sábado, 5 de dezembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Trabalhista

Funcionário que era parte em esquema de desvio de mercadoria tem mantida justa causa

9ª turma do TRT da 2ª região concluiu que houve ato de improbidade hábil a dar lastro à dispensa.

quinta-feira, 27 de agosto de 2020

A 9ª turma do TRT da 2ª região, por unanimidade, negou provimento a recurso de funcionário para que fosse revertida sua demissão por justa causa. O colegiado decidiu manter sentença que autorizou a demissão após concluir que o trabalhador fazia parte de um esquema de desvio de mercadoria de uma empresa atacadista.

t

O funcionário interpôs recurso requerendo a reforma de sentença no tocante à dispensa por justa causa e às verbas rescisórias. Segundo o trabalhador, a empresa aplicou justa causa alegando que ele faria parte de um esquema de desvio de mercadorias junto com outros funcionários da empresa, o que ele nega. Assim, requereu a reversão para dispensa imotivada e pagamento do período estabilitário por ocupar cargo de direção.

A empresa, por sua vez, alegou que foi aplicada a pena de dispensa por justa causa, por ato de improbidade, sustentando que o funcionário participava de uma fraude com outros dois empregados na qual não se registrava uma parte dos produtos adquirido pelos clientes e liberava a saída deles, mesmo que as notas estivessem irregulares.

A desembargadora Valéria Pedroso de Moraes, relatora, ponderou que na doutrina, inúmeras são as teorias a respeito dos requisitos necessários à configuração da justa causa, sendo que a maioria indica: prática de um ato faltoso, que haja causalidade e efeito, seja atual e grave.

A magistrada analisou o conjunto probatório cujo relatos de testemunhas comprovaram que o funcionário realizava o esquema fraudulento.

"Frise-se que o próprio reclamante, admitido pela ré para a função de 'Fiscal de Seção', reconhece que deixou de realizar algumas conferências por conta do volume de trabalho, enquanto a testemunha trazida pelo próprio autor afirmou em seu depoimento 'que a conferência é feita mediante comparativo entre os produtos e a nota; que era possível conferir todas as mercadorias'."

Neste sentido, o colegiado concluiu que o conjunto probatório comporta concluir que houve ato de improbidade hábil a dar lastro à dispensa por justa causa.

A empresa foi defendida pelo escritório Jubilut Advogados.

  • Processo: 1000457-55.2019.5.02.0232

Veja a decisão.

____________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 27/8/2020 10:20