa da União para legislar sobre telecomunicações. Na plenária de hoje, o ministro levantou o questionamento sobre como os celulares entram nos presídios e destacou que existe por parte dos entes federativos que editam essas leis a competência e o dever de se fazer evitar que esses aparelhos entrem nos presídios.

O ministro Luís Roberto Barroso acompanhou o entendimento de Fachin. Em seu voto, ele afirmou que são legítimas as interferências externas se elas tiverem lastro constitucional. "Eu considero que tem lastro constitucional determinar o bloqueio do uso de celular em presídios porque isso tem sido um fator de exponencial fomento de criminalidade organizada de dentro dos presídios." A ministra Rosa Weber votou no mesmo sentido.

Acompanharam o entendimento dos ministros Marco Aurélio, Gilmar Mendes e Dias Toffoli, os ministros Teori Zavascki, Cármen Lúcia, Luiz Fux, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski.

Liminares

Relator das ADIns 5327 e 5253, o ministro Toffoli concedeu, em 2015, liminares para suspender os efeitos da lei 18.293/14, do PR, e da lei 13.189/14, do Estado da BA, que obrigavam as empresas operadoras de Serviço Móvel Pessoal (SMP) do estado instalem equipamentos para identificar e bloquear sinais de telecomunicações em estabelecimentos penais e centros de socioeducação. (Veja liminar do PR e da BA)

Relator da ADIn 5356, que questiona norma no mesmo sentido do Estado do MS, o ministro Edson Fachin, indeferiu a liminar pleiteada pela Acel. Na decisão, o ministro pontuou que a competência para legislar sobre o tema é concorrente (arts. 24, I e V, e 144, CF), "atribuída à União, aos Estados e Distrito Federal para legislar sobre direito penitenciário, segurança pública e consumo." Para ele, é possível que Estados-membros e Municípios, no exercício da competência concorrente, legislem com o fito de expungirem vácuos normativos para atender a interesses que lhe são peculiares, haja vista que à União cabe editar apenas normas gerais na espécie.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 3/8/2016 15:02