segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Tipificação de delitos de informática tem parecer favorável

X

quarta-feira, 21 de junho de 2006


Hacker

Tipificação de delitos de informática tem parecer favorável


A difusão de vírus eletrônicos e a divulgação de informações depositadas em bancos de dados estão entre os delitos definidos e tipificados pelo Projeto de Lei do Senado 76/00, de autoria do senador Renan Calheiros, que recebeu ontem parecer favorável da Comissão de Educação, na forma de substitutivo. O texto será agora encaminhado à CCJ, onde receberá decisão terminativa.


O substitutivo - elaborado pelo relator da matéria, senador Eduardo Azeredo -incorporou trechos de duas outras propostas: o Projeto de Lei da Câmara 89/03 e o Projeto de Lei do Senado 137/00, de autoria do senador Leomar Quintanilha. Segundo o relator, foram recolhidas sugestões do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República e das Forças Armadas.


- Este é um projeto complexo e que trata de uma questão urgente. Tem lamentavelmente aumentado o número de crimes de informática - disse Azeredo.


Segundo a proposta, a criação ou difusão de vírus poderá ser punida com pena de reclusão de um a três anos, além de multa. O acesso indevido a dispositivo de comunicação ou sistema informatizado será punido com reclusão de dois a quatro anos, além de multa. E a divulgação de informações contidas em bancos de dados poderá resultar em pena de detenção de um a dois anos, além de multa.


O senador Romeu Tuma defendeu a "urgente" aprovação do projeto. O senador Paulo Paim lembrou a necessidade de se combater a propagação, pela Internet, do preconceito em relação à cor da pele ou da opção sexual de cada pessoa. O projeto também foi elogiado pelos senadores Ney Suassuna e Roberto Saturnino.


Proteção de dados


A CE apresentou também parecer favorável ao Projeto de Lei do Senado 321/04, de autoria do senador Sérgio Zambiasi, que estabelece a proteção dos dados pessoais detidos por entidades públicas e privadas. A proposta destina-se a evitara violação de direitos e garantias fundamentais do titular dos dados, especialmente no que se refere à liberdade de crença e à proteção da vida privada, da intimidade, da honra e da imagem.


Ao defender seu projeto, Zambiasi observou que as informações sobre a vida de cada cidadão são "mais do que nunca um instrumento poderoso" nas mãos de empresas ou entidades. Relator ad hoc, Romeu Tuma lembrou a reação ocorrida recentemente a uma proposta da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, de terceirizar a gestão de dados sobre precedentes criminais no estado. "Seria uma violência contra a individualidade de cada cidadão", definiu Tuma.


O projeto será apreciado em decisão terminativa pela CCJ.
____________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 21/6/2006 08:44