segunda-feira, 26 de outubro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Sessão virtual

Desembargadora fala ao telefone enquanto advogada realiza sustentação oral em sessão virtual

Caso aconteceu durante sessão virtual da 1ª câmara Criminal do TJ/ES. Magistrada é relatora de HC que estava sendo julgado.

sexta-feira, 25 de setembro de 2020

Na última quarta-feira, 23, em sessão virtual realizada pela 1ª câmara Criminal do TJ/ES, a desembargadora relatora de um HC, Elisabeth Lordes, chamou atenção por estar ao celular enquanto a advogada do caso realizava a sustentação oral.

Quando a magistrada desligou o telefone, ela pediu desculpas e esclareceu que a ligação se tratava de algo "pessoal e importante". No entanto, a sustentação oral já havia ocorrido. Veja:


Relembre

Recentemente, também durante sustentação oral, o ministro do STJ Napoleão Nunes protagonizou cena inusitada. Por quase um minuto, o ministro lixou as unhas enquanto o advogado da AGU realizava sustentação oral na sessão de julgamento da Corte Especial do STJ.


No TJ/MT, o procurador Paulo Padro esqueceu o microfone ligado e teve problemas de flatulência.


Em abril deste ano, também por um descuido com os equipamentos eletrônicos, o desembargador Carmo Antônio, do TJ/AP, chamou a atenção ao aparecer em uma sessão em vídeo usando nada mais do que coisa alguma: descamisado.


Na 7ª sessão ordinária da 4ª câmara Cível do TJ/ES, um desembargador deu um docinho na boca de uma servidora durante julgamento online.


Nem os ministros do Supremo estão livres de gafes virtuais. O ministro Gilmar Mendes pediu desculpas por soltar um palavrão ao fim de uma live. Após se despedir dos interlocutores, S. Exa. soltou uma "porra" enquanto se retirava, sem saber que a gravação continuava.


Já durante uma sessão do pleno do STF, a netinha de Marco Aurélio apareceu na sala onde o avô proferia seu voto. Ao fundo, é possível ouvi-la dizer: "Vovôôô!".


Flamenguista declarado, o ministro Marco Aurélio mais uma vez demonstrou sua paixão pelo time. Em sessão plenária, enquanto proferia seu voto em ação sobre dossiê do MJ contra os servidores antifascistas, o celular do vice-decano começou a tocar em alto e bom som: "Uma vez Flamengo, Sempre Flamengo".


No TJ/PB, durante sessão da 4ª câmara Cível, o procurador de Justiça José Raimundo roubou a cena pegando no sono ao vivo. Os desembargadores não conseguiram conter a risada diante do longo cochilo do colega.

 

 


Em julho, o desembargador José Manzi parece não ter percebido que o microfone estava ligado e disparou: "isso, faz essa carinha de filha da puta". Fato aconteceu durante manifestação da relatora do processo em julgamento, a desembargadora Quézia Gonzalez.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 25/9/2020 10:37

LEIA MAIS