sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Comunicação

Aras defende que serviços de streaming não estão submetidos ao mesmo regime jurídico de TVs por assinatura

Ação de produtoras de TV pede, no STF, tratamento isonômico a empresas fornecedoras de conteúdo audiovisual na internet.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

Em manifestação ao STF, o procurador-geral da República, Augusto Aras, opinou pelo não conhecimento e pelo desprovimento de ação que pede a inconstitucionalidade de qualquer interpretação que permita o fornecimento remunerado de conteúdo audiovisual na internet a partir do mesmo regime jurídico das TVs por assinatura.

(Imagem: Rosinei Coutinho/SCO/STF.)

(Imagem: Rosinei Coutinho/SCO/STF.)

Na ação, a Bravi - Associação Brasileira de Produtores Independentes de Televisão contesta a validade de dispositivos do Marco Civil da Internet (lei 12.965/14) e da lei da Liberdade Econômica (13.874/19) por suposta violação dos princípios da livre iniciativa e da livre concorrência, bem como a promoção do acesso às fontes de cultura nacional.

A associação alega que o serviço fornecido pelas empresas de streaming seria idêntico ao realizado pelos meios tradicionais da TV por assinatura, portanto deve ser reconhecida a existência de serviço concorrente ao oferecido pelas prestadoras de Serviços de Acesso Condicionado, fato que demandaria submissão à lei 12.485/11, tanto sob o ponto de vista regulatório quanto tributário. Pontua, ainda, que os interesses constitucionais tutelados pela lei se referem ao conteúdo transmitido, sendo irrelevante o meio de transmissão. Por fim, a entidade solicita concessão de medida cautelar para que se determine a observância do art. 222 da Constituição e da referida lei.

Exploração de conteúdo

No parecer, o PGR afirma que a ação não deve ser conhecida, uma vez que "o pleito demandaria exame de legislação infraconstitucional, análise inviável em controle concentrado, sendo a ofensa à Constituição meramente reflexa". No documento, o PGR salienta, ainda, que "os dispositivos constitucionais mencionados pela requerente apenas enumeram princípios da comunicação social, não dispondo sobre regimes de exploração de conteúdo audiovisual".

Segundo Aras, para definir o enquadramento operacional de serviços audiovisuais seria necessário "o exame de legislação infraconstitucional, sendo a alegada ofensa à Constituição Federal apenas indireta, o que impede o conhecimento da ação direta, conforme reiterada jurisprudência do STF".

No mérito, Aras se posicionou contrário ao pleito da associação, a partir do entendimento de que a pretensão buscada também afronta o princípio da divisão funcional de Poderes. Ao contestar a constitucionalidade dos dispositivos, a Bravi questionou interpretação da Anatel em uma decisão que adotou critérios técnicos para definir os serviços dos aplicativos de conteúdo audiovisual pela internet como sendo de valor agregado, afastando a aplicação das normas que regulam os serviços de acesso condicionado.

Nesse sentido, o PGR lembrou que "não cabe ao Poder Judiciário substituir-se à agência especializada a fim de estabelecer solução técnica, sob pena de invadir campo reservado ao ente regulador, e consequentemente, afrontar o princípio da divisão funcional de Poder".

Leia o parecer

Informações: MPF.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 7/12/2020 11:17

LEIA MAIS