quarta-feira, 28 de outubro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Liminar suspende cessão de área de porto ao Opportunity

X

terça-feira, 11 de julho de 2006

 

Porto de Santos

 

Liminar suspende cessão de área de porto ao Opportunity

 

O juiz da 4ª Vara da JF de Santos, Marcelo Souza Aguiar, impediu a Codesp (Companhia Docas do Estado de São Paulo) de entregar à Santos Brasil, do grupo Opportunity, uma área de 112 mil metros quadrados na margem esquerda do porto de Santos.

 

A diretoria da Codesp (estatal federal, vinculada ao Ministério dos Transportes) já havia assinado o aditivo contratual para cessão da área, ao preço aproximado de R$ 200 mil mensais, que está agora suspenso. A Codesp anunciou que vai recorrer da decisão.

 

O juiz deu liminar ao grupo Libra Terminais, que se achou prejudicado pela Codesp. A empresa entrou com mandado segurança, sob a alegação de que também tem interesse em explorar a área e que havia solicitado, meses antes, à Codesp a realização de licitação pública para a escolha do arrendatário do local.

 

A Santos Brasil e a Libra Terminais têm contratos de concessão, por 25 anos, com a Codesp para operação de áreas do porto de Santos. A primeira atua na margem esquerda do porto, e a segunda, na margem direita. As duas se interessaram em ocupar a área de 112 mil metros quadrados que, segundo a Codesp, é coberta por água e lama e precisará de investimento para se transformar em cais.

 

 

Área excelente

 

Na ação judicial, a Libra afirma que área é excelente para movimentação e armazenagem de cargas. Diz que, em março último, procurou a autoridade portuária e pediu que ela abrisse licitação para arrendamento da área.

 

Segundo a Libra, a Codesp demorou quatro meses para lhe responder e deu uma resposta contraditória.

 

A estatal, segundo consta na ação judicial, afirmou que o pedido não seria sequer apreciado pela diretoria porque a empresa já opera dois terminais especializados em movimentação de contêineres no porto de Santos, e há uma resolução da Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) que proíbe a concentração de mercado.

 

"Não seria o caso, até porque nós somos muito menores que a Santos Brasil, que é a maior operadora de contêineres de Santos", disse Mauro Salgado, presidente da Libra.

 

A empresa soube que a diretoria da Codesp tinha aprovado a cessão da área, sem licitação pública, para a Santos Brasil, e decidiu ir à Justiça.

 

Consta na ação judicial que quatro empresas exploram áreas no porto de Santos: Santos Brasil (764 mil metros quadrados), Libra (103 mil metros quadrados), Rodrimar (50,3 mil metros quadrados) e Tecondi (141,27 mil metros quadrados).

 

A Libra acusa a Codesp de ter arrendado outros 180 mil metros quadrados de área à Santos Brasil, também sem licitação, em agosto de 2003.

 

No dia seguinte à liminar do juiz, o "Diário Oficial" do Estado publicou o aditivo contratual entre a Codesp e a Santos Brasil. A autoridade portuária diz que só foi notificada da liminar por volta do meio-dia de ontem, quando suspendeu os efeitos do aditivo.

_____________

 

 

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 11/7/2006 08:35