quarta-feira, 25 de novembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Saneamento básico

Novo marco legal do saneamento básico é alvo de ação no STF

Para o PDT, autor da ação, as novas regras contrariam o princípio da universalização do serviço público e está "na contramão do mundo".

segunda-feira, 27 de julho de 2020

O PDT acionou o STF para questionar a validade de dispositivos do novo marco legal do saneamento básico (lei 14.026/20). Para o partido, as novas regras contrariam o princípio da universalização do serviço público e está "na contramão do mundo". A ADIn 6.492 foi distribuída ao ministro Luiz Fux.

t

Segundo o partido, as novas regras induzem as empresas privadas de saneamento e de fornecimento de água a participar de concorrências apenas em municípios superavitários, deixando os deficitários sob a responsabilidade exclusiva dos municípios e dos estados.

Para o PDT, como consequência da metodologia, os municípios que não têm viabilidade econômico-financeira para custear os serviços terão a prestação comprometida, atingindo direitos fundamentais e penalizando a população mais pobre. Isso, ao lado da possibilidade de criação de um monopólio do setor privado nos serviços essenciais de acesso à água e ao esgotamento sanitário, contraria o princípio da universalização do serviço público.

"Contramão do mundo"

O PDT argumenta, ainda, que o novo marco viola a autonomia federativa, ao condicionar o apoio da União aos municípios à subserviência destes a seus dispositivos, entre eles o que determina a elaboração obrigatória de formas de prestação regionalizada, e conferir à ANA - Agencia Nacional das Águas a competência para criar normas de caráter regulamentador, que seria autoridade dos municípios.

Na avaliação do partido, o Brasil está indo "na contramão do mundo", onde 884 municípios em mais de 35 países reestatizaram seus serviços de saneamento de 2000 a 2017.

Fonte: STF.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 27/7/2020 14:09