sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Investimento

Caderneta de poupança completa 160 anos

A poupança significou, ao longo da história, importante papel para muitas pessoas alcançarem liberdades que vão além da questão financeira.

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

A caderneta de poupança completa 160 anos nesta terça-feira, 12. A poupança significou, ao longo da história, importante papel para muitas pessoas alcançarem liberdades que vão além da questão financeira.

Ao aceitar depósitos feitos por escravos, a poupança representou, no passado, uma importante ferramenta para que, ao guardar suas economias, parte da população escravizada conseguisse "comprar" a alforria.

(Imagem: Divulgação/Arquivo/CEF)

(Imagem: Divulgação/Arquivo/CEF)

Caixa

Ao ser criada, na cidade do Rio de Janeiro em 1861, com o propósito de "recolher os depósitos de poupança popular no Brasil", a Caixa Econômica deu o primeiro passo para se tornar "a opção de investimento mais segura, acessível e adequada a todos os perfis, desde os pequenos poupadores a grandes investidores", explicou o próprio banco, por meio de sua assessoria.

Onze anos depois, com a publicação do decreto 5.153/72, a lei 2.040, publicada um ano antes, foi regulamentada, de forma a possibilitar o recolhimento de depósitos feitos por escravos.

"Trata-se de um assunto que se insere na própria história das transformações e das pressões pelo fim do trabalho escravo no Brasil, que ganhou força na segunda metade do século XIX", detalhou o banco à Agência Brasil. Com isso, as caixas econômicas passaram a recolher os depósitos feitos pelos escravos, que utilizavam a poupança para comprar suas alforrias.

Segundo o banco, foi dessa forma que essas instituições passaram, nas diversas províncias brasileiras, a receber depósitos de escravos, emitindo, como fazia no caso do depositante não escravo, uma caderneta de controle dessa movimentação. "A diferença é que na caderneta dos escravos constava o nome do senhor, uma vez que era necessária a autorização dele para que a conta do escravo fosse aberta", acrescentou.

Publicidade

Pandemia e poupança

O Banco Central divulgou que, em 2020, os investidores depositaram R$ 166,31 bilhões a mais do que retiraram da aplicação. O resultado é o maior já registrado para um ano desde o início da série histórica, em 1995. Em 2019, a captação líquida - diferença entre depósitos e retiradas - tinha ficado em R$ 13,33 bilhões.

O recorde anterior tinha sido registrado em 2013, quando a aplicação financeira tinha captado R$ 71,05 bilhões.

Apenas em dezembro, os brasileiros depositaram R$ 20,61 bilhões a mais do que sacaram da poupança. O valor é recorde para o mês desde o início da série histórica. Tradicionalmente, os brasileiros depositam mais na caderneta em dezembro, por causa do pagamento da segunda metade do décimo terceiro salário.

A aplicação começou 2020 no vermelho. Em janeiro e fevereiro, os brasileiros retiraram R$ 15,93 bilhões a mais do que depositaram. A situação começou a mudar em março, com o início da pandemia da covid-19, quando os depósitos passaram a superar os saques.

O interesse dos brasileiros na poupança se mantém apesar da recuperação da bolsa de valores nos últimos meses. Nos dois primeiros meses da pandemia, as turbulências no mercado financeiro fizeram investidores migrar para a caderneta. As oscilações do Tesouro Direto também ajudaram a atrair investidores para a segurança da caderneta, mesmo o rendimento sendo menor.

Fonte: Agência Brasil

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 12/1/2021 09:08