domingo, 29 de novembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Previdência

OAB/SP: Comissão de Direito Previdenciário critica "descaso do INSS"

Governo anunciou contratação de militares na reserva para solucionar fila.

sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Em nota pública divulgada nesta quinta-feira, 16, a Comissão de Direito Previdenciário da OAB/SP externa preocupação "com o descaso e com a inércia do INSS" diante dos quase dois milhões de pedidos de benefícios na fila previdenciária.

"Agora o governo aparece com uma "solução mágica": contratará sete mil servidores militares para "dar conta" de tão complicada equação."

Para a Comissão, a contratação de servidores não treinados e a terceirização de serviço permanente do Estado "é um absurdo legal e contraria o princípio constitucional da eficiência".

  • Confira abaixo a íntegra da nota.

_______________

Nota Pública - Descaso do INSS

Desde antes da publicação da Emenda Constitucional n. 103/19, quase dois milhões de pedidos de benefícios previdenciários deixaram de ser analisados e aguardam a implantação. A situação se evidenciou depois da vigência das novas regras previdenciárias daquilo que se ousou denominar de "reforma".

A situação ficou ainda pior nos últimos dias em razão da inoperância do sistema do INSS, que tem impedido os segurados e pensionistas de protocolarem seus requerimentos. O prejuízo pode ser incalculável já que, sem o protocolo, sequer o cidadão e a cidadã brasileira conseguem manter a data da entrada do requerimento. Alguns podem até perder o prazo, como é o caso das pensões por morte.

Há outro grave problema. Os processos em fase recursal encontram-se represados nas Agências da Previdência Social, sem o seu devido encaminhamento ao Conselho de Recursos da Previdência Social - CRPS, causado por problemas no sistema, o que tem gerado mais atraso nos julgamentos dos recursos.

Agora o governo aparece com uma "solução mágica": contratará sete mil servidores militares para "dar conta" de tão complicada equação.

Diante deste cenário caótico, a Comissão de Direito Previdenciário da OAB SP vem a público externar sua preocupação com o descaso e com a inércia do INSS em resolver essas questões. Não há uma nota informativa, uma resposta, ou um prazo. Absolutamente nada!

São inúmeras as pessoas que aguardam a conclusão de seus pedidos de benefícios ou que apenas pretendem fazer seu protocolo de pensão por morte, aposentadorias por idade, salário-maternidade, aposentadorias por incapacidade permanente, cujos destinatários necessitam dessa prestação para sua garantia de subsistência e o da sua família, mas que agora amargam essa espera incompreensível, vítimas do "sistema".

O prazo legal para a conclusão dos requerimentos é de 30 dias, segundo a Lei Federal 9.784/99, ou mesmo 45 dias, segundo a Lei 8.213/91, já ultrapassado há muito. Além disso, obstar o protocolo aos segurados e beneficiários fere o direito constitucional de petição, previsto no art. 5º, Inciso XXXIV, da CF/88.

É dever do governo federal e da Autarquia Previdenciária recepcionar os pedidos realizados em quaisquer dos caminhos que o próprio INSS disponibilizou (site Meu INSS, telefone 135 ou pessoalmente), sendo inadmissível essa conduta, sob o argumento de inoperância do "sistema".

A contratação de servidores não treinados, a terceirização de serviço permanente do Estado é um absurdo legal e contraria o princípio constitucional da eficiência, previsto no caput, do art. 37 da Constituição Federal.

Vale lembrar ainda que, mesmo sabendo que o segurado receberá as parcelas em atraso desde quando realizou o requerimento, haverá, de forma errônea, mais prejuízo a ele, com desconto do IRPF além do devido.

 

A OAB SP, sensibilizada com a gravidade desses problemas e suas consequências nefastas à sociedade, clama por uma solução imediata, e se coloca à disposição para contribuir naquilo que for necessário para que se alcance, o quanto antes, a proteção dos cidadãos brasileiros.

Comissão de Direito Previdenciário da OAB/SP

_______________

t

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 17/1/2020 15:50