quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Webinar

José Roberto Covac participa de webinar sobre MP 927

Orientação dada foi para que as IES criem Comitê de Sustentabilidade para atender alunos individualmente.

quinta-feira, 26 de março de 2020

José Roberto Covac, sócio da banca Covac - Sociedade de Advogados e diretor jurídico do Semesp, participou dia 24/3 do webinar "MP Nº 927" (23/3/20), no qual orientou os quase 700 inscritos de instituições de ensino superior a usar a flexibilidade que estabelece a Lei de Diretrizes e Bases da Educação - LDB,  da autonomia universitária e aplicar  na oferta de curso presencial a oferta de disciplinas online ou remota, para cumprir atividades que compõem os 200 dias de trabalho acadêmico efetivo, e cumprindo  as Portarias 343, 345 e 356 de 2020, publicadas pelo  MEC.

t

 A MP dispõe sobre as medidas trabalhistas para enfrentamento do estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6 (20/3/20), e da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus (Covid-19). "Durante o estado de calamidade pública a que se refere o art. 1º, o empregado e o empregador poderão celebrar acordo individual escrito, a fim de garantir a permanência do vínculo empregatício, que terá preponderância sobre os demais instrumentos normativos, legais e negociais, respeitados os limites estabelecidos na Constituição", explica Covac.

 A Medida Provisória ainda estabelece que, para enfrentamento dos efeitos econômicos decorrentes do estado de calamidade pública e para preservação do emprego e da renda, poderão ser adotadas pelos empregadores, o teletrabalho; a antecipação de férias individuais; a concessão de férias coletivas;  o aproveitamento e a antecipação de feriados; o banco de horas; a suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde no trabalho; o direcionamento do trabalhador para qualificação; e o diferimento do recolhimento do FGTS.

"Essa nova portaria trouxe diversas inovações nas relações de trabalho, econômicas e jurídicas das instituições e uma delas já sofreu nova alteração na terça-feira (24),  com a revogação  do art. 18  da MP 927,  com a publicação da MP Nº 928 (24/3/20),  que  permitia a suspensão do contrato de trabalho. De acordo com a medida provisória, serão atendidos prioritariamente os pedidos de acesso à informação, de que trata a Lei nº 12.527, de 2011, relacionados com medidas de enfrentamento da emergência de saúde pública, ficando suspensos, entre outros, os prazos de respostas a pedidos de acesso à informação nos órgãos ou nas entidades da administração pública cujos servidores estejam sujeitos a regime de quarentena, teletrabalho ou equivalentes e que, necessariamente, dependam de acesso presencial de agentes públicos encarregados da resposta ou agente público ou setor prioritariamente envolvido com as medidas de enfrentamento da situação de emergência", orienta Covac.

O especialista em Direito Educacional abre um parênteses e detalha que as disciplinas teóricas dos cursos da área de Saúde e dos profissionais de Medicina, Enfermagem, Fisioterapia e Farmácia podem ser oferecidas pelas IES de forma remota, mas que os alunos que já estão em períodos de estágio curricular obrigatório devem atender a pandemia. "Muitos alunos estão com resistência e medo de pegar o vírus e não querem participar. Nesse caso, a IES deve exigir que o aluno faça por escrito o pedido de dispensa ou, ao contrário, assine um termo de responsabilidade que atenderá as ações definidas pelo Governo". Por outro lado, segundo Covac, as IES também precisam exigir equipamentos e a segurança necessária para que o alunos atuem nos hospitais como estagiários.  

Covac disse ainda que os governos estaduais e as prefeituras precisam tomar medidas em situações de calamidade pública e força maior medindo as consequências, que podem ser catastróficas. "Não adianta fecharmos todas as escolas e não permitir atividades online para os alunos, reduzir os salários e carga horária dos professores em 25% se os alunos pararem de pagar suas mensalidades, pois haverá prestação de serviços educacional. Algumas medidas o remédio é tão forte que mata o doente. Vamos matar todos doentes", alertou. 

Quanto a antecipar período de férias aos professores e uso do banco de horas, Covac acredita que as IES devem fazer acordos individuais e sempre pensando nos funcionários por prioridade, acima de 60 anos ou que estejam no grupo de risco.

Por fim, Covac orientou as IES a tratar caso a caso os alunos que já tenham algum tipo de financiamento estudantil, com  problemas de pagamento de mensalidades  e que nesse período de quarentena resolvam não pagar suas mensalidades. "Alunos que não possam pagar devem ser acompanhados individualmente e buscar acordo, suspensão temporária de pagamento ou desconto, para quem precisa". Orientou também que as IES criem  um Comitê de Contingência, incluindo o tema  de Sustentabilidade da Instituição, com o objetivo de explicar para o aluno que no período em que ele fará  aulas remotas, todo o modelo teve que ser alterado,  as aulas tiveram  que ser remodelas,  e que o trabalho envolveu o corpo administrativo, docente, diretivo, coordenação de cursos, além  do custo tecnológico em todo o processo e que a educação não pode ser interrompida. E finalizou dizendo que "o contrato de prestação de serviços educacionais está sendo prestado de acordo com a Lei e na circunstância de calamidade pública, pandemia e força maior".

Clique aqui para assistir a apresentação.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 26/3/2020 09:35