terça-feira, 26 de janeiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

OAB/SP apóia projeto que garante aos advogados fazer uso da palavra em sessões das CPIs

quarta-feira, 26 de março de 2008


Uso da palavra

OAB/SP apóia projeto que garante aos advogados fazer uso da palavra em sessões das CPIs

O presidente da OAB/SP, Luiz Flávio Borges D'Urso, encaminhou ontem ofício a todos os deputados federais e senadores para enfatizar o total apoio da OAB/SP, expresso em Nota, ao PL 2.646/07, do deputado Walter Brito Neto - PRB/PB, que assegura aos advogados fazer uso da palavra em sessões de CPIs.

  • Confira abaixo a íntegra da nota.

_________________
____________

NOTA

A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SECÇÃO SÃO PAULO apóia o projeto de lei 2.646/07, do deputado Walter Brito Neto - PRB/PB, que garante aos advogados fazer o uso da palavra em reuniões da Comissões Parlamentares de Inquérito no interesse da defesa de seus clientes. Embora venham fazendo um trabalho de grande relevância para o País, algumas CPIs têm se constituído em área de conflito para a atuação dos advogados, com expulsões arbitrárias de defensores de depoentes.

Estes procedimentos arbitrários levou a OAB/SP a impetrar mandado de segurança, obtendo liminar, contra uma CPI estadual, que vetava a presença de advogados. A matéria foi pacificada com a regulamentação pela Lei Federal 10.679, de 23 de maio de 2003, que dispõe sobre a atuação do advogado perante toda e qualquer CPI. O projeto 2646/07 vai além, assegurando a palavra ao advogado.

A OAB/SP entende que dentro do Estado Democrático de Direito, embora seja ampla a competência investigatória das CPIs, há limites definidos pela jurisprudência constitucional, devendo-se respeitar o direito de qualquer depoente, indiciado ou testemunha, de ter ao seu lado um advogado para assisti-lo e, pela ordem, pedir a palavra, e se expressar.

O projeto do deputado Brito Neto assegura o cumprimento de importantes prerrogativas profissionais do advogado no que tange ao pleno exercício da profissão, podendo este fazer uso da palavra, quando considerar necessário, para resguardar os interesses do cliente.

São Paulo, 25 de março de 2008

Luiz Flávio Borges D'Urso
Presidente da OAB/SP

_________________

 

 

 

________________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 26/3/2008 08:36