sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Coronavírus

Município de Peruíbe/SP deve publicar gastos com a pandemia

Para desembargador do TJ/SP, acesso às informações é essencial para o controle da população quanto o investimento adequado do dinheiro público.

quarta-feira, 20 de maio de 2020

Município de Peruíbe/SP deve disponibilizar todas as contratações e aquisições dos gastos advindos da pandemia do coronavírus. Decisão é do desembargador Ricardo Miluzzi, da 6ª câmara de Direito Público do TJ/SP. Para Miluzzi, o acesso às informações é essencial para o controle da população quanto o investimento adequado do dinheiro público.

t

Em ação popular, advogado requereu que o município, em cumprimento às disposições da lei nacional de quarentena e da lei de acesso à informação, disponibilize em seu site oficial todos os gastos advindos da pandemia da covid-19.

O relator, desembargador Ricardo Miluzzi, considerou que o pedido estaria em consonância com a determinação legal e comunicados destacados.

"O Município de Peruíbe, ao não disponibilizar em seu site oficial os dados das aquisições realizadas com a verba recebida para o combate à doença, no total de R$ 993.662,00, não apenas descumpre as referidas disposições, como também age em afronta ao princípio constitucional da publicidade, insculpido no art. 37, da CF."

Para o magistrado, o acesso às informações sobre os gastos públicos durante a emergência do coronavírus, no qual é permitida a dispensa da licitação, é essencial para o controle da população quanto o investimento adequado do dinheiro público.

Assim, concedeu a liminar para determinar que o município cumpra as disposições das leis, disponibilizando todas as contratações e aquisições advindos da pandemia.

O município pediu o reconhecimento de preclusão do direito à resposta, alegando que os servidores estariam em sistema de home office.

Em nova decisão, o desembargador ratificou a liminar, destacando que seria possível dar cumprimento ao comando judicial até mesmo pelo celular e, ainda que tivesse necessidade de deslocar servidor, inexistiria o perigo de contágio já que os demais estão em home office.

O relator ainda destacou ser curioso que o administrador estivesse buscando fórmulas para desatender à determinação emanada de decisão, "fórmulas essas que não adotou para fazer as contratações, que agora pretende que permaneçam sem a correta e imprescindível publicidade".

O advogado Davi Teles Marçal é o autor da ação.

Veja a íntegra da decisão.

_____________

Para que o leitor encontre as notícias jurídicas específicas sobre coronavírus, reunimos todo o material em um site especial, constantemente atualizado. Acesse: www.migalhas.com.br/coronavirus

t

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 21/5/2020 13:35