quinta-feira, 22 de outubro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

STF

Para CNI, proibir aditivos em cigarros pode encerrar indústria do tabaco no país

Primeiro julgamento do ano no Supremo será de ADIn contra resolução da Anvisa.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

O primeiro processo a ser julgado pelo plenário do STF no ano judiciário de 2018 é um dos mais sensíveis em tramitação na Casa.

Trata-se da retomada de julgamento da ADIn na qual a CNI questiona a competência da Anvisa para editar a RDC 14/2012, que dispõe, entre outros, sobre a restrição no uso de aditivos nos produtos fumígenos derivados do tabaco.

O julgamento foi iniciado em sessão de novembro do ano passado, quando a ministra Rosa Weber leu o relatório da ação e foram ouvidas as sustentações orais das partes e dos amici curiae, abrangendo entidades ligadas à indústria tabagista e de combate ao uso do cigarro.

RDC 14/2012

A resolução proíbe a comercialização no país de produto fumígeno derivado do tabaco que contenha qualquer um dos seguintes aditivos:

  • substâncias sintéticas e naturais, em qualquer forma de apresentação com propriedades flavorizantes ou aromatizantes;
  • coadjuvantes de tecnologia (ou auxiliares de processo) para aromatizantes e flavorizantes;
  • aditivos com propriedades nutricionais;
  • aditivos associados com alegadas propriedades estimulantes ou revigorantes, incluindo taurina, guaraná, cafeína e glucuronolactona;
  • pigmentos ou corantes;
  • frutas, vegetais ou qualquer produto originado do processamento de frutas e vegetais, exceto carvão ativado e amido;
  • adoçantes, edulcorantes, mel, melado ou qualquer outra substância que possa conferir aroma ou sabor doce, diferente de açúcares;
  • temperos, ervas e especiarias ou qualquer substância que possa conferir aroma ou sabor de temperos, ervas e especiarias;
  • ameliorantes; e
  • amônia e todos os seus compostos e derivados.

Caráter genérico e abstrato

A CNI sustenta que a agência utilizou de sua atribuição regulamentar para atuar em caráter genérico e abstrato, na medida em que não teria apresentado argumentos técnicos que comprovem os riscos dos produtos proibidos - o que abrangeria "todos os agentes econômicos que atuam na cadeia produtiva do tabaco, desde os agricultores aos distribuidores".

A interpretação requisitada é de que essa atuação deve ser direcionada a sujeitos determinados, em situações concretas e em caso de risco à saúde excepcional e urgente. Com isso, pede a declaração de inconstitucionalidade por arrastamento da RDC 14/12.

Fim da indústria

Na petição inicial, a CNI argumenta que os os aditivos banidos pela ANVISA - como melado e extratos vegetais - são insumos lícitos e inofensivos.

"Poder-se-ia até cogitar de uma medida cautelar da Agência para proibir o uso de insumos nocivos na fabricação do cigarro. Mas não é o caso. Isso reforça o viés exclusivamente político da medida."

Político na medida em que, para a CNI, ocorreu desvio de finalidade com a RDC, que "pretende banir o cigarro fabricado no Brasil sob o pretexto de realizar controle sanitário".

Isso porque, conforme a Confederação, na prática a resolução implicaria em banimento da produção e comercialização da quase totalidade dos cigarros vendidos licitamente no mercado brasileiro, já que os cigarros vendidos no Brasil, do tipo American Blend, são produto de uma mistura de aditivos e diferentes tipos de fumo (combinação de folhas de tabaco tipo Burley, Oriental e Virgínia).

"Trata-se de composição distinta daquela predominante nos cigarros vendidos, por exemplo, no Canadá, na Austrália e no Reino Unido (Straight Virginia), em que é utilizado apenas um único tipo de fumo, o qual prescinde do uso de ingredientes. (...)

Não se trata apenas dos ditos cigarros com sabor: estes representam menos de 2% do mercado brasileiro de cigarros. O banimento de aditivos atinge, na verdade, mais de 98% da produção nacional que apresenta sabor de tabaco, com efeitos sistêmicos sobre toda a cadeia produtiva - a qual abarca desde produtores rurais, fornecedores de insumos, fabricantes, distribuidores, até os comerciantes que atuam em pontos de vendas."

Segundo a autora da ação, com o banimento de aditivos, acabam sendo discriminados os fumantes que preferem determinados tipos de cigarros; as marcas comercializadas no Brasil; além dos fornecedores de insumos e produtores nacionais.

"Obrigar as empresas a alterarem a composição dos seus produtos e proibir que as indústrias fabriquem cigarros que se diferenciem uns dos outros por seu sabor, compromete a identidade da marca, construída ao longo de vários anos. Consumidores poderão passar a rejeitar o produto, ou migrar para outros (inclusive para ilegais), o que fará com que a marca perca o valor construído."

Por fim, a CNI especula que a proibição da Anvisa pode levar, inclusive, ao aumento do consumo:

"Pode-se falar em uma tendência de que os possíveis consumidores desses produtos (novos e antigos) migrem para o mercado ilegal, que manterá o produto da preferência dos consumidores, sem controle sanitário, a preços bem mais atrativos, os quais, aliás, fizeram com que os cigarros ilegais detenham 30% do mercado de fumígenos no Brasil."

Saúde pública

Uma série de amicus curiae ingressaram na ação nos últimos anos. Embora a maioria tenha sido a favor da tese defendida pela autora, aqueles que pugnam pela constitucionalidade da RDC elencam entre os argumentos o fato de que ao editar a RDC 14/2012, a Anvisa teria desempenhado sua função legal de regular o cigarro e proteger a saúde pública. A ACTbr - Aliança de Controle do Tabagismo sustentou:

"A proibição dos aditivos deve-se ao fato de que estes ingredientes são utilizados para mascarar a irritação e o sabor desagradável do tabaco. Os aditivos aumentam a palatabilidade do tabaco e a atratividade do produto, induzindo mais pessoas ao tabagismo, em sua maioria crianças e adolescentes."

A AGU, em manifestação assinada pelo então advogado-Geral da União Luís Inácio Adams, defendeu a validade do poder regulamentar exercido pela Anvisa na edição da norma. Destacando o papel da agência na promoção da saúde pública no país, Adams afirmou ser "incontestável" que praticamente todos os países do mundo reconhecem a utilização de aditivos para tornar os produtos de tabaco mais atrativos e assim, facilitar a iniciação ao tabagismo, especialmente por crianças e adolescentes.

"A edição da Resolução n° ]4/12, a qual impõe restrições ao uso de substâncias que potencializam os danos causados por produto que gera malefícios à saúde, não extrapola o âmbito de competência normativa das agências reguladoras. Ademais, os seus artigos 6° e 7°, ao contrário da pretensão da autora, não visam a regulamentar os produtos denominados pela indústria de tabaco de produtos de sabor característico, mas sim a disciplinar aditivos utilizados para aumentar a palatabilidade e a atratividade."

Informando que cerca de 600 aditivos são utilizados atualmente na fabricação de cigarros e de outros produtos derivados do tabaco, para a AGU, há risco no uso de aditivos na fabricação de cigarros e outros produtos derivados do tabaco. Citando uma série de estudos que envolveram diferentes aditivos e seus riscos para a saúde, como um que aponta que fumantes de cigarros mentolados estariam mais expostos às substâncias cancerígenas, ou que muitos aditivos potencializam o vício, a AGU afirmou:

"As alegações de que os aditivos utilizados na manufatura dos produtos derivados do tabaco seriam inócuos à saúde é absolutamente questionável."

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 4/1/2018 08:45

LEIA MAIS

fechar

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente