quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Corrupção

Provimento do CNJ estabelece que cartórios devem comunicar operações suspeitas

Repartições deverão comunicar as suspeitas à UIF - Unidade de Inteligência Financeira.

quarta-feira, 2 de outubro de 2019

O CNJ assinou, nesta terça-feira, 1º, o provimento 88/19, que inclui os cartórios brasileiros na rede de instituições que combatem a corrupção, a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo.

De acordo com a norma, as operações que forem registradas em cartórios e que levantarem suspeita de vinculação a algum desses crimes, deverão ser comunicadas à UIF - Unidade de Inteligência Financeira, antigo Coaf.  

A norma entrará em vigor no dia 3 de fevereiro de 2020.

t

Será de responsabilidade dos notários e registradores dos cartórios avaliarem a suspeição das operações. Segundo consta no provimento, a suspeita deverá ser informada em até um dia útil após o ato ser praticado. Essas informações serão sigilosas, mas poderão ser solicitadas ao CNJ.

Conforme informações do CNJ, a edição deste provimento regulamenta parte da lei 9.613/98, sobre lavagem de dineheiro, e executa ações previstas para 2019 pelos órgãos que integram a ENCCLA - Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro.

A norma também determina que o CNB - Colégio Notarial do Brasil crie e mantenha um cadastro único de clientes do notariado, para reunir informações fornecidas pelos próprios notários de forma sincronizada.

Veja a íntegra do provimento 88.

 Informações: CNJ.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 2/10/2019 12:16