terça-feira, 20 de outubro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Tribunal de Contas

STF inicia julgamento sobre extinção do Tribunal de Contas dos municípios do CE

Autora afirma que extinção teve fins políticos, já que o TCM tem mais de 700 processos contra parlamentares e familiares.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

O plenário do Supremo iniciou nesta quinta-feira, 5, o julgamento de medida cautelar contra a extinção do Tribunal de Contas dos municípios do Ceará. Na sessão, foi lido o relatório do ministro Marco Aurélio, relator, e realizadas as sustentações orais das partes e dos amici curiae. O julgamento será retomado posteriormente para os votos dos ministros.

Na ADIn contra a Assembleia Legislativa do Ceará, a Atricon - Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil pede a declaração de inconstitucionalidade da emenda 92/17 à Constituição do Ceará, na qual é determinada a extinção e incorporação da Corte de contas municipais ao Tribunal de Contas do Estado.

A requerente defende que há violação do princípio da separação de poderes e do princípio da autonomia dos Tribunais de Contas, da impessoalidade e da moralidade administrativa e do princípio Republicano. Sustenta que ao buscar extinguir o TCM do Ceará, a emenda altera questão que está disciplinada pela CF. Alega ainda vício de iniciativa, descumprimento do devido processo legislativo e violação do princípio federativo, dado que os municípios não foram chamados a se manifestar.

A concessão de medida cautelar foi pedida ao argumento de que o posterior provimento da ação implicará em grandes custos para o Estado do Ceará, que terá que reorganizar todo o aparato administrativo do Tribunal, e acrescenta que haveria "a possibilidade concreta de prescrição de milhares de processos por conta dos atrasos decorrentes da redistribuição, reorganização e reinstrução processual".

Sustentações orais

Em nome da Atricon, o advogado Cláudio Pereira de Souza Neto defendeu na tribuna a tese de a EC ser resultado de desvio de poder, sustentando ter havido abuso no exercício da atividade legislativa pelos parlamentares. Isso porque os deputados estaduais estariam legislando em causa própria ao tentar impedir a atuação da Corte de contas. Para tal, cita que há no TCM-CE mais de 700 processos contra parlamentares, familiares e lideranças políticas associadas a parlamentares, e menciona outras medidas tomadas anteriormente para limitar a atuação da corte, como redução nos prazos de prescrição e cortes orçamentários.

O procurador-geral da Assembleia Legislativa do Ceará, Rodrigo Martiniano Aires Lins, argumentou não haver motivação para a alegada perseguição ao TCM, uma vez que nenhum deputado teve as contas rejeitadas ou foi condenado por improbidade pelo tribunal. Processos relativos a parlamentares no TCM tiveram por resultado apenas a imposição de pequenas multas, em geral por atraso no envio de contas. Cita que há tribunais de contas municipais hoje apenas no Pará, Bahia e Goiás; Maranhão e Amazonas já extinguiram os seus, assim como o Rio de Janeiro, que manteve apenas o da capital. Poderia, da mesma forma, o Ceará extinguir o seu.

Em seguida à fala das partes foram feitas seis sustentações de amici curiae, incluindo associações de funcionários e integrantes de tribunais de contas municipais, partidos políticos e o TCE/CE.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 6/10/2017 07:24