quinta-feira, 29 de outubro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

STF

Liminar suspende exigência de curso superior para agente penitenciário no DF

Decisão é do ministro do STF Alexandre de Moraes, para quem a emenda que instituiu a exigência extrapolou o projeto de lei.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

O ministro Alexandre de Moraes, do STF, concedeu medida cautelar na ADIn 4.594 para suspender a eficácia de dispositivos da lei distrital 4.508/10 alterada pelo decreto 37.747/16 que instituiu a exigência de nível superior para ingresso no cargo de agente de atividades penitenciárias no DF. A norma estipulou o prazo de sete anos para que os atuais ocupantes do cargo se adequem ao novo requisito. Na decisão, a ser submetida a refendo do Plenário, o ministro destacou que a regra foi inserida por meio de emendas parlamentares que extrapolam o objeto original do projeto de lei apresentado pelo governador.

Na ação, o governador do DF, Rodrigo Sobral Rollemberg, alega que a norma, ao alterar o nível de escolaridade exigido para os agentes, cria, ao menos indiretamente, um novo regime jurídico para os titulares do cargo. A elevação do grau de escolaridade implicaria alteração das atribuições do cargo, possibilitando modificações remuneratórias para que os vencimentos sejam compatibilizados com o novo nível de escolaridade. Ainda segundo o autor da ação, a norma estaria na verdade criando outro cargo, em desrespeito ao postulado do concurso público, inscrito no artigo 37, II, da Constituição Federal, o qual desautoriza o provimento derivado de cargos públicos quando se tratar de transposição funcional.

Ao deferir o pedido de liminar, o ministro Alexandre de Moraes ressaltou que a participação do chefe do Poder Executivo no processo legislativo constitui um dos importantes mecanismos de freios e contrapesos. Entretanto, tal iniciativa não impede a apresentação de emendas parlamentares aos projetos de lei originais. A jurisprudência do Supremo, explica o ministro, assegura a possibilidade de os parlamentares apresentarem emendas a projetos de lei cuja matéria sugere a iniciativa exclusiva de outro Poder, desde que delas não resulte "aumento de despesa pública, observada ainda a pertinência temática, a harmonia e a simetria à proposta inicial".

O relator explica que o texto original que deu origem à lei implantava apenas a modificação na denominação do cargo de "técnico penitenciário" para "agente de atividades penitenciárias". O texto não tratava das qualificações exigidas para o ingresso no cargo ou sobre qualquer outra disciplina relativa ao regime jurídico deste. Entretanto, segundo o ministro, no decorrer do processo legislativo foram acrescentados ao projeto outros dispositivos, entre os quais os impugnados nessa ADIn, todos provenientes de iniciativa parlamentar. "As emendas apresentadas extrapolaram o domínio temático da proposição original apresentada pelo Poder Executivo."

"Não houve opção política do governador para alterar requisito de investidura para o cargo, elevando o grau de escolaridade exigido. Tampouco pretendeu o projeto de lei original disciplinar novos deveres para os ocupantes do cargo de 'técnico penitenciário', determinando que concluíssem curso de ensino superior em certo prazo, o que claramente afeta o regime jurídico a que estão submetidos referidos servidores".

Os efeitos das emendas no texto original apresentado pelo governador do DF, de acordo com Moraes, está em desacordo com a jurisprudência do Supremo "no sentido de ser necessária a observância de uma estreita relação de pertinência entre o conteúdo normativo originariamente proposto pelo titular da competência exclusiva e as emendas parlamentares eventualmente apresentadas, mesmo que digam respeito à mesma matéria".

Confira a íntegra da decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 4/12/2017 08:36